Onde fica o meu espaço no mundo?

Em 02.08.2017   Arquivado em Crônicas, Por aí

Se você clicou neste post é bem provável que esta deva ser a pergunta que você se faz todos dias. Ou algum dia já foi uma pergunta que você fez a si mesmo.
A gente sempre acha que saber quais são as nossas habilidades e do que mais gostamos já é o suficiente para ter esse tão sonhado lugar no mundo. Só que é aquela velha história: na teoria tudo é fácil.
Saber o que te faz feliz nem sempre te coloca na estrada de tijolos dourados rumo ao seu destino. E não estou exigindo que fosse. Assim nem teria graça.
O problema real da questão é quando parece que o que te prospecta felicidade não possui espaço algum no mundo. E nem é questão de “ora, basta conquistar o seu espaço! Você precisa se esforçar!”
Será que quero mesmo um espaço nesse mundo? Um mundo em que não sou gente, e sim número? Um mundo que te obriga a ser o que não é e te enfia regras goela abaixo, doa a quem doer? Um mundo no qual eu tenho que falar aquilo que querem ouvir para que eu seja aquilo de que realmente precisavam? Bom… Se tenho de fazer isso é porque no fim das contas eu não sirvo pra nada daquilo que o mundo tem a oferecer, não é mesmo? E o que eu tenho também não lhe cabe. É como tentar vestir uma roupa de bebê recém-nascido em uma melancia.
Eu não sou um produto. Eu não sou uma oferta. Eu não estou a venda.
Eu tenho muito a oferecer. E é triste que o mundo seja tão cruel a ponto de me fazer pensar o contrário. De me fazer questionar o meu papel. De não me dar o que eu tanto queria: um espaço.

O que é ter sucesso?

Em 27.08.2016   Arquivado em Crônicas, Off topic, Por aí

Ter uma boa posição no mercado de trabalho? Ter o carro do ano? Uma casa de dar inveja? Ser poliglota? Viajar o mundo? Conhecer muita gente? Ser um bom pai/uma boa mãe? Casar com o amor da sua vida?

Existem 7 bilhões de pessoas no mundo. Isso significa que são 7 bilhões de respostas diferentes. 7 bilhões (ou mais) de sonhos por aí.

São tantas vidas, tantos lugares que influenciam e refletem na nossa história… É tanta coisa acontecendo na roda da vida que muitas vezes acabamos nos perdendo no caminho. Saímos fora da rota (isso quando e se temos uma rota, né).

Na maioria das vezes achamos que temos tudo sobre controle. Um plano perfeito e infalível que simplesmente não tem como dar errado. Afinal de contas perdemos um tempo arquitetando-o em nossa mente. Muitas pessoas até externam e colocam tudo no papel – dizem que fazê-lo torna o plano/sonho (ou do que quer que chamemos isso) mais consistente, mais “possível”. – Na teoria tudo é lindo, né?

O problema é quando algo sai fora daquilo que era esperado. Mas vale ressaltar que não estamos falando de um acidente de percurso – estes existem apenas para tornar a aventura um pouco mais emocionante e gratificante. – Estamos falando de quando o nosso sonho, a nossa ideia, o nosso plano…! Simplesmente perde o sentido.

Sentiu o peso da frase em negrito? Se fosse um filme ou um livro diríamos que é o ápice da história. O momento de tensão que geralmente explica todos os acontecimentos e que ao final (na grande maioria das vezes), tudo se resolve. Mas acontece que não é um filme. Não é um livro. É a nossa vida. E as coisas não se resolvem simplesmente. E enquanto continuamos na batalha interna entre nós e nós mesmos, o mundo continua a girar e as pessoas correndo atrás do chamado “seu”.

Sentamos na plateia e assistimos essas pessoas conseguirem chegar onde querem enquanto ficamos para trás tentando entender a moral da história e tentando descobrir o que fazer pra chegar lá (seja lá onde esse nosso “Lá” esteja). Pensando no quanto essas pessoas são tão melhores. Porque a grama do vizinho é sempre mais verde.

Perdemos tanto tempo tentando responder a si mesmos “o que é ter sucesso” que esquecemos a pergunta que verdadeiramente importa: o que faz você feliz?

Ser adulto não é difícil. Difícil é nos encontrarmos. Difícil é sermos nós mesmos. Difícil é acharmos o nosso lugar ao sol. Difícil é sabermos qual dos mais de 7 bilhões sonhos é o nosso correndo perdido pelo mundão afora. Difícil é descobrirmos a que viemos. Difícil é ser feliz. E ter sucesso (?). Difícil é…………

Ninguém é obrigado

Em 24.08.2016   Arquivado em Crônicas, Off topic, Por aí

Dia desses um amigo fez aquela pergunta que todo mundo responde em algum momento da vida: “Você já se decepcionou com as pessoas? Com o amor?”

Sabe aquele silêncio ensurdecedor que paira no ar nos momentos mais inesperados? Pois é.

Fico me perguntando até agora por que diabos minha voz ficou entalada na garganta e eu não consegui dar a resposta que já estava na ponta da língua. Vai ver é aquele medo de se expor que no fundo todo ser humano tem. Aquele medo de se mostrar frágil. De se mostrar quebrável.

E mesmo depois da conversa fiquei com aquela pergunta ecoando nos meus ouvidos quando deitei a minha cabeça no travesseiro. Porque eu tinha mesmo a resposta na ponta da língua.

Afinal de contas, acho que todos nós um dia já sofremos e nos decepcionamos. Dentro e fora do amor. E comigo, claro, não seria diferente.

Sabe por que nos decepcionamos? Porque esperamos demais das pessoas. Achamos que só porque somos capazes das loucuras mais absurdas quando gostamos de alguém (não só no amor, mas também na amizade), só porque nos entregamos demais, achamos que as pessoas têm a mesma obrigação conosco. Que o sentimento precisa ser mútuo.

Só porque eu já cansei de largar minhas obrigações pra socorrer uma amiga que tá com dor de amor e passar a madrugada com ela vendo filmes, comendo gordices e aconselhando, não significa que essa amiga irá fazer o mesmo por mim. Só porque eu abri mão de sonhos para estar ao lado de um grande amor, não significa que esse grande amor fará o mesmo por mim. Conseguem entender?

As pessoas nem sempre fariam o mesmo por nós. E é aí que mora a polêmica! Sabe aquela famosa frase da sociedade contemporânea dos memes malucos? “Eu não sou obrigada!”? Pois é, ninguém é obrigado a ser recíproco. E isso deveria ser completamente aceitável.

Só que não é. Em se tratando do ser humano, não é. Somos egoístas mesmo sem querer. Queremos aquilo que as pessoas são incapazes de nos oferecer. E nem é culpa delas, sabe? Como elas vão oferecer algo que não têm?

Meu pai sempre me dizia isso e eu demorei muito pra entender. Confesso que até hoje ainda me custa aceitar, mas é a mais pura verdade. Precisamos parar de esperar demais das pessoas e a ser tão dependentes delas. Se aquilo é o que elas têm para oferecer e não lhes é o suficiente, então talvez seja hora de deixar pra lá, não acham? Afinal de contas… Nós também não somos obrigados a viver com pouco, viver de miséria. Isso mesmo. Não somos obrigados. Ninguém é.

A praga que é te esquecer

Em 31.07.2016   Arquivado em Crônicas

Ouça: Like a Fool – Keira Knightley

É engraçado como acreditamos no poder de certas atitudes para esquecer alguém. Quer dizer… Eu acreditei de verdade que apagando suas fotos das minhas redes sociais… Ou rasgando aquelas outras do mural fariam eu simplesmente esquecer que você já esteve na minha vida.

Eu também acreditei que deletando as músicas do meu iPod – aquelas que costumávamos escutar dividindo o fone de ouvido enquanto ficávamos deitados na sua cama olhando as estrelas pela janela – também deletariam você da minha memória.

Tive certeza absoluta que ia esquecer completamente as noites que você dormiu na minha cama trocando os móveis de lugar e dando embora os objetos de decoração que você me deu – e que eu adorava tanto.

Doei até mesmo as roupas que você me deu. Ou aquelas que você gostava que eu vestisse. Lembra aquele vestidinho azul, o meu preferido? Dei embora com muita dor no coração, só porque você dizia que eu ficava incrível nele.

E seu nome? Fiz minhas amigas banirem do nosso vocabulário. Fizemos um pacto e toda vez que alguém citar o seu nome, perde dez reais. E mesmo assim, adivinha quem é a que perdeu mais dinheiro? Se apostou em mim, acertou. Acertou em cheio.

Aliás, você me acertou tão em cheio que eu já nem sei mais quem sou. Fico me perguntando o que mais eu tenho de fazer pra tirar você da minha vida, dos meus pensamentos, dos meus lábios, dos meus sonhos. Já me peguei rezando à noite, pedindo a Deus que me livrasse das memórias que me levam até você. Já me peguei torcendo pra que aquele tratamento de esquecimento do filme “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças” – aquele filme que assistimos juntos, lembra? – existisse, porque eu certamente aceitaria passar pelo processo. Eu aceitaria qualquer remédio, qualquer macumba, qualquer droga que substituísse o vício que você se tornou na minha vida.

Daria tudo por uma noite bem dormida, um sonho que só fosse meu, um pensamento que só fosse sobre mim, uma música que me lembrasse a mim. Daria um dos meus rins se dissessem que isso funcionaria.

Já tentei tudo o que é possível pra te esquecer. E mesmo assim, continuas muito vivo em minha memória. Eu lembro de tudo. Lembro até mesmo do timbre da sua voz enquanto andava de costas me encarando no meio daquele parque e me ordenava que eu fizesse o que eu tenho tentado fazer durante todo esse tempo: “Me esquece.

Do que sei sobre o amor

Em 15.06.2016   Arquivado em Crônicas

amor

Ouça: Like I’m Gonna Lose You – Meghan Trainor ft. John Legend

 

Eu não sei. Tudo o que eu consigo fazer quando tento nos explicar pra alguém é sorrir.

Eu poderia até me fazer de difícil contigo, poderia bancar a irritadinha que sempre fui e simplesmente não dar o braço a torcer. Porque eu… Eu nunca fui de me entregar assim, de primeira. Comigo tudo sempre foi um jogo, sempre foi na base das entrelinhas, das indiretas.

Só que com você isso simplesmente nunca aconteceu. Com você não existe joguinho, não existe armas de ataque e defesa. Eu nunca precisei mentir ou omitir o que sinto e penso. E isso é, sem dúvida, o que eu mais amo na gente – dentre tudo o que existe na gente e que eu amo tanto.

Aliás, amo tudo na gente. Amo como eu me perco no verde dos olhos mais brilhantes que já cruzaram os meus. Amo como sua mão encontra o meu rosto com facilidade e a maneira como meu corpo reage ao seu simples toque. Amo como a minha mão se encaixa na sua.

Amo como me sinto completa e inteira ao seu lado. Como não preciso mentir nem fazer média contigo.

Amo a maneira como os cantos dos seus lábios se curvam pra baixo quando eu digo algo que te surpreende. Amo o som da sua risada e como você sempre dá uma encolhidinha nos ombros pra rir, como se fosse uma criança.

Amo quando me puxa pra si como se não precisasse de mais ninguém por perto. Amo como até o timbre da sua voz muda rapidamente quando você está conversando com alguém e de repente está falando comigo. Amo o zelo que emana do seu olhar quando está me observando.

Amo o jeitinho cúmplice que me olha quando estamos no meio das pessoas. Como nos entendemos só com um olhar. Amo quando você faz aquela carinha de sem vergonha e não pode comentar o que tem vontade.

Amo sua feição de sono lutando pra não dormir. Amo como não tem vergonha de mostrar que precisa de mim e me quer por perto. Amo como você nunca escondeu o que sente perto dos seus amigos. Amo como soamos tão natural perto das pessoas. Amo nossas piadas e nosso jeito de provocar um ao outro. Amo quando soltamos farpinhas e logo nos redimimos porque não queremos errar com o outro, não queremos repetir erros de relacionamentos passados. Amo quando diz “nossa casa/nosso quarto/nossa cama” em uma frase. Amo quando você fala sobre uma vida juntos.

Amo o som do seu “R”. Amo quando me chama de chatice. Quando me chama de guria então…! Perco o chão. Aliás, quer me ver perder o ar? É só dizer “nossa, você me deixa louco, guria” com a voz um pouquinho rouca e dar aquela estreidadinha no olhar da maneira que você faz.

Amo como você nunca teve medo de demonstrar ou dizer o que sentia, desde aquela noite, naquele parque. Amo como você me mostra como sua “fraqueza”, como você amolece e não se importa com isso.

Amo o jeito como me aperta contra seu corpo. O jeito como me prende. Amo como o seu corpo se encaixa e se molda ao meu. Amo o desejo que emana do seu olhar quando estamos só eu e você. Amo como a minha pele parece queimar quando você me toca. Quando você diz que sou linda e o quanto me deseja. De que sou a melhor e não existiu nenhuma como a mim. De que sou única.

Amo cada parte de ti que chega a doer, garoto.

Eu. Amo. Te. Amar.

Carta aos Leitores

Em 18.02.2016   Arquivado em Por aí

cartaa

Liberdade ou Solidão – Tiago Iorc

Sim, dessa vez eu vim me explicar. Porque apesar de não serem muitos, vocês, meus leitores, têm sido fieis e vindo visitar o Além do Meu Mundo com mais frequência do que eu esperava. Aliás… Não só vieram visitar, como também vieram perguntar por onde a dona desse mundo andava.

E por esse motivo acho que lhes devo satisfações e desculpas por ter sumido sem aviso prévio.

Quem me conhece sabe que não sou de ficar expondo minha vida pessoal aqui no blog. Quer dizer… Nem precisa me conhecer o suficiente. Basta dar aquela checada básica no conteúdo dos posts. Por isso, talvez alguns de vocês considerem as minhas explicações um tanto quanto superficiais. Vou tentar fazer o máximo para me fazer compreendida.

Pois bem. O Além do Meu Mundo parou por um tempinho, mas o meu mundo não. Muitas coisas aconteceram desde o último post, e por vezes pensei em postar uma crônica pronta. Eu tenho um enorme arsenal já pronto e poderia muito bem ter alimentado o conteúdo do blog. Mas o problema é que eu não sentia vontade.

“Como assim, Nats? É só copiar e colar, quirida.” Ora essa, eu bem sei! Afinal de contas, os posts geralmente são pré-produzidos, o que significa que não os produzo no momento de postá-los.

Inúmeras foram as vezes em que loguei na conta para postar. Mas por algum motivo que até agora não sei dizer qual, achava que nenhum dos posts que eu tinha deveria ser postado naquele momento. Não era o momento deles, sei lá. Dá pra entender?

Sei que não… Mas não se preocupem, pois isso me frustra tanto quanto deve frustrar vocês. Quer dizer… Esse é o momento em que eu tenho mais ideias, mais coisas brotando do meu coração e prontas para serem passadas para o papel (ou tela). E toda vez que peguei meu livrinho de viagem… Toda vez que abri o Word… Meus dedos tamborilavam e desistiam.

Porque minha cabeça está a mil e não consegue transferir o comando certo aos meus punhos. Não consegui escrever para o blog… Não consegui escrever minha fanfiction… Não consegui escrever uma porcaria de um cartão postal! E então eu acho que entendi.

Entendi depois de muito tempo que era tempo de não escrever, mas sim de viver. Estou sempre tão preocupada em querer escrever sobre tudo o que vejo e todos que conheço e desconheço… Que esqueci de escrever a principal história: a minha.

A realidade é que sempre esqueci de mim. Sempre coloquei as pessoas na frente, cuidei muito mais delas do que de mim. Gostei muito mais delas do que de mim. Na teoria e na poesia isso é lindo. Mas na prática…

Você vai desaparecendo sem nem perceber. E essa foi a minha resolução de Ano Novo: eu desapareci.

Desapareci e não sabia como mudar aquela sensação. Pela primeira vez me senti um pontinho sendo engolido pelas luzes e prédios da minha tão amada New York. Pela primeira vez não me senti parte dela nem de nenhum lugar. Algo estava muito errado e eu precisava mudar.

Era hora de eu começar a “olhar para o meu umbiguinho”, hora de pensar no que era melhor para mim, e não para os outros. Tem uma frase que pelo menos uma vez na vida todos nós escutaremos. “É você em primeiro lugar, você em segundo, em terceiro… E DEPOIS você pode PENSAR em começar a pensar em alguém.” Pois bem.

Pensar apenas em si mesmo não é assim tão simples quanto parece, não se deixe enganar. Porque pensar em si mesmo inclui ignorar o que as pessoas pensam sobre você ou se você terá que magoá-las para colocar o seu interesse e a sua pessoa em primeiro lugar. Inclui você tentar parar de controlar tudo ao seu redor. Inclui você parar de controlar o que sente e começar a se perguntar o que de fato está sentindo.

E é nesse processo em que me encontro neste exato momento. Foi uma surpresa quando finalmente decidi abrir os meus olhos, quando finalmente decidi olhar para baixo e me enxergar em vez de olhar para os lados. Tem coisa pra mudar, muita coisa pra fazer. E eu nem sei direito por onde começar, mas a principal coisa eu tenho: vontade.

Vontade de me amar. Vontade de tentar. Vontade de errar. Vontade de crescer. Vontade de me arrepender. Vontade de arriscar. Vontade de correr. Vontade de me machucar. Vontade de sarar. Vontade de refletir. Vontade de escrever. Vontade de concluir. Vontade de recomeçar. Vontade de viver.

E a notícia é: tem tanta vontade em mim que estou voltando. A espera acabou, meus leitores, meus amigos.

Um pedaço de papel

Em 29.11.2015   Arquivado em Crônicas

Umpedaçodepapel

Like Real People Do – Hozier

Foi uma daquelas noites. Aquela em que você sai com a sua melhor amiga porque ela simplesmente precisa daquele momento depois de um fora básico.

Aí você a leva em um lugar diferente de tudo o que estão acostumadas.

A bebida é de graça, já que você é amiga de uns trezentos e tantos promoters que te colocam pra dentro e praticamente te bancam. É até divertido.

Bebemos como se não o houvesse amanhã e MILAGROSAMENTE estamos sãs o suficiente pra chegar em casa. Pelo menos é o que esperamos.

O problema é cada uma vive em um lado da cidade, e haverá um certo momento em que será só você e… Deus. De noite, naquelas ruas mal iluminadas e que são dignas de filmes de terror.

Aí eu pego o metrô sozinha torcendo pra acertar o caminho de casa. Não que eu esteja exatamente bêbada. Mas “alegre” já é o suficiente pra se perder, certo? Certo.

Eu só sento no banco. Aparento estar tranquila e certa do que estou fazendo, mas acho que não é bem isso.

Continuo a mascar meu chiclete e bancar a garota da cidade, porque sim.

Então eu o vejo. Cabelos perfeitamente penteados para o lado como se tivessem acabados de ser moldados daquela maneira. A camisa social branca com alguns detalhes para dentro da calça escura igualmente bem passada.

É simplesmente impossível não notá-lo ao lado do amigo de trabalho. Pergunto-me o que diabos eles estão fazendo em pleno final de semana enquanto eu simplesmente estou voltando de uma noitada com uma amiga que precisava ser animada.

Eu não sei se é o álcool ou se eu simplesmente queria que ele me notasse. Só pra constar que eu costumo ser o tipo mais discreto normalmente.

O problema é que simplesmente não consigo. Olho-o insistentemente até que ele sinta que está sendo observado dentro do vagão lotado – se considerado o horário.

Então ele finalmente me olha. Juro que se não estivesse sentada minhas pernas vacilariam quando os meus olhos encontraram os dele. Tão incrivelmente claros e hipnotizantes…

Não eram verdes. Não eram azuis. Talvez um meio termo entre o paraíso e o inferno?

Eu o encarei tanto que foi impossível não me notar. Acho que até mesmo um cego me notaria. Se eu não estivesse levemente alterada, estaria me xingando por isso. Aliás, eu nem o teria feito.

Talvez eu me sentisse constrangida. Talvez ELE se sentisse constrangido.

Mas tudo o que ele fez foi me encarar de volta. Talvez surpreso com a minha “ousadia”, talvez tentado para ver o que poderia acontecer.

Então ele sorriu e acenou discretamente. E eu fiquei tão ou mais surpresa. Tudo o que consegui fazer foi sorrir de volta como se debochasse da atitude impensada dele de acenar para uma desconhecida – embora eu tivesse adorado.

Virei o rosto e fingi me concentrar na janela escura que não mostrava nada além da escuridão dos túneis que engoliam o metrô.

É claro que continuei a observá-lo pelo reflexo. Ele fez o mesmo, e aquilo fez com que um sorriso fraco me escapasse dos lábios.

A estação na qual eu desceria já estava bem próxima, e eu sabia que talvez aquela fosse a primeira e última vez que eu o veria. Então eu fiz algo que eu com certeza não faria em estado normal.

Mais do que rapidamente, peguei um papel jogado na minha bolsa e o meu lápis de olho. Escrevi uma série de números em um garrancho de possível entendimento. Quando ouvi a voz abafada da caixa de som do metrô anunciar a minha estação, cruzei o outro lado do vagão.

Ele me olhou de cima abaixo surpreso com a minha presença. Meus olhos se prenderam nos dele enquanto a minha mão rapidamente se esticava em direção ao bolso direito da camisa dele, na altura do tórax. Enfiei o papel ali sem perder o contato visual.

Antes que ele pudesse dizer qualquer coisa ou eu me arrepender do que tinha acabado de fazer, avancei em direção da saída. Quando olhei para trás, o vi me encarando com um pequeno sorriso nos lábios enquanto as portas se fechavam. Eu sorri de volta e tomei o meu caminho.

Triste felicidade

Em 10.11.2015   Arquivado em Crônicas

triste-felicidade

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

Como fingir a dor que se sente de verdade, Fernando Pessoa?
No auge de tudo o que já vivi (e vivo), nunca consegui essa proeza. A grosso modo, não consigo sequer escrever uma “autopsicografia¹” quando estou feliz. Deprimente, não?
Soará estranho dizer, mas ouso ficar feliz de estar triste, pois só assim sou capaz de deixar que um lápis ganhe vida em minha mão e passe a dizer o que se passa em meu coração.
Talvez me deixe feliz saber que mesmo triste, ao concluir essas linhas, alguma coisa boa tirarei daquela tristeza. Pois ao passo de que vou escrevendo, vou me entendendo. Ao passo de que vou escrevendo, talvez não saia só rabiscos e palavras desconexas. Se olhar atentamente, verás a tristeza se esvaindo de mim, dando um até logo, como se voltasse em breve, com a tal dor de Fernando Pessoa.
Enquanto isso, eu sorrio para as minhas queridas amigas: as palavras que nunca me faltam.

1. Pode ser entendida como “escrita automática da própria alma”;

A farsa da Mulher-Maravilha

Em 04.11.2015   Arquivado em Crônicas

mulhermaravilha

Wondergirl – Hey Monday

Você já sentiu como se não fizesse parte do seu próprio mundo? Se a resposta é sim, então acho que sabe do que estou falando. Se a reposta é não, acho que vai passar a entender agora.

Durante todo esse tempo, eu apenas tentei não decepcionar ninguém. Afinal de contas, sempre depositaram fé em tudo o que eu me prontificava a fazer. Fé até demais.

Sem querer, fui criando uma imagem de que eu era mesmo uma pessoa incrível e célebre. A mais inteligente da turma, a melhor companhia para festas, o melhor ombro para chorar, o melhor ouvido para desabafar.

E quando eu percebi, era tarde. Já era o “Sonho Americano” de todos os que me rodeavam. E sabe de uma coisa? É um saco! As pessoas sempre esperam que você não erre. Porque você é perfeita. Porque você foi criada para não cometer erros. E quando os comete, é como se o mundo desmoronasse.

Eu não deveria me sentir mal por isso. Mas me sinto. Porque não posso apenas jogar tudo para o alto, não posso me desligar do mundo, sumir das redes sociais e colocar o celular no modo avião. Não posso encher a cara e acordar no tapete de uma casa onde passei a noite inteira festejando. Não é simplesmente assim que as coisas funcionam.

Não sou nada do que os outros pensam que eu sou. Ninguém me conhece. Nem eu me conheço! Dizem que gastamos uma vida toda para conhecermos a si mesmos, e que algumas pessoas sequer conseguem cumpri-lo. Frustrante, eu sei.

Eu posso ser forte, mas não sou invencível. Só queria que as pessoas parassem de me colocar num pedestal e depositassem toda a fé que lhes restam em mim. Ser a Mulher-Maravilha não vai me salvar.

Eu sou só uma menina. Uma menina tentando se encaixar no seu próprio mundo.

Ponte

Em 12.10.2015   Arquivado em Crônicas

Ponte

This Love – Taylor Swift (Cover by Melanie Ungar)

Eu só fui. Acho que é uma daquelas coisas que você tem que fazer sem pensar nas consequências, sabe? Algumas coisas simplesmente acontecem.

E eu fiz. Liguei pra um cara com quem conversei uma única vez porque simplesmente precisava de alguém que pudesse estar comigo em uma terça-feira fria típica de uma noite de outono em New York.

E o mais maluco foi vê-lo chegar enquanto eu estava sentada no banco no qual conversamos por acaso em uma outra noite sem sentido na Brooklyn Bridge. E aquela era apenas mais uma noite sem sentido.

Pelo menos foi o que eu finalmente concluí quando ele parou de pé ao lado do banco. Jaqueta de couro e calça jeans. Sneakers da Nike nos pés. Também tinha um cachecol desajeitado no pescoço. As mãos estavam nos bolsos enquanto ele me encarava quase que eternamente.

Eu o encarei de volta e fiquei pensando no que o havia feito ir até lá. Nós nem éramos amigos! É verdade que tínhamos algumas aulas juntos na New York University, mas não é como se isso significasse algo já que nem nos falávamos. Pelo menos até aquela noite maluca em que acabamos conversando depois de fugir de uma festa em que a polícia acabou aparecendo.

E quando eu finalmente analisei toda a situação e comecei a considerar a me jogar da ponte por ter feito a besteira de ter ligado e me sentir a pessoa mais idiota do mundo, ele se jogou ao meu lado, se esparramando no banco e deixando as pernas bem relaxadas enquanto fingia que não via o caminho que as lágrimas secas fizeram no meu rosto.

O engraçado é que eu poderia ter ligado pra qualquer pessoa. Qualquer mesmo. Tenho certeza que qualquer uma das minhas amigas teriam vindo no mesmo momento. O problema é que quando eu destravei o meu celular e deslizei o dedo pela minha lista de contatos o primeiro nome que meus olhos encontraram foi o dele: Dylan.

Quer dizer… Ele é um cara legal. Pelo menos foi o que me pareceu quando estávamos conversando daquela vez. E eu posso afirmar isso com certeza – já eu não havia bebido naquela noite porque aquela era a vez da minha amiga encher a cara e eu ser a responsável da vez. E ele não havia bebido porque… Simplesmente não sei o por quê.

Ele suspirou enquanto passava a encarar o rio East, que de noite parecia um grande tapete escuro refletindo as luzes que Manhattan emitia imponentemente do outro lado da ponte. Eu estava esperando que ele dissesse alguma coisa. Qualquer coisa. Mas a única coisa que ele fez foi molhar os lábios algumas vezes.

E aquilo meio que me irritou, sei lá.

– Não vai dizer nada? – perguntei tentando fazer com que a minha voz não soasse trêmula.

– Eu deveria? – ele respondeu com outra pergunta, dando um sorriso torto. Continuou a encarar o rio.

– Sei lá… Eu te fiz sair do dormitório dez e meia da noite em uma terça-feira fria pra vir até a Brooklyn Bridge. – ele finalmente me encarou franzindo a testa. – Qual é… Não é algo que uma pessoa faria normalmente. Quer dizer… Nós nem somos amigos.

Ele riu fraco.

– É… Confesso que achei estranho. Mas e daí?

– Você não tinha algo melhor pra fazer, né?

– Eu poderia estar jogando videogame agora. Ou dormindo.

Dessa vez fui eu quem riu fracamente.

– E não vai me perguntar o por quê disso tudo?

– Você esteve chorando. – ele pontuou rapidamente. Encolheu o corpo quando sentiu um vento mais cortante passar por nós. Eu fiz o mesmo.

Assenti em resposta e ele não disse nada.

– Não vai perguntar o que houve?

– Não sei se é algo que você realmente quer que eu faça. Já teria me contado antes se quisesse. – era verdade. – Você só precisava estar com alguém, não é? – aquilo me fez ficar em silêncio porque não sabia que resposta dar sem parecer uma garota idiota. – E eu estou aqui.

Nesse momento percebi que estávamos nos encarando. Meus olhos estudaram a expressão simples e amena que ele carregava. Ele sempre a tinha no rosto. Era como se nada fosse capaz de tirá-lo do sério. Era como se ele fosse capaz de lidar com qualquer coisa. E naquele minuto eu concluí que talvez esse fosse um dos motivos que me fez ligar pra ele.

Aquilo me fez questionar o por quê de eu nunca ter falado com ele antes daquela noite. Ele simplesmente esteve ali naquela noite, e tenho que confessar, foi divertido. Era como se nos conhecêssemos a vida toda. A verdade é que ele esteve durante todo aquele tempo… E agora ele estava aqui comigo sem cobrar qualquer explicação prudente.

Eu poderia ter agradecido. Eu poderia ter continuado aquela conversa. Poderia até mesmo contar o por quê de tudo aquilo. Mas tudo o que eu fiz foi depositar a minha cabeça no ombro dele.

Eu precisava. Ele estava lá. E as coisas… Elas simplesmente acontecem.

 

Página 1 de 41234
Translate »