O que mais gosto em NYC

Em 27.06.2016   Arquivado em Por aí

NYCpostt

Eu realmente tenho tido uma imensa dificuldade para produzir conteúdo para o blog. E nem vou dizer que o motivo principal é a falta de ideias. Quem acompanha o Além do Meu Mundo sabe que ando numa fase maledita que se chama falta de vergonha na cara inspiração.

Venho conversando com bastante gente a respeito (não tanto quanto gostaria), e apesar de ser meio óbvio, uma pessoa me sugeriu escrever sobre algo do qual eu realmente esteja gostando no momento. Ler e escrever, que são minhas maiores paixões, estão um pouquinho de lado nas minhas prioridades. Mas se tem uma coisa que eu realmente estou amando de paixão paixão… É New York.

Estou aqui há 9 fuckin’ meses e essa cidade ainda consegue fazer eu me apaixonar cada vez mais por ela. ENTÃO decidi fazer um post fofico dedicado ao meu segundo e eterno lar e falar as coisas que eu mais gosto em NYC!

Metrô 24 horas

Acho que o sonho de todo paulista é que o transporte metroviário de São Paulo um dia seja 24 horas. E eu não tiro a razão. Isso definitivamente é a melhor coisa do mundo (pra não mencionar o fato de que você realmente pode ir pra QUALQUER lugar de NYC usando o metrô, porque tem em qualquer canto).

É claro que não é a coisa mais limpa do mundo, mas funciona muito bem, obrigada (exceto nos finais de semana, quando inventam de fazer manutenção em alguma linha e cagam seu rolê. Mesmo assim, os bonitos oferecem shuttle de graça e fazem caminhos alternativos para você chegar ao seu destino. É ou não é uma coisa linda de se ver?).

 

Segurança

segurança

Apesar dos americanos ainda serem muito pirados com relação à segurança e muitos ainda considerarem NYC uma cidade perigosa, eu preciso dizer que me sinto muito mais segura aqui do que em qualquer outro lugar que já estive no Brasil.

Quer dizer… Incontáveis são as vezes que saio para partyear e volto na madruga boladona sem medo ALGUM de andar sozinha na rua, com o celular na mão e tudo. Isso que as ruas residenciais são muito mal iluminadas. No começo eu parecia uma louca correndo até chegar em casa. Depois percebi que nunca estive tão segura em toda a minha vida!

É CLARO que não estou dizendo que não existe violência aqui, calmem lá! E também não é bom ficar dando sorte pro azar. Mas né!

 

Sale é sale de verdade

Cheguei em mais um assunto polêmico, né?

Agora eu entendo porque é tão difícil guardar dinheiro aqui, minha gente. Eu sempre tive facilidade e sempre soube me conter quando precisava maneirar nos gastos. Mas aqui eu confesso que o buraco é bem mais embaixo. Como dizer não a um vestido super gracinha da F21 que está $4.90? Ou um não ainda maior a um par de tênis maravilindo da H&M por $14? Não. Consigo. Lidar.

 

Night Clubs

Chegamos num tópico importantíssimo aqui. E isso se dá pelo fato de que no Brasil eu nunca liguei muito de ir pra balada. Mas aqui a coisa é totalmente insana e extremamente acessível ao nosso bolso. É hora do sexo feminino segurar a marimba, porque mulher entra e consome de graça. Sim, você não leu errado. Nem precisa passar os olhos duas vezes na mesma sentença. Basta você entrar em contato com o promoter da festa que você quer ir (o que é a coisa mais fácil do mundo, já que o que mais tem em NYC é promoter querendo levar você pra festa deles). E não precisa nem fazer bico, porque os homens pagam, mas nem é tanto assim (quer dizer, depende da balada), mas a consumação também é à vonts, sem limites!

Vale tanto à pena partyear que tem que tomar cuidado pra não viciar nessa vida. AH, e pra quem sempre sonhou em fazer uma Limo Ride (passeio de limusine), chora, porque por $25 você enche a cara passeando por Manhattan!

Aqui o glamour é certo, bee!

 

Rooftops

Apesar dos rooftops (telhados) serem conhecidos apenas por abrigar muitas das baladas de NYC, não é só pra isso que eles servem, não! Eu sempre fui apaixonada por esses lugarezinhos no meio da cidade quando via os filmes que tinham NYC como cenário. Porque parece um universo a parte daquela loucura que é a cidade grande. Muitos bares também possuem áreas em rooftops e são maravilhosos. Aliás, até os hotéis que recebem as festas, de dia costumam receber pessoas apenas para um “hang out”. Ir a um rooftop é decididamente uma das minhas atividades favoritas aqui. E o principal motivo disso é a vista. Um dos meus rooftops prediletos é o Le Bain. Só tive a oportunidade de ir até lá de noite, mas mal posso esperar para ir de dia, agora que o verão está chegando!

Le-Bain

Parques

CentralPark

Não achou que eu ia falar de NYC sem citar o que os new yorkers mais apreciam depois de um bom café, não é mesmo? (Aliás… Se puderem tomar café no parque, só faltam vomitar arco-íris). Como new yorker bixete que sou, desenvolvi um certo gosto por parques que nunca tive no Brasil. Guardo momentos memoráveis no parques Ibirapuera e Trianon, mas acho que quando eu voltar saberei aproveitar esses passeios.

É realmente uma delícia correr para um refúgio como o Central Park, Van Cortlandt Park ou o Wave Hill. Parques e árvores espelhados no meio do caos da selva de pedra são a salvação, pode acreditar.

 

Diners

Quer pagar uma miséria e comer que nem um boi? Seu lugar é o diner. Perfeito para quem está voltando daquela baladinha, sabe? (Quem lê parece que eu sou a rata das discotecas, sqn). Quando tô querendo salvar grana (leia-se sempre), me acabo em um diner. E engana-se se acha que a comida lá é ruim. Muito pelo contrário! Ainda tem o plus de se sentir naqueles filmes americanos em que toda a galera se reunia sempre no mesmo bar, sabe sabe? <3

 

Dunkin’ Donuts

Ok, Dunkin’ Donuts é uma coisa que tem em todo lugar dos USA. Assim como os Diners. Assim como quase todos os tópicos do post. Mas vale frisar que essa é a minha visão morando em NYC, então eu ganhei, pronto e acabou. (aquelas).

Bom, para quem não sabe, o Dunkin’ Donuts é uma franquia de cafés concorrente do Starbucks que, como o próprio nome já diz, tem o diferencial da venda de quê? Donuts, 10 pontos pra Grifinória. E devo dizer que é bem páreo para o nosso queridinho que faz o maior sucesso em SP. Tem muita coisa que eu prefiro muito mais do DD do que do Starbucks, porque você tem uma variedade maior de comes e não só bebes. Meu favorito é o grilled cheese. Nem tem nada demais, mas né… E o que é o Frozen Dunkaccino? É bem parecido com os famosos frappuccinos do Starbucks. Perdição, apenas.

 

A cidade que nunca dorme. MESMO!

NYC

A cidade realmente faz jus à nomenclatura! Se tem uma coisa que não tem como acontecer, é ficar entediado em NYC (eu fico às vezes porque sou chata e meio forever alone, mas ignora). Você SEMPRE vai ter o que fazer por aqui. Sempre tem uma festa, uma exposição, um evento, um acontecimento, um show, uma peça de teatro…! Essa cidade tem tantos atrativos que realmente, só fica em casa quem quer. E nem vem com essa de “ah, mas tô sem dinheiro”. Dinheiro aqui muito raramente é o problema. Balada é de graça, evento é de graça…!

 

Já deu pra entender porque eu AMO esse lugar, né?

NYCpost2

E aí? O que achou do post sobre a minha Big Apple? E você que já deu o ar da graça na cidade? Acha que esqueci de mencionar alguma coisa? Pode colocar tudo ali na caixinha de Pandora! <3

Um pedaço de papel

Em 29.11.2015   Arquivado em Crônicas

Umpedaçodepapel

Like Real People Do – Hozier

Foi uma daquelas noites. Aquela em que você sai com a sua melhor amiga porque ela simplesmente precisa daquele momento depois de um fora básico.

Aí você a leva em um lugar diferente de tudo o que estão acostumadas.

A bebida é de graça, já que você é amiga de uns trezentos e tantos promoters que te colocam pra dentro e praticamente te bancam. É até divertido.

Bebemos como se não o houvesse amanhã e MILAGROSAMENTE estamos sãs o suficiente pra chegar em casa. Pelo menos é o que esperamos.

O problema é cada uma vive em um lado da cidade, e haverá um certo momento em que será só você e… Deus. De noite, naquelas ruas mal iluminadas e que são dignas de filmes de terror.

Aí eu pego o metrô sozinha torcendo pra acertar o caminho de casa. Não que eu esteja exatamente bêbada. Mas “alegre” já é o suficiente pra se perder, certo? Certo.

Eu só sento no banco. Aparento estar tranquila e certa do que estou fazendo, mas acho que não é bem isso.

Continuo a mascar meu chiclete e bancar a garota da cidade, porque sim.

Então eu o vejo. Cabelos perfeitamente penteados para o lado como se tivessem acabados de ser moldados daquela maneira. A camisa social branca com alguns detalhes para dentro da calça escura igualmente bem passada.

É simplesmente impossível não notá-lo ao lado do amigo de trabalho. Pergunto-me o que diabos eles estão fazendo em pleno final de semana enquanto eu simplesmente estou voltando de uma noitada com uma amiga que precisava ser animada.

Eu não sei se é o álcool ou se eu simplesmente queria que ele me notasse. Só pra constar que eu costumo ser o tipo mais discreto normalmente.

O problema é que simplesmente não consigo. Olho-o insistentemente até que ele sinta que está sendo observado dentro do vagão lotado – se considerado o horário.

Então ele finalmente me olha. Juro que se não estivesse sentada minhas pernas vacilariam quando os meus olhos encontraram os dele. Tão incrivelmente claros e hipnotizantes…

Não eram verdes. Não eram azuis. Talvez um meio termo entre o paraíso e o inferno?

Eu o encarei tanto que foi impossível não me notar. Acho que até mesmo um cego me notaria. Se eu não estivesse levemente alterada, estaria me xingando por isso. Aliás, eu nem o teria feito.

Talvez eu me sentisse constrangida. Talvez ELE se sentisse constrangido.

Mas tudo o que ele fez foi me encarar de volta. Talvez surpreso com a minha “ousadia”, talvez tentado para ver o que poderia acontecer.

Então ele sorriu e acenou discretamente. E eu fiquei tão ou mais surpresa. Tudo o que consegui fazer foi sorrir de volta como se debochasse da atitude impensada dele de acenar para uma desconhecida – embora eu tivesse adorado.

Virei o rosto e fingi me concentrar na janela escura que não mostrava nada além da escuridão dos túneis que engoliam o metrô.

É claro que continuei a observá-lo pelo reflexo. Ele fez o mesmo, e aquilo fez com que um sorriso fraco me escapasse dos lábios.

A estação na qual eu desceria já estava bem próxima, e eu sabia que talvez aquela fosse a primeira e última vez que eu o veria. Então eu fiz algo que eu com certeza não faria em estado normal.

Mais do que rapidamente, peguei um papel jogado na minha bolsa e o meu lápis de olho. Escrevi uma série de números em um garrancho de possível entendimento. Quando ouvi a voz abafada da caixa de som do metrô anunciar a minha estação, cruzei o outro lado do vagão.

Ele me olhou de cima abaixo surpreso com a minha presença. Meus olhos se prenderam nos dele enquanto a minha mão rapidamente se esticava em direção ao bolso direito da camisa dele, na altura do tórax. Enfiei o papel ali sem perder o contato visual.

Antes que ele pudesse dizer qualquer coisa ou eu me arrepender do que tinha acabado de fazer, avancei em direção da saída. Quando olhei para trás, o vi me encarando com um pequeno sorriso nos lábios enquanto as portas se fechavam. Eu sorri de volta e tomei o meu caminho.

Um rolê por New York #4

Em 09.11.2015   Arquivado em Por aí

DivNewYork4

AIAI! Depois de muitos puxões de orelhas e cobranças, trouxe mais fotinhos do que tem sido morar aqui em NYC, gente. Vou confessar que ainda tenho MUITAS fotos pra postar, mas quero falar sobre tanta coisa que acabo me desorganizando com relação a isso, mals aí :B

A verdade é que esses dias eu tenho me focado mais na minha inspiração também. Tenho me sentido fora dos eixos criativos nas últimas semanas, o que pra mim é desesperador – exceto com relação às crônicas. Graças aos céus, ideias não me faltam pra essas histórinhas <3. Sei o que vocês estão pensando… “Ela está em New York e está desinspirada?! Pode isso, produção?!”

Crack

Poder não pode, mas não escolhemos quando esse tipo de coisa vem nos assombrar, né? Por isso estou lutando contra esse mal! E antes que venham falar qualquer coisa, entendam que não é FALTA DE IDEIAS. É falta de organização das ideias, mesmo.

Anyway! Explicado o drama da minha vida que acho que devo a vocês explicar, vamos ao que realmente importa! Vocês vão ver pouquíssima coisa do Central Park, que ainda não tive tempo pra explorar, acredita? Também vão ver a coisa mais linda que é a Brooklyn Bridge de noite. É simplesmente INCRÍVEL. Não tenho outra expressão melhor pra descrever. A palavra que gosto de usar em inglês seria breathtaking, e jájá vocês vão entender o porquê. Vem comigo <3

IMG_0889 IMG_0895 IMG_0901 IMG_0902 IMG_0910

IMG_0913 IMG_0916 IMG_0912 IMG_0897

IMG_0918

IMG_1219

CPOM7711

IMG_0928 IMG_0954

IMG_0962 IMG_0966 IMG_0968

IMG_0971 IMG_0972 IMG_0974 IMG_0976

PS1: Reconheceu essa pic de algum lugar? Não, não é coisa da sua cabeça! Ela ilustrou a crônica “Ponte”, que aliás tem tudo a ver com essa paisagem! Vem ler <3

IMG_0978 IMG_0980 IMG_0992 IMG_0998 IMG_1007 IMG_1010 IMG_1042 IMG_1131

IMG_1100

O metrô e as suas peculiaridades

Em 01.06.2015   Arquivado em Crônicas

metrô

Eu entrei descabelada dentro do vagão, em busca de um lugar para me apoiar. Os assentos já estavam ocupados, como de costume.

Praguejei alguma coisa que não me lembro bem. Geralmente lembro das coisas que pronuncio. Mas naquele momento pareceu-me que as palavras dançavam de tal maneira que a minha língua se enrolou dentro da boca.

Não sabia se o que via a minha frente era um anjo ou um demônio, mas era o ser mais bonito que a luz dos meus olhos algum dia havia captado.

Estava de pé, um pouco a frente. Não pude distinguir a cor dos seus olhos, pois eles estavam ocupados demais, correndo pelas páginas de um livro de capa dura que carregava entre as mãos. Podia ver sua mandíbula se contrair distraidamente enquanto absorvia alguma informação que parecia muito mais interessante do que eu, que havia acabado de chegar.

Pensei em me aproximar. Pensei em cutucar-lhe, derrubar uma moeda, não sei. Queria ganhar um olhar que fosse. Ele roubou a minha atenção, afinal. Porque não poderia conceder-me um pouco da sua?

Depois achei bobeira. Me xinguei interiormente por pensar em tudo aquilo sobre um estranho em menos de cinco minutos. Ri de mim mesma, passando a mão pelos fios soltos que caíam do meu coque bagunçado. E posso jurar que senti meu rosto esquentar quando ele enfim me olhou. Minha risada abafada e sem graça tirou-o de seu torpor.

Fiquei tão sem graça que baixei o olhar, procurando me focar em qualquer coisa que não os meus sapatos, mas meus olhos pareciam quase sair de órbita. Então foi a vez dele rir baixo antes de se aproximar porque mais gente adentrava o metrô.

Seu peito foi de encontro ao meu ombro, porque algum idiota o empurrou para entrar.

“Desculpe.” Foi o que ele disse.

Verdes. Seus olhos eram claros e incrivelmente verdes. Eu teria respondido se me lembrasse disso. Apenas sorri de canto, já que foi a única coisa que meu corpo se lembrou de como fazê-lo. Sua pele cheirava a grama recém-cortada e menta, talvez. Eu gosto de menta.

“O que você está escutando?”. Acho que deixei de prestar atenção na música que embalava meus ouvidos na hora que entrei ali. Nem percebi que ainda estava com os fones de ouvido.

Percebi que as esmeraldas que corriam por aquele livro tão mais interessante que eu estavam mais preocupados comigo do que com as palavras misteriosas que liam antes. A mandíbula se contraía esperando pela minha resposta.

Eu teria respondido. Se não tivesse que ir.

Translate »