4 ON 4: Luz

Em 18.08.2016   Arquivado em Por aí

Yayyy, sabe o que que aconteceu? Os caras do Charlie Brown invadiram a cidade!

Ok, a real é que o projeto fotográfico deu ~aquela~ atrasada! Mas o que importa ainda é a intensão, né, minha gente. Até porque eu acabei me animando com a coisa! Pra quem não sabe, minha ilustre pessoinha foi convidada para participar do 4 on 4 com mais três outras blogueiras. Já estamos no segundo post do projetinho! Pra quem não viu o primeiro, tomaqui.

Eis que o tema deste mês éééé…

LUZ. <3 Luz artificial, luz natural… Tudo vai de acordo com a interpretação e criatividade da blogueira. Resolvi me dedicar a esse tema durante uma semana. E tudo o que os meus olhinhos julgavam ser dignos de uma foto para o projeto, lá estava eu dando os meus cliques. Vamos ver o que saiu?

Sempre quis tirar uma sequência de fotos do mesmo ângulo assim! Claro que não ficou EXATAMENTE no mesmo ângulo, mas deu pro gasto, né não? A vista ajudou e MUITO. <3

Se tem uma coisa que adoro com relação à luz natural… É como elas acabam interferindo na foto muito “sem querer”, e mesmo assim dá uma beleza única pra uma imagem que às vezes não tem nada de especial!

Esse dia no parque aqui perto de casa foi bem produtivo, fotograficamente falando, riri. Esse arco-íris artificial roubou a cena! O dia estava suuuuper quente e o pessoal do parque ligou aquelas paradinhas que espirram água na grama, e enquanto os meninos e eu nos refrescávamos e brincávamos, eis que…! A foto já diz por si só.

Finalmente consegui capturar o sol dentre as árvores! Parece simples, mas os raios nunca haviam saído bonitinhos como nesse clique. Palmas pra mim, por favorzinho!

Precisei colocar essas fotinhos do bar que fui em Mount Kisco com uma amiga. Achei a vela super atrativa, dando um ar mais aconchegante ao lugar. E eu sou meio vidrada nessas luzes “suspensas” que também provocam um ar meio old!

Já que o tema é luzes e eu celebrei o 4th July… *————-* não consegui evitar e tive que fechar esse post com chave de ouro com o registro de uma das experiências mais inesquecíveis do meu intercâmbio e da minha vida!

 

Hm, I guess this is it, folks! Gostaram da minha tentativa de fotógrafa hipster?

Ah, é! Querem ver o que as outras meninas do projeto andam aprontando?

Crônicas de Júpiter (antes conhecido como Lovecats)

48 Janeiros

Pequeno Ser Pensante

Um rolê por New York #6

Em 07.07.2016   Arquivado em Por aí

Tá demorando, mas calma lá, soldado. Deus não criou o mundo em um único dia… Que dirá eu organizar o blog e colocar todas as fotos do meu intercâmbio em dia, não é mesmo? ~ba dum tss~ Ok, não foi engraçado.

Muito que bem, gentis! As fotos desse post aqui são de novembro a janeiro. É claro que tem uma infinidade muito maior de fotos que eu tirei durante os três meses (porque sim, eu sou a louca das foto tudo), mas justamente por ser uma infinidade, eu acabei selecionando apenas algumas. Foi com muita dor no coração, mas acreditem! É um favor que faço a vocês.

Preparem o coração <3

 with kk1 preset

Todas essas fotinhos foram tiradas na virada barra Ano Novo! A Times Square estava cercada e só quem chegou antes das 6pm pôde ter acesso aos shows e à muvuca. Eu não consegui, então acabei passando o Ano Novo no Central Park! E ah, não tem fotos dos fogos por motivos de: Ano Novo nos States é muito “bleh”. São 15/10 minutos de fogos e cabou. Vai todo mundo pra casa. Fim. Mas valeu a experiência <3

Passei o resto do feriado em Wantagh, onde a Ana, do canal Agora Virei Gringa, morava. Aproveitamos pra ir ao Park Marina da cidade pra ter aquela vista maravilhosa do pôr do sol! No dia seguinte decidimos visitar uma cidade vizinha e mega aterrorizante: Amityville! Quem é fã de filme de terror, sabe que a cidade é cenário de um dos clássicos do cinema. Aliás, a história e a casa onde aconteceu os paranauês são reais! Alguém reconheceu o lago creepy? 

LADIES AND GENTLEMEN! Pausa dramática para as minhas PRIMEIRAS FOTOS DA NEVE. Pena que não filmei a minha reação, porque eu parecia uma retardada. Ou melhor: AINDA BEM QUE NÃO FILMEI. Já bastou a piada que eu fui para as kids aqui de casa… Mas ai <3

Ok, as fotos acima poderiam ter sido excluídas da minha seleção, mas não foram por motivos de: eu não quis. RIRI foi um dia aleatório no qual eu saí para ler meu livrinho num parque maior lindo que tem perto de casa. E essa fofurice ali acima foi o Levi, o menino mais novo da minha host family quem fez! Incluiu meu nominho na família! Aí quis mostrar pro mundo, licença.

Não queriam neve? TOME NEVE! As primeiras fotinhos são do dia que eu e a Ana inventamos de ver a neve no Central Park. Resultado: pensamos que nossos pés fossem gangrenar! Mas sobrevivemos.

        with p5 preset

A aventura da vez com a Ana, minha eterna parceira de loucuras, foi para Montauk! Eu tinha o sonho MALUCO de visitar essa praia no inverno porque é nessa mesma estação em que a praia é cenário do filme “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças”. E apesar do frio de morrer, eu não me arrependi nem um pouquinho <3

IMG_6479 IMG_6505

Pra fechar esse post gigantesco e bem Frozen, minha viagenzinha com a host family para esquiar na cidade de Woodstock, no estado de Vermont. BRRR <3

Sei que demorei, mas valeu à pena, vai? Gostaram?

O que mais gosto em NYC

Em 27.06.2016   Arquivado em Por aí

NYCpostt

Eu realmente tenho tido uma imensa dificuldade para produzir conteúdo para o blog. E nem vou dizer que o motivo principal é a falta de ideias. Quem acompanha o Além do Meu Mundo sabe que ando numa fase maledita que se chama falta de vergonha na cara inspiração.

Venho conversando com bastante gente a respeito (não tanto quanto gostaria), e apesar de ser meio óbvio, uma pessoa me sugeriu escrever sobre algo do qual eu realmente esteja gostando no momento. Ler e escrever, que são minhas maiores paixões, estão um pouquinho de lado nas minhas prioridades. Mas se tem uma coisa que eu realmente estou amando de paixão paixão… É New York.

Estou aqui há 9 fuckin’ meses e essa cidade ainda consegue fazer eu me apaixonar cada vez mais por ela. ENTÃO decidi fazer um post fofico dedicado ao meu segundo e eterno lar e falar as coisas que eu mais gosto em NYC!

Metrô 24 horas

Acho que o sonho de todo paulista é que o transporte metroviário de São Paulo um dia seja 24 horas. E eu não tiro a razão. Isso definitivamente é a melhor coisa do mundo (pra não mencionar o fato de que você realmente pode ir pra QUALQUER lugar de NYC usando o metrô, porque tem em qualquer canto).

É claro que não é a coisa mais limpa do mundo, mas funciona muito bem, obrigada (exceto nos finais de semana, quando inventam de fazer manutenção em alguma linha e cagam seu rolê. Mesmo assim, os bonitos oferecem shuttle de graça e fazem caminhos alternativos para você chegar ao seu destino. É ou não é uma coisa linda de se ver?).

 

Segurança

segurança

Apesar dos americanos ainda serem muito pirados com relação à segurança e muitos ainda considerarem NYC uma cidade perigosa, eu preciso dizer que me sinto muito mais segura aqui do que em qualquer outro lugar que já estive no Brasil.

Quer dizer… Incontáveis são as vezes que saio para partyear e volto na madruga boladona sem medo ALGUM de andar sozinha na rua, com o celular na mão e tudo. Isso que as ruas residenciais são muito mal iluminadas. No começo eu parecia uma louca correndo até chegar em casa. Depois percebi que nunca estive tão segura em toda a minha vida!

É CLARO que não estou dizendo que não existe violência aqui, calmem lá! E também não é bom ficar dando sorte pro azar. Mas né!

 

Sale é sale de verdade

Cheguei em mais um assunto polêmico, né?

Agora eu entendo porque é tão difícil guardar dinheiro aqui, minha gente. Eu sempre tive facilidade e sempre soube me conter quando precisava maneirar nos gastos. Mas aqui eu confesso que o buraco é bem mais embaixo. Como dizer não a um vestido super gracinha da F21 que está $4.90? Ou um não ainda maior a um par de tênis maravilindo da H&M por $14? Não. Consigo. Lidar.

 

Night Clubs

Chegamos num tópico importantíssimo aqui. E isso se dá pelo fato de que no Brasil eu nunca liguei muito de ir pra balada. Mas aqui a coisa é totalmente insana e extremamente acessível ao nosso bolso. É hora do sexo feminino segurar a marimba, porque mulher entra e consome de graça. Sim, você não leu errado. Nem precisa passar os olhos duas vezes na mesma sentença. Basta você entrar em contato com o promoter da festa que você quer ir (o que é a coisa mais fácil do mundo, já que o que mais tem em NYC é promoter querendo levar você pra festa deles). E não precisa nem fazer bico, porque os homens pagam, mas nem é tanto assim (quer dizer, depende da balada), mas a consumação também é à vonts, sem limites!

Vale tanto à pena partyear que tem que tomar cuidado pra não viciar nessa vida. AH, e pra quem sempre sonhou em fazer uma Limo Ride (passeio de limusine), chora, porque por $25 você enche a cara passeando por Manhattan!

Aqui o glamour é certo, bee!

 

Rooftops

Apesar dos rooftops (telhados) serem conhecidos apenas por abrigar muitas das baladas de NYC, não é só pra isso que eles servem, não! Eu sempre fui apaixonada por esses lugarezinhos no meio da cidade quando via os filmes que tinham NYC como cenário. Porque parece um universo a parte daquela loucura que é a cidade grande. Muitos bares também possuem áreas em rooftops e são maravilhosos. Aliás, até os hotéis que recebem as festas, de dia costumam receber pessoas apenas para um “hang out”. Ir a um rooftop é decididamente uma das minhas atividades favoritas aqui. E o principal motivo disso é a vista. Um dos meus rooftops prediletos é o Le Bain. Só tive a oportunidade de ir até lá de noite, mas mal posso esperar para ir de dia, agora que o verão está chegando!

Le-Bain

Parques

CentralPark

Não achou que eu ia falar de NYC sem citar o que os new yorkers mais apreciam depois de um bom café, não é mesmo? (Aliás… Se puderem tomar café no parque, só faltam vomitar arco-íris). Como new yorker bixete que sou, desenvolvi um certo gosto por parques que nunca tive no Brasil. Guardo momentos memoráveis no parques Ibirapuera e Trianon, mas acho que quando eu voltar saberei aproveitar esses passeios.

É realmente uma delícia correr para um refúgio como o Central Park, Van Cortlandt Park ou o Wave Hill. Parques e árvores espelhados no meio do caos da selva de pedra são a salvação, pode acreditar.

 

Diners

Quer pagar uma miséria e comer que nem um boi? Seu lugar é o diner. Perfeito para quem está voltando daquela baladinha, sabe? (Quem lê parece que eu sou a rata das discotecas, sqn). Quando tô querendo salvar grana (leia-se sempre), me acabo em um diner. E engana-se se acha que a comida lá é ruim. Muito pelo contrário! Ainda tem o plus de se sentir naqueles filmes americanos em que toda a galera se reunia sempre no mesmo bar, sabe sabe? <3

 

Dunkin’ Donuts

Ok, Dunkin’ Donuts é uma coisa que tem em todo lugar dos USA. Assim como os Diners. Assim como quase todos os tópicos do post. Mas vale frisar que essa é a minha visão morando em NYC, então eu ganhei, pronto e acabou. (aquelas).

Bom, para quem não sabe, o Dunkin’ Donuts é uma franquia de cafés concorrente do Starbucks que, como o próprio nome já diz, tem o diferencial da venda de quê? Donuts, 10 pontos pra Grifinória. E devo dizer que é bem páreo para o nosso queridinho que faz o maior sucesso em SP. Tem muita coisa que eu prefiro muito mais do DD do que do Starbucks, porque você tem uma variedade maior de comes e não só bebes. Meu favorito é o grilled cheese. Nem tem nada demais, mas né… E o que é o Frozen Dunkaccino? É bem parecido com os famosos frappuccinos do Starbucks. Perdição, apenas.

 

A cidade que nunca dorme. MESMO!

NYC

A cidade realmente faz jus à nomenclatura! Se tem uma coisa que não tem como acontecer, é ficar entediado em NYC (eu fico às vezes porque sou chata e meio forever alone, mas ignora). Você SEMPRE vai ter o que fazer por aqui. Sempre tem uma festa, uma exposição, um evento, um acontecimento, um show, uma peça de teatro…! Essa cidade tem tantos atrativos que realmente, só fica em casa quem quer. E nem vem com essa de “ah, mas tô sem dinheiro”. Dinheiro aqui muito raramente é o problema. Balada é de graça, evento é de graça…!

 

Já deu pra entender porque eu AMO esse lugar, né?

NYCpost2

E aí? O que achou do post sobre a minha Big Apple? E você que já deu o ar da graça na cidade? Acha que esqueci de mencionar alguma coisa? Pode colocar tudo ali na caixinha de Pandora! <3

Ser viajante não são só flores

Em 22.06.2016   Arquivado em Por aí

Ser viajante não são só flores. Morar fora não é só glamour como todos pensam. Quer dizer… É muito fácil ver as fotos de paisagens de tirar o fôlego das pessoas pensando o quão sortudas e o quão boa é a vida delas sem nem questionar quantas foram as coisas das quais elas tiveram de abrir mão, os sonhos mundanos que tiveram que sacrificar, os centavos que economizaram ou os obstáculos que enfrentam no dia a dia para estar com aquele sorriso que estampam as fotos. Estou falando isso porque eu já fui esse alguém olhando as fotos e desejando que aquela fosse a minha vida.

Para se aventurar não é preciso dinheiro, como a grande maioria acha que é disso que o mundo todo se trata. Se aventurar, se lançar em alto mar sem olhar pra trás, pegar um avião e abandonar a terra-mãe… Tudo isso tem muito mais a ver com coragem do que qualquer outra coisa.

Coragem para deixar a família, os amigos, a cidade, a rotina, as coisas com as quais está habituado para enfrentar o desconhecido em uma terra da qual pouco tem-se conhecimento – mesmo que tenhamos passado dias e noites lendo sobre cada detalhe do destino. Na teoria tudo é muito bonito, realmente.

Mas na prática… Nós já vamos sentindo o coração apertar quando começamos a fazer a bagagem e percebemos que muitas vezes nossa vida cabe e se resume a uma mala. Aquilo passa a ser tudo o que temos. Não temos mais amigos, não temos mais casa. Mesmo quando vamos com um lugar específico para morar, dificilmente conseguimos chamá-lo de lar.

Então descobrimos que aquilo que chamávamos de “ser sozinho”, no nosso quarto, rodeado com as nossas coisas, não é nada perto do que é realmente estar sozinho em uma cidade cheia de vidas cruzando a sua a cada milissegundo. E calma, porque eu nem estou dizendo que essa sensação seja ruim. Muito pelo contrário!

Finalmente descobrimos que teremos de aprender a lidar com o nosso maior inimigo: nós mesmos.

Lutamos contra o medo de nos perdermos, de não termos amigos. Lutamos contra as estações que diferem tanto do nosso país – isso sem mencionar a língua e a alimentação -. Lutamos contra a própria mente que nos consomem noites a fio e nos fazem perguntar a nós mesmos se largar tudo foi a escolha certa. Lutamos contra a distância que faz com que algumas das pessoas mais próximas se tornem apenas estranhas. Lutamos contra a saudade que aperta e machuca. Lutamos contra a tela do computador/celular tentando tocar o rosto de quem amamos e nos conformando que aquilo nada mais é do que uma imagem com a qual precisaremos nos contentar por tempo indeterminado.

E mesmo assim iremos sorrir. Sentimos orgulho de nós mesmos toda vez que pensamos em tudo o que fomos capazes de fazer até agora. E é por isso que sorrimos tanto nas fotos. Não é porque estamos esfregando na sua cara o quão melhor nossa vida é do que a tua. Mas porque nos sentimos vencedores de estarmos ali, porque nada foi fácil. Nada é fácil. Mas a cada dia crescemos e aprendemos um pouquinho mais. Por bem ou por mal. Na boa ou na marra.

E quando estamos ali, com aquela paisagem engolindo nossos olhos e nos roubando todo o ar, acredite, meu velho. Pensar em mostrar que somos melhores que você, que está dando o like na foto, é a última coisa na qual realmente estamos pensando.

Então, da próxima vez que for dar um like na foto de um amigo/parente viajante, dê um like como se o congratulasse. Pense que assim como você tem momentos de tristeza e felicidade, o viajante também tem. E sobre você não postar fotos suas em um mau dia/momento? A mesma regra se aplica ao tal viajante.

Pense que esse seu amigo/parente tem bravura. Porque ser viajante… Ser viajante não são só flores.

4 ON 4: Um dia na minha vida

Em 10.06.2016   Arquivado em Por aí

Div4on4

Tô viiiiva, gente!

Sei que tô sempre prometendo uma volta triunfante que nunca acontece, mas todo grande gênio mundo tem bloqueio criativo em algum momento da vida.

EmmaWatsongrrrr

Por isso que foi uma surpresa e uma animação muito grande quando a minha querida Allie, do blog Lovecats, me convidou pra fazer parte de um projeto fotográfico! Quem sabe assim não me animo a fazer posts decentes para os meus leitores mais que decentes? Sim ou com certeza?

So! Dona Allie convidou mais duas blogueiras super queridas pra participar do 4 on 4: a Nathália do 48 Janeiros e a Isabelle do Pequeno Ser Pensamente. Se ficou interessado(a) em dar aquela checadinha básica, don’t worry! vou elencar todos os blogs bonitinhos ao final do post!

Muito que bem, muito que bom. Um sorteio bem elaborado (de papelzinhos via vídeo super fofo da Allie) decidiu que o primeiro tema seria “Um dia na minha vida”. Achei bem pertinente e até divertido, porque apesar de eu sempre trazer fotinhos da minha vida aqui nos USA, é sempre um compilado. E dessa vez eu vou mostrar (bem resumidamente) um pouquinho da minha rotina no dia-a-dia. Inclusive a missão “ser au pair”.

Senta que lá vem foto do dia 08 de junho, melbem!

IMG_1490

Acho que já deu pra notar pelas minhas fotos anteriores que AMO tirar foto de sombra, néam? Pois bem. As sombrinhas ali são, da direita pra esquerda, eu, Levi e Zev (os dois meninos dos quais eu cuido). Estávamos esperando pelo bus school!

IMG_1403

Aqui é a minha pessoa prontinha para ir ao parque correr! *-* desde que começou a esquentar, abandonei a academia para me exercitar ao ar livre com uma amiga!

IMG_1465

Eis aqui as pernas da branquela a caminho do parque. Não tem nada demais, mas gostei da composição das corer, COLICENÇA.

IMG_1404 IMG_1405

Essas duas fotinhos foram tiradas seguidamente, ainda indo para o parque! Eu adoro a caminhada até lá. (Acho que deu pra perceber, né?)

IMG_1446 IMG_1447 IMG_1451

Essas três fotinhos representam o momento em que espero pelo school bus do Levi chegar. Eu caminho até o final do quarteirão da minha rua, e minha vista é essa casa que eu fico namorando todos os dias. E aí não demora muito até aquele famoso school bus amarelo que amamos no filme chegar! <3

Queria ter feito uma coisa mais bem elaboradinha, e juro que tive ideias bem foficas para tal, mas ainda deu pra perceber que a velha Nats ainda não voltou com os posts tudo, né? Porém, no entanto, todavia, eu ainda não desisti! Então não desistam de mim tomein, por favorzinho!

Mal posso esperar pelos próximos temas! E quer saber de uma coisinha? Até que me deu vontade de postar minhas 9384363283427 fotos atrasadas, hein?!

Muito bem, por hoje é isso, kids! Ah!

Seguem os blogs das outras meninas! Deliciem-se <3

Lovecats

48 Janeiros

Pequeno Ser Pensante

Um rolê por New York #5

Em 19.03.2016   Arquivado em Por aí

Eita, que eu vim tirar a teia desse blog de uma vez, minha gente! Não priemos cânico, juro que não fiz aquele post pra sumir de novo. Agora que as coisas estão voltandinho nos eixos, resolvi dar aquela avaliada nas fotos dos últimos meses que eu deveria ter postado aqui, mas NÉ?

A verdade é que eu fiz vááários passeios em parques e outros sposts super legais, mas atrasei tanto os posts que não sei se valeria à pena postar tudo. Então decidi fazer um compilado dos melhores cliques que dei por aí. É CLARO que ainda existem outras mais e vou retomar a coisa toda aos pouquinhos, pinky promise! E se caaaso vocês queiram que eu poste os passeios na íntegra, separadinhos… É só fazer aquele coment fofo ou entrar em contato comigo como muitos fizeram na minha ausência! Aliás, obrigada pelo carinho *-*

Ok, agora CHEGA de papo, vou mostrar por onde eu andei nesses dois meses. Aliás… Muitos cliques são de outubro, dos meados dos Dias das Bruxas, riri. 😡

IMG_1219 IMG_1360

PS1: Aí você vai no mercado no mês de outubro e.. Opa! O_O

IMG_1375 IMG_1481 IMG_1515 IMG_1567 IMG_1721

IMG_1727 IMG_1764

PS2: AAAI, o outono! O inverno sempre foi a minha estação favorita… Mas o outono nos USA, gente… Indescritível. Como bem podem ver, o que eu mais fiz nessa estação foi ir aos parques mais lindos da vida, haha

IMG_2089 IMG_2166 IMG_2167 IMG_2182 IMG_2200 IMG_2212 IMG_2214 IMG_2219

IMG_2229 IMG_2231 IMG_2238 IMG_2333 IMG_2347

IMG_2420 IMG_2917 IMG_3440 IMG_3867 IMG_3874

IMG_3889 IMG_3916 IMG_3939

PS3: Uma das minhas fotos favoritas da vida. New York in blue <3

IMG_3995 IMG_4175

IMG_4179 IMG_4180 IMG_4293

PS4: Uma fotinho pra ilustrar o meu Natal, que aliás, foi maravilhoso! Passei na casa da minha miga mais linda, Ana, do canal Agora Virei Gringa. Saudades, guria :'(

IMG_4428 IMG_4435

IMG_4438 IMG_4447 IMG_4450 IMG_4454

Overdose de fotos aleatórias, EU SEI. Mas juro juradinho que se quiserem posts foficos mostrando spots específicos, eu faço. Vocês decidem, munamures. <3

Um rolê por New York #3

Em 29.10.2015   Arquivado em Por aí

NYC

Quem é vivo sempre aparece, né? Eu sei! Tem MUITA gente querendo me matar, várias pessoinhas fofas vieram falar comigo que eu não ando postando… E todo post que eu faço eu dou a mesma desculpa do “tempo”. Mas na verdade agora a desculpa é outra! Achei que eu NUNCA ia escrever isso aqui, e é bem triste começar um post falando uma coisa dessas, na verdade! Mas é que esses tempos eu estou me sentindo sem inspiração NENHUMA pra postar, gente!

CALMA, que eu não vou ser dramática e deletar tudo (para desespero dazinimiga riririri). É só uma fase minha mesmo, sei lá!

Como não estou muito no mood de posts mais elaborados, resolvi fazer um post que é super adorado pelos leitores tudo, que são fotinhos dos passeios que faço por NYC! Quem sabe não me animo? Aliás, minha parte favorita de postar fotos é fazer as legendas! ~sdds orkut~

IMG_0476

PS1: Só porque eu gostei da escada

IMG_0488 IMG_0497

PS2: Ignora o bico de pato, faz favô.

IMG_0502 IMG_0503 IMG_0520 IMG_0521 IMG_0525

PS3: Foto de Tumblr, porque sim <3

IMG_0592 IMG_0623 IMG_0632

PS4: Fazendo uma das coisas que eu nunca achei que teria saco: relaxar deitada no parque. E sim, agora amo fazer isso <3

IMG_0679 IMG_0680 IMG_0693

PS5: Pena que a foto não ficou tão boa quanto a vista realmente era 🙁

IMG_0738

PS6: Central Park visto do Top Of The Rock <3

IMG_0743 IMG_0744 IMG_0747 IMG_0754 IMG_0772 IMG_0775 IMG_0778 IMG_0780

PS7: Sim, é a Ana do canal Agora Virei Gringa de novo, se acostumem, porque vão enjoar da cara dela aqui <3 E essa coisica fofa do outro lado é a Nana, amiga da Ana que veio de Phoenix visitar a cidade que nunca dorme!

IMG_0783 IMG_0785 IMG_0790 IMG_0793 IMG_0828

PS8: Se achando a modelete

IMG_0829 IMG_0832 IMG_0842 IMG_0847 IMG_0894

Tá bão de foto por hoje, né? Se bem que ainda tenho umas 65326721 pra postar ainda! Me segurem! <3

Au Pair: Namoro a distância

Em 15.10.2015   Arquivado em Por aí

distância

Pois é. Depois de muitos pedidos, resolvi falar do assunto que assusta muito as futuras au pairs que deixarão o país e são comprometidas.

Aí vocês devem estar se perguntando: “Como sobreviver a isso?”/”Nosso amor vai acabar!”

cryyy

Meu primeiro conselho é:

bitchpause

Calmou? Então agora vamos lá!

Ninguém aqui tá falando que vai ser uma coisa simples, porque não é. E eu acho que eu sou a melhor pessoa pra falar sobre isso por motivos de: já passei por isso antes.

Há dois anos atrás eu tive um namorado que foi fazer intercâmbio em Dublin e ficou lá 8 meses. Aí vocês devem estar pensando: “Você deve ter morrido.”

Pra ser sincera, eu achei que fosse mesmo.

MAKEITSTOP

Só que não. Ao que contrário do que podem pensar, aprendi MUITA COISA com essa distância. Aprendi a me conhecer melhor, a saber meus gostos, a ficar sozinha… E descobri que ficar sozinha é totalmente diferente de ser sozinha, e que em alguns momentos isso é uma delícia!

É claro que eu não descobri isso de cara, né, gente. Tive que aprender na marra. Nós dois aprendemos com os erros e estamos tentando não cometer os mesmos erros que cometemos quando ele foi, e mesmo assim, todo dia é uma nova lição a aprender!

Então eu estou aqui para tentar acalmar o coração dessas moças todas com algumas diquinhas primordiais pra que esse relacionamento perdure.

 

Diálogo

Esse é o primeiro item porque provavelmente é a primeira coisa que acontece quando você decide que quer ser au pair. Vocês vão precisar conversar sério e honestamente para saber o que será do relacionamento de vocês a partir deste momento.

Você vai. Essa é a primeira coisa a ser dita. Vocês vão continuar o relacionamento? Ele(a) aceita continuar o namoro? Como vai funcionar? Vocês vão se ver? Ele(a) vai te visitar?

Como você pode ver, tem MUITO assunto pra ser resolvido.

Não faça novela novela mexicana antes da hora.

novelamexicana

 

Compreensão

Esse item é primordial no relacionamento, ainda mais em se tratando de intercâmbio. E isso não serve só pra quem está ficando, mas pra quem está partindo também.

ed20

Pra quem fica

Não vou ser hipócrita, até porque já estive no lugar de quem fica. Esse é o papel mais difícil. É compreender logo de cara que o seu amor deseja realizar algo pessoal do qual você não irá necessariamente fazer parte, mas que isso não é de um todo ruim (só que você só percebe isso depois). É compreender que o egoísmo precisa ser deixado de lado. Acho que essa foi a parte mais complicada pra mim quando ele foi, e eu sinto muito por isso até hoje. Sei que era mais nova, mas acho que eu poderia tentar levar as coisas um pouco menos na emoção, só pra variar um pouquinho.

Também tem que compreender que o seu amor está indo desbravar uma outra terra e conhecerá pessoas novas, mas isso (pelo menos no nosso caso) não será uma ameaça ao seu relacionamento.

 

Pra quem vai

Apesar de você estar com a cabeça à mil, com visto, malas, família, ansiedade tudo ao mesmo tempo, terá que abrir um espaço gigante pra compreender que o seu amor que está ficando vai sofrer mais do que você nesse período, e isso é triste e inevitável. Não adiantará você dizer que tudo vai dar certo, que vocês vão passar por isso, que você continuará amando-o(a). Nada faz o sentimento de “perda” dele(a) ir embora, e você precisa entender que isso não é necessariamente sua culpa. Você vai ficar triste e vai sofrer junto, óbvio. Mas não se sinta culpada(o).

Você vai ter que compreender que “cada cabeça é uma sentença”, e que ele(a) pode reagir de diferentes maneiras. Talvez ele(a) queira participar de todo o processo, queira te ajudar com as malas, queira saber dos seus planos (como no caso do meu namorado). Mas pode ser que ele(a) não queira nem ouvir a palavra “intercâmbio” ou o nome do destino para onde você vai. Talvez ele(a) não aguente e comece a chorar só de pensar à respeito (como no meu caso. Culpada nos dois itens). E de novo, eu muito me arrependo da minha postura diante disso, pois era um momento em que meu namorado precisava de apoio e eu não o dei. Peço desculpas pra ele até hoje por isso.

 

Paciência

Como se não bastasse vocês terem que lidar com a própria situação e com a saudade de matar, ainda tem aquelas pessoas que fazem você perder a cabeça, tentando te fazer pensar besteira mesmo sem intenção. Não entendeu?

Sabe aquele primo que solta: “Nossa, mas relacionamento a distância não dá certo, cês sabem, né?” ou “Iiiiih, quem vai trair primeiro?”. Melhor: “Ahh, mas comigo não rolou não. Terminamos no primeiro mês.”

shailene-woodley-ears-secret-life-american-teenager

SEMPRE vai ter uma pessoa querida assim pra te “ajudar” a passar por essa situação, então o que eu tenho pra dizer é: respira fundo e confia no seu relacionamento.

Você já conversou com o seu/sua parceiro(a) a respeito e vocês são os ÚNICOS que sabem do relacionamento de vocês. Não deixe que ninguém possa ditar o que será de vocês agora. As únicas pessoas que vão fazer isso dar certo (ou não) são vocês dois e PONTO FINAL.

 

Ciúmes

Cheguei onde todo mundo queria, né? NÉ!

É inevitável, gente, sinto dizer. Até o ser menos ciumento do universo vai virar a Namorada Sinistra nesse momento.

overly-attached-girlfriend-o

A culpa é da distância, que aumenta tudo na gente: a saudade, a insegurança, o medo de perder. Mas também digo que a culpa será sua se ficar se encanando com qualquer coisa.

Não pense você, que vai ficar no Brasil, que seu boy/sua girl vai ficar entocado em casa nos finais de semana e dias off, porque eles não vão. Eles estão em um país diferente e TAMBÉM querem curtir. E não pense você, que tá viajando, que seu boy/sua girl também não vão querer sair pra se distrair, uma vez que você não está lá para fazerem isso juntos. É uma troca justa, né?

E sim, haverão amigos novos, principalmente quem estiver viajando. E isso faz parte, so sorry, mate.

É claro que é preciso estabelecer certos “limites”. E quando eu digo “limites”, não é impor nem viver em um “relacionamento abusivo”. Vamos chamar isso de bom senso, ok?

“Como assim, Nats?” Bom. Sempre que você for fazer algo e pensar se aquilo vai magoar seu/sua parceiro(a), pense “E se fosse o contrário? Eu me chatearia?”. Sim sim. Sabe aquela frase da nossa mamãe “Não faça aos outros o que você não quer que façam com você?”. Adote e siga com amor e carinho e todos ficarão felizes (e vivos).

 

Confiança

Apesar de esse item estar intrinsecamente ligado ao item acima, resolvi dar um espacinho especial para falar. Isso não é novidade e não é a primeira vez que você ouvir (ler, no caso): Confiança é a base e todo o relacionamento.

medotaylor

Acredito que você conhece com quem está namorando e sabe muito bem o que esperar e o que não esperar do(a) seu/sua parceiro(a). Nesse ponto vocês já conversaram bastante e sabem o que é saudável e o que não é para o relacionamento de vocês, certo? Diz que sim, for Christ Sake.

Vocês passarão por muitas provações e muitos mal-entendidos, e aí entra aquele item do diálogo, lembra? Não interprete nada antes de conversar, não dê espaço para que sua interpretação seja a história real sem antes ouvir o outro lado.

 

Honestidade

Eu poderia ter falado isso tudo no item acima, mas também acho primordial falar sobre isso separadamente. Fale SEMPRE o que sente. Nunca deixe pra falar depois, fale quando der na telha, no momento em que estiver sentindo.

Se estiver inseguro(a) diga. Se estiver com saudade diga. Se estiver com raiva diga. Se estiver triste diga. Se estiver sofrendo diga. Se estiver feliz e quiser compartilhar uma novidade diga. Se estiver confuso diga. Não deixe nada passar.

reallyupset

Se em algum momento do relacionamento um dos dois sentir que não conseguirá mais lidar com a distância por qualquer motivo… Seja por estar desgastado(a), cansado(a) ou até mesmo interessado(a) em outra pessoa, diga.

Se você não ama mais a pessoa com quem está, pelo menos respeite a história e o amor que compartilharam pelo tempo em que estiveram juntos. Seja homem/mulher e fale a verdade. Não magoe quem está à sua espera. Não magoe quem está longe, porque não é justo com ninguém.

 

Bom, acho que o post já virou uma bíblia, então eu deixarei esse assunto em aberto porque ainda falarei sobre diquinhas fofas para manter o relacionamento.

 

O que você acha de namoro a distância? Acha que conseguiria lidar? Deixe suas dúvidas, críticas, mágoas e frustrações aqui! RIRI

Ponte

Em 12.10.2015   Arquivado em Crônicas

Ponte

This Love – Taylor Swift (Cover by Melanie Ungar)

Eu só fui. Acho que é uma daquelas coisas que você tem que fazer sem pensar nas consequências, sabe? Algumas coisas simplesmente acontecem.

E eu fiz. Liguei pra um cara com quem conversei uma única vez porque simplesmente precisava de alguém que pudesse estar comigo em uma terça-feira fria típica de uma noite de outono em New York.

E o mais maluco foi vê-lo chegar enquanto eu estava sentada no banco no qual conversamos por acaso em uma outra noite sem sentido na Brooklyn Bridge. E aquela era apenas mais uma noite sem sentido.

Pelo menos foi o que eu finalmente concluí quando ele parou de pé ao lado do banco. Jaqueta de couro e calça jeans. Sneakers da Nike nos pés. Também tinha um cachecol desajeitado no pescoço. As mãos estavam nos bolsos enquanto ele me encarava quase que eternamente.

Eu o encarei de volta e fiquei pensando no que o havia feito ir até lá. Nós nem éramos amigos! É verdade que tínhamos algumas aulas juntos na New York University, mas não é como se isso significasse algo já que nem nos falávamos. Pelo menos até aquela noite maluca em que acabamos conversando depois de fugir de uma festa em que a polícia acabou aparecendo.

E quando eu finalmente analisei toda a situação e comecei a considerar a me jogar da ponte por ter feito a besteira de ter ligado e me sentir a pessoa mais idiota do mundo, ele se jogou ao meu lado, se esparramando no banco e deixando as pernas bem relaxadas enquanto fingia que não via o caminho que as lágrimas secas fizeram no meu rosto.

O engraçado é que eu poderia ter ligado pra qualquer pessoa. Qualquer mesmo. Tenho certeza que qualquer uma das minhas amigas teriam vindo no mesmo momento. O problema é que quando eu destravei o meu celular e deslizei o dedo pela minha lista de contatos o primeiro nome que meus olhos encontraram foi o dele: Dylan.

Quer dizer… Ele é um cara legal. Pelo menos foi o que me pareceu quando estávamos conversando daquela vez. E eu posso afirmar isso com certeza – já eu não havia bebido naquela noite porque aquela era a vez da minha amiga encher a cara e eu ser a responsável da vez. E ele não havia bebido porque… Simplesmente não sei o por quê.

Ele suspirou enquanto passava a encarar o rio East, que de noite parecia um grande tapete escuro refletindo as luzes que Manhattan emitia imponentemente do outro lado da ponte. Eu estava esperando que ele dissesse alguma coisa. Qualquer coisa. Mas a única coisa que ele fez foi molhar os lábios algumas vezes.

E aquilo meio que me irritou, sei lá.

– Não vai dizer nada? – perguntei tentando fazer com que a minha voz não soasse trêmula.

– Eu deveria? – ele respondeu com outra pergunta, dando um sorriso torto. Continuou a encarar o rio.

– Sei lá… Eu te fiz sair do dormitório dez e meia da noite em uma terça-feira fria pra vir até a Brooklyn Bridge. – ele finalmente me encarou franzindo a testa. – Qual é… Não é algo que uma pessoa faria normalmente. Quer dizer… Nós nem somos amigos.

Ele riu fraco.

– É… Confesso que achei estranho. Mas e daí?

– Você não tinha algo melhor pra fazer, né?

– Eu poderia estar jogando videogame agora. Ou dormindo.

Dessa vez fui eu quem riu fracamente.

– E não vai me perguntar o por quê disso tudo?

– Você esteve chorando. – ele pontuou rapidamente. Encolheu o corpo quando sentiu um vento mais cortante passar por nós. Eu fiz o mesmo.

Assenti em resposta e ele não disse nada.

– Não vai perguntar o que houve?

– Não sei se é algo que você realmente quer que eu faça. Já teria me contado antes se quisesse. – era verdade. – Você só precisava estar com alguém, não é? – aquilo me fez ficar em silêncio porque não sabia que resposta dar sem parecer uma garota idiota. – E eu estou aqui.

Nesse momento percebi que estávamos nos encarando. Meus olhos estudaram a expressão simples e amena que ele carregava. Ele sempre a tinha no rosto. Era como se nada fosse capaz de tirá-lo do sério. Era como se ele fosse capaz de lidar com qualquer coisa. E naquele minuto eu concluí que talvez esse fosse um dos motivos que me fez ligar pra ele.

Aquilo me fez questionar o por quê de eu nunca ter falado com ele antes daquela noite. Ele simplesmente esteve ali naquela noite, e tenho que confessar, foi divertido. Era como se nos conhecêssemos a vida toda. A verdade é que ele esteve durante todo aquele tempo… E agora ele estava aqui comigo sem cobrar qualquer explicação prudente.

Eu poderia ter agradecido. Eu poderia ter continuado aquela conversa. Poderia até mesmo contar o por quê de tudo aquilo. Mas tudo o que eu fiz foi depositar a minha cabeça no ombro dele.

Eu precisava. Ele estava lá. E as coisas… Elas simplesmente acontecem.

 

Livros que quero ler

Em 10.10.2015   Arquivado em Livros

books

Sabe aquela lista de livros enorme que você lê um, risca da lista e acrescenta mais três? É a minha lista.

Eu deveria ser como toda garota normal que não pode entrar em uma loja de sapatos. Mas não, eu não posso entrar em uma livraria sem sair com pelo menos um outro título anotado para ler depois.

Vocês devem, inclusive, estar sentindo falta das resenhas que costumo fazer, e bom… A verdade é que não tenho tido tempo de terminar UM LIVRO. Comecei QUATRO e desde que cheguei aqui em New York não tenho conseguido continuar nenhum deles.

book2

E o motivo de “desinspiração” eu já descobri: preguiça de ter que ler um livro todinho em inglês. Parece bobeira, mas não é. Tem hora que o cérebro simplesmente cansa.

E claro, ainda assim a minha lista de livros continua a crescer. Por isso resolvi escrever sobre ALGUNS dos livros que estou lendo ou lerei em breve para me dar um empurrãozinho.

 

Naomi & Ely e A Lista do Não-Beijo

Naomi&Elly

Sinopse: Naomi e Ely são amigos inseparáveis desde pequenos. Naomi ama Ely e está apaixonada por ele. Já o garoto, ama a amiga, mas prefere estar apaixonado, bem, por garotos. Para preservar a amizade, criam a lista do não beijo — a relação de caras que nenhum dos dois pode beijar em hipótese alguma. A lista do não beijo protege a amizade e assegura que nada vá abalar as estruturas da fundação Naomi & Ely. Até que… Ely beija o namorado de Naomi. E quando há amor, amizade e traição envolvidos, a reconciliação pode ser dolorosa e, claro, muito dramática.

 

Eu comecei a ler esse livro no Brasil, o trouxe comigo, mas na bagunça da minha vida parei de ler e quero recomeçá-lo pra fazer a coisa direito. E não é que o livro seja ruim. Muito pelo contrário. Achei a história simplesmente incrível porque é bem diferente de tudo. Super engraçada e despretensiosa. Eu nem sabia da existência desse livro, mas foi aquele caso de amor à primeira vista com a capa. Porque é azul (minha cor favorita), porque o copinho de café é em relevo e me faz pensar em New York. E aí me encantei ainda mais quando comecei a ler e vi que a história se passa, de fato em New York. Minha vontade é ir em todos os lugares que se tornaram cenários. E sim, eu vou tentar fazê-lo. Se tudo der certo postarei não só a resenha como também esse passeio.

 

The List

TheList

Sinopse: A mais bonita. A mais feia. Isso acontece todo ano antes do baile – uma lista é divulgada por toda a escola. Ninguém sabe quem a escreve, mas ninguém realmente se importa.

Duas garotas de cada série são escolhidas. Uma é nomeada a mais bonita, a outra a mais feia. As garotas não escolhidas são rapidamente esquecidas, mas as escolhidas se transformam no centro das atenções e reagem de diferentes maneiras.

A alegria de Abby por ter sido nomeada a mais bonita é obscurecida pelo ressentimento da irmã; Danielle se preocupa com a reação do namorado diante da novidade; Lauren, a garota educada em casa, fica cega com a rápida popularidade; Candance não é feia nem de perto, deve ter havido algum engano; Bridget sabe que a transformação do verão não foi algo a ser celebrado; Sarah sempre se rebelou contra a ideia de beleza tradicional, e ela decide levar a comunidade a outro nível; E Margo e Jennifer, ex-melhores amigas que pararam de se falar há anos são forçadas a se confrontar para entender o porquê do fim da amizade.

O estrago é feito e o preço é alto.

 

Esse é o livro que estou lendo atualmente e que PROMETO não soltá-lo como fiz com os outros três que estou ~lendo~. Comprei essa semana com o intuito de me inspirar novamente. A sinopse (“traduzida” por mim já que não achei nada em português sobre o livro) me chamou a atenção e a leitura parece ser fácil para eu começar. Esse assunto me interessa muito, porque de certa forma, ao se pensar em rótulos de “mais bonita e mais feia”, automaticamente pode-se pensar sobre o bullying, que como todo mundo sabe, é assunto que muito me interessa.

 

Unspoken

Unspoken

Sinopse: Kami Glass está apaixonada por alguém que nunca chegou a conhecer – Um garoto com o qual ela conversa desde o seu nascimento. Isso a faz uma pessoa diferente em sua pacata cidade inglesa Sorry-in-the-Vale, mas ela aprendeu a utlizar isso a seu favor. Sua vida parece estar em ordem, até que eventos perturbadores começam a ocorrer. Houveram gritos na floresta e pela primeira vez em 10 anos a mansão com vista para a cidade se iluminou… A família Lynburn, que governou a cidade há uma geração e que todos abandonaram sem aviso, agora retornou. Agora Kami pode ver que a cidade que ela conheceu e amou a vida toda está escondendo um punhado de segredos – e um assassinato. A chave para tudo isso só pode estar no garoto em sua cabeça. O garoto que ela pensava ser apenas fruto de sua imaginação é real, e difinitivamente algo deliciosamente perigoso.

 

Na minha caçada por livros na rede social de Bookaholics, Skoob.com.br, acabei descobrindo essa obra literária que muito me interessou. As críticas que li também fazem uma boa referência e tô louca pra ler!

 

Fangirl

Fangirl

Sinopse: Cath é fã da série de livros Simon Snow. Ok. Todo mundo é fã de Simon Snow, mas para Cath, ser fã é sua vida – e ela é realmente boa nisso. Vive lendo e relendo a série; está sempre antenada aos fóruns; escreve uma fanfic de sucesso; e até se veste igual aos personagens na estreia de cada filme.

Diferente de sua irmã gêmea, Wren, que ao crescer deixou o fandom de lado, Cath simplesmente não consegue se desapegar. Ela não quer isso. Em sua fanfiction, um verdadeiro refúgio, Cath sempre sabe exatamente o que dizer, e pode escrever um romance muito mais intenso do que qualquer coisa que já experimentou

na vida real.

Mas agora que as duas estão indo para a faculdade, e Wren diz que não a quer como companheira de quarto, Cath se vê sozinha e completamente fora de sua zona de conforto.

Uma nova realidade pode parecer assustadora para uma garota demasiadamente tímida. Mas ela terá de decidir se finalmente está preparada para abrir seu coração para novas pessoas e novas experiências.

Será que Cath está pronta para começar a viver sua própria vida? Escrever suas próprias histórias?

 

Esse livro está na minha lista há SÉCULOS e eu ainda não o li por motivos de: acho ele muito caro no Brasil. Porém, no entanto, todavia, agora que estou aqui a coisa mudou de figura e eu estarei apta a comprá-lo. Nem preciso falar porque quero muito ler esse livro, né? Precisa? Tá bom. Uma palavra: fanfictions.

brancadeneve

Essa é a minha lista do momento, embora eu tenha cerca de 120 na lista real… Mas esse assunto a gente deixa pra outro dia!

E aí? Alguém também se interessa em ler um desses livros ou já leu algum e quer dar opinião? MANDA A VER. Só não dê spoiler, pelo amor de Jeová.

spoilers

Página 1 de 212
Translate »