Metades por inteiro

Em 21.03.2016   Arquivado em Crônicas

MetadesPorInteiro

Amei Te Ver – Tiago Iorc

 

Eu deitei pra dormir, eu juro.

Mas quando você tá apaixonada, não é deitar e dormir. Porque de repente, a primeira coisa que vem no seu pensamento é aquele sorriso, aquele olhar que faz o seu coração bater rápido e o mundo ficar em câmera lenta.

Dizem que nada é por acaso. E acho que eu nunca pude comprovar uma teoria tão na prática como quando você cruzou o meu caminho e mudou o meu mundo.

Você chegou sem avisar com esse jeito marrento e irreverente. Nem pediu licença e por aqui foi ficando. E a cada dia que passava, você conquistava mais um pedacinho de mim. A cada dia, o que era uma trivialidade começou a se tornar necessidade. E não vou nem dizer que ganhamos intimidade porque parece que isso existe desde sempre entre a gente. Como se nos conhecêssemos de outras vidas. Essa é a única conclusão na qual eu pude chegar depois de tanto matutar. Foi o encontro de duas almas que estavam à procura, uma da outra. E a coincidência, o acaso, ou o destino – chame do que preferir -, nos colocou frente a frente, na 42 com a 8ª avenida.

Eu não sei o que aconteceu. Nem mesmo como. Há uma porção de coisas no mundo que até hoje não temos as respostas. E dentre os mistérios do universo e dos sete mares, com certeza podemos encontrar um espacinho para encaixar a nossa história.

Uma história que modéstia à parte, é digna de um livro com direito a reprodução cinematográfica. Que faz qualquer um suspirar e ficar boquiaberto com o nosso desenrolar. E eu, que sempre quis escrever uma história arrebatadora e de tirar o fôlego… Ironicamente a estou escrevendo. Mas com a sua ajuda.

E sim, eu disse que você chegou sem pedir licença, mesmo. E no começo eu achei que fosse pra bagunçar tudo. Demorou alguns dias até eu perceber que na verdade já estava uma bagunça, e que você estava ali, na realidade, pra colocar no lugar. E então, do meu coração… Você fez tua morada.

Eu já me perguntei o que diabos estava acontecendo. E eu juro que tentei entender… Mas depois de um tempo, eu simplesmente parei de tentar e passei a aceitar… Que eu estou honestamente, verdadeiramente e completamente apaixonada por você. De todas as maneiras que alguém pode se apaixonar. Aliás, você me conquistou de todas as maneiras que alguém pode conquistar uma pessoa. Dos pés à cabeça, de dentro pra fora e de fora pra dentro.

Você me faz acreditar que o próximo dia sempre vale à pena. Que pra tudo sempre existe uma solução. E que o amor… O amor sempre vence. Sempre. Sempre. Sempre.

Eu não vou mentir. Aliás, acho que essa palavra nem existe no nosso vocabulário. Já lhe disse e não foi uma… Não foram duas nem três vezes: eu estou com medo. Medo do que seremos e se seremos. Não é do julgamento e nem das más línguas. É daquilo tudo que não enxergamos, mas que existe. O tempo, a distância, a saudade.

Sou daquelas que sofre por antecipação e sente dor antes mesmo de levar a pancada. Talvez seja culpa das surras que a vida já deu, quem sabe. Só não digo que isso faz parte da minha natureza porque venho aprendido o contrário contigo. Quero que a gente dê certo. Quero fazer certo e quero você, de certo. E sei que você também me quer, pois somente um louco faria tudo o que fizeste até agora se não quisesse. Por isso, me apoio nas suas atitudes. Porque todo dia que acordei com a dúvida de saber se conseguiríamos passar por isso, você esteve ali, me provando que sim. E eu sei que você o fará quantas vezes mais forem necessárias, por querer e sem querer.

E eu só espero que a gente vença esse obstáculo. Aliás, espero que esse seja o único grande obstáculo que irá nos separar por um tempo.

Que o desejo seja realizado; que o vazio seja preenchido; que o sentimento cresça; que a distância se encurte; que as horas não nos afaste; que as metades sejam por inteiro.

Me espera.

Resenha: The Heartbreakers

Em 11.12.2015   Arquivado em Livros

UM

Dentre as muitas coisas que devo a vocês, finalmente cumpri UMA. E cumpri sem a menor sombra de sacrifício. Depois de MESES sem postar resenhas de livros, Nats achou uma obra digna de um espacinho aqui no Além do Meu Mundo.

Alguém aí já ouviu falar do livro The Heartbreakers, da Ali Novak? Acho que a resposta é não para o título e para a escritora, né? Muito que bem, não tem problema, eu fico feliz em falar sobre ambos porque esse foi um achado meu no MERCADO, gente. E eu adoro quando tenho um feeling certo, porque eu estou completamente DOENTE por esse livro. Vamos à sinopse, vem comigo:

 

Stella é do tipo de pessoa que faz qualquer coisa pela irmã – até mesmo ficar em uma fila cheia de garotas histéricas apenas para conseguir um CD autografado dos Heartbreakers… Por três horas. Bom, pelo menos ela conheceu um garoto lindo na Starbucks horas antes. Um garoto dos olhos azuis que parece muito com…

Oliver Perry. É claro que o cara da Starbucks era apenas o vocalista da banda que ela menos gostava. Obrigada, universo. Mas talvez exista muito mais do que aquele mundo de fama para Oliver, porque mesmo depois de ela insultar suas músicas – na cara dele -, ele ainda dá o seu número a Stella. Oi?

Mas como Stella pode sequer pensar em estar com Oliver – namorando, se divertindo e pregando peças com os garotos da banda – quando sua irmã poderia morrer de câncer?

 

Pausa. Sim, eu nunca havia lido nenhum livro do tipo, sequer uma fanfic à respeito de garotas que acabam se apaixonando por algum vocalista e a história toda nós já conseguimos até formar na nossa cabeça, porque sim, clichê master blaster plus advanced. Quer dizer… Quem NUNCA sonhou em namorar aquele vocalista maravilhoso? Não, não negue com a sua cabecinha, porque no seu passado obscuro você bem que sonhou isso. Eu, aliás, com os meus 22 anos nas costas, ainda sonho com isso.

rainha

Vou começar dizendo que a capa do livro me ganhou sim e com certeza. Primeiro pela simplicidade de trazer apenas o que interessa. O título também foi importante, eu admito. Mas acho que as duas coisas que mais me fizeram tirá-lo da estante foi a linha-fina e uma coisinha logo abaixo do nome da autora.

 

“Oliver é o vocalista da banda mais quente do momento. Stella não faz ideia disso.”

 

Ali Novak

Mais conhecida como a nova sensação do Wattpad FALLZSWIMMER

 

Quando eu li Wattpad não teve Cristo que não me fizesse levar esse livro. Pra quem não sabe, esse site é uma grande janela para pessoas que sonham em publicar uma obra algum dia, e sim, eu sou uma dessas pessoas. Achei que valeria à pena ler um livro que veio de um lugar no qual eu pretendo postar a minha história em breve. BAM!

BAM

O livro é MUITO bem escrito, e tem um desenvolvimento simples e de fácil compreensão. Não abusa de palavreado difícil ou de descrição cansativa. Pelo contrário: os diálogos são muito bem pensados, além de MUITO engraçados.

Apesar de ler lido e gostado muito das obras do John Green por se aproximar muito do que pra mim é a adolescência (quando falamos de Cidades de Papel, claro), esse é o livro mais que próximo da realidade que eu já li, na minha opinião – ignorando o fato principal da personagem principal pegar o cara mais hot do momento, né –. Quando digo “próximo da realidade”, me refiro aos diálogos cotidianos entre os personagens e como as piadas são bem atuais. Não tem filtro. Existe palavrão, existe piada suja. E daí? Não é assim que nos comunicamos no dia a dia, jovens? Pois bem.

Ah! Você deve ter lido a linha-fina e pensado “Tá bom. A banda é a mais quente do momento e a menina simplesmente não sabe quem é o cara? Bullshit.” Bom, eu confesso que também pensei isso no primeiro momento, mas a Ali desenvolve essa parte da história com tanta naturalidade e tão cheia de sentido que não se torna nada absurdo. É doidinho, mas não é incompreensível.

O livro é escrito em primeira pessoa e pasmem, é o primeiro livro que realmente me satisfez nesse sentido. Apesar de já ter lido 8239874 livros em primeira pessoa, eu pessoalmente não gosto muito desse estilo, porque sinto que o autor muitas vezes deixa a desejar com relação à descrição, observação ou ao sentimento de um personagem que não o do principal, já que a história é contada do ponto de vista do mesmo. MAS acho que esse livro teve uma representação muito diferente e me agradou sem exageros.

DOIS

Sobre os personagens: me identifiquei HORRORES com a Stella. Ela não tem nada daquela garota “tradicional”, não é inteiramente girly e é cheia de dúvidas sobre o próprio futuro. Aliás, quem não? Ela sempre coloca as pessoas que ama em primeiro lugar até quando não deveria, além de sempre cobrar demais de si. Ela é encantadora, tem os melhores pensamentos e é super “sóbria” quando se trata de analisar uma situação. Isso eu realmente não sou e queria muito ser.

Outra coisa. Quem é esse Oliver Perry, gente? Alguém pode, por favor mandar embrulhar pra presente de Natal e me mandar? Sério, vou colocar o meu endereço no final desse post para a alma caridosa que quiser fazer uma garota feliz esse ano. Ele é sensível, doce, engraçado… Mas ao mesmo tempo é sexy, provocante, imponente e pode ser bem convencido de vez em quando.

Os garotos da banda… Gente, como eu terminei esse livro querendo ser amiga desses caras. Alec, Xander e JJ são a ALMA dessa história, e fico muito feliz que a Ali tenha conseguido o devido espaço e a devida essência a cada um deles, porque eu acho super difícil fazer com que tantos personagens interajam tão bem em uma mesma cena. O que é o companheirismo do Alec, a fofura do Xander e os comentários do JJ? Repito, a ALMA da história.

Meu coração acelerava loucamente a cada decisão maluca e a cada situação na qual Stella acabava se enfiando. Eu tive todos os sentimentos do MUNDO enquanto lia as aventuras dessa menina de 18 anos: felicidade, tristeza, agonia, raiva…!

E aqueles que acham que a história só se trata de uma garota que vive o sonho de todas as garotas do mundo por namorar um vocalista como Oliver Perry e ou do quanto ela é sortuda por tudo que passa com os Heartbreakers, se enganam PIAMENTE. Existe uma história muito mais profunda do que só esse relacionamento que me arrancou suspiros e me fez ficar tipo freaking out o tempo todo. Trata aquele momento de decisões tensas na nossa vida de uma forma bem verídica. Mostra como os nossos medos nos impedem de realizar os nossos sonhos. Nos ensina a ver a vida com outros olhos. Aliás, nos ensina a abrir os olhos.

Eu não esperava toda essa onda de sentimentos e aprendizados desse livro, e acho que é por isso que ele acaba de entrar para a minha lista de favoritos.

QUATRO

A parte engraçada: fui pesquisar sobre o livro depois que li e descobri que a Ali fez um “book trailer” usando cenas de séries e filmes (faço muito, obg). Foi MUITO engraçado ver quem ela imaginava como Stella e Oliver, porque eu errei feio, errei RUDE.

Eu imaginei o casal ligeiramente parecido com a da capa do livro, mas a Stella eu acrescentei a tal da franja e a mecha azul no cabelo. Agora o Oliver… Eu confesso que fiz uma pequena relação ao Harry Styles pelo estilo do garoto, mas achei que personagem tinha o cabelo mais claro como o cara da capa. Também achei que ele tinha um quê de Chay Suede de olhos azuis, sei lá. PORÉM, QUANDO VOU VER O TRAILER:

Sim, ela tinha pensado no meu crush Harry Styles, minha gente! <3

harry

Bom, brincadeiras e observações à parte, esse livro já está no meu coração e por isso precisei compartilhar. Só desejava do fundo do meu coração que tivesse uma continuação, porque olha = <3 Até deixei um comentário-bíblia para a Ali Novak no Wattpad elogiando o trabalho dela, me julguem!

Anyway… Eu o li em inglês, dei uma caçada nas internet e infelizmente não tem a versão em português (#chateada). Mas falo sério quando digo que é uma leitura bem tranquila, então pra quem quiser se arriscar, segue o link da edição publicada. Não achei para pdf, então vai o link do Wattpad! <3

E não esquece de dar aquela comentadinha básica aqui no brógui, rere

HeartbreakersGraphic

Filme: Me And Earl And The Dying Girl

Em 05.11.2015   Arquivado em Na tela

Me-and-Earl-and-the-Dying-Girl

OK, não era a minha intenção trazer outra resenha de filme aqui tão cedo, mas acontece que eu apenas acabei de assistir essa coisa e precisei compartilhar com o mundo, no caso, vocês.

Me And Earl And The Dying Girl (em português: Eu, Você e a Garota Que Vai Morrer) já estava na minha listinha de filmes para assistir, preciso confessar. Eu nem sabia direito do que se tratava, mas o nome e a capa já haviam me chamado a atenção enquanto fazia uma pesquisa para fazer aquela sessão cinema antes de dormir. Aí me dei ao luxo de fazer um “Lazy Morning” e ficar na cama a manhã todinha. E não deu em outra: decidi assistir esse filme.

Pra quem não sabe (eu também não sabia, então, né…), o roteiro é baseado no livro de mesmo nome, do autor Jesse Andrews, e fiquei chateadíssima quando descobri isso, porque todo mundo sabe que eu odeio ver filmes antes de ler os livros, mas anyway, já que estamos aqui, falaremos do FILME, exclusivamente. Ok? Ok.

Enfim, o filme conta a história de Greg Gaines, um adolescente despretensioso e com um grande talento para cinema que tem como único objetivo passar desapercebido pelo Ensino Médio ao lado de seu amigo de infância, Earl – com quem ele já gravara 43 filmes secretamente.

me and earl and the dying girl1

Nada poderia ser tão normal… Só que as coisas mudam quando a mãe de Greg o obriga a fazer amizade com Rachel, uma colega de escola diagnosticada com leucemia.

12MEEARLJP1-articleLarge-v2

Contra a vontade, Greg tenta se aproximar de Rachel. E depois de muita insistência, consegue atingir seu objetivo. E aí o que era obrigação virou diversão, pois uma verdadeira amizade acaba nascendo e os dois se tornam inseparáveis. Greg está sempre visitando-a – já que Rachel começa a fazer o tratamento e não pode mais ir à escola. Ele e Earl até passam a deixar a garota assistir aos terríveis filmes que eles produzem. Animar Rachel se torna a única e principal ocupação de Greg.

MeAndEarlAndTheDyingGirl

O filme me encantou MUITO, porque assim como o personagem principal, começa despretensioso. Parece que não há muito o que esperar da história, mas a maneira como ela é desenvolvida é o que prende o telespectador. Pelo menos foi assim que eu me rendi!

A história é narrada por Greg desde o início, e desde que ele é um aspirante a cineasta, o filme acaba tendo uma pegada cinematográfica, dividida em partes que o personagem considera marcantes e importantes o suficiente para serem pontuadas, bem como os comentários. E ao contrário do que pode se pensar, apesar de ser um drama, as piadas estão super bem encaixadas e nada forçadas.

Vocês devem estar lendo e pensando: tá bom, é só mais um filme com uma garota com câncer. É só mais um romance que acaba mal. Só que não é. É muito mais que isso, gente e eu não estou de brincagem.

A sinceridade que pontua a amizade de Greg e Rachel é muito fofa e mais do que essencial para prender a atenção. Começa tão boba e se torna tão profunda que não há como você não ficar desejando ter uma amizade daquelas para si.

postfull-watch-an-exclusive-me-and-earl-and-the-dying-girl-clip-from-justjared-olivia_thomas2

Você vê a doença se desenvolvendo? Vê. Você vê a amizade deles crescendo? Vê muito. E a melhor parte é que a doença, que parecia ser a coisa mais importante da história, acaba sendo esquecida. Não é como se aquilo fosse o ponto crucial. E não é porque o filme para de falar sobre isso, é porque você simplesmente não consegue fazer daquilo a coisa mais importante diante de todo o resto!

RachelandGreg file_608187_me-and-earl-and-the-dying-girl-640x271

Quem curte A Culpa É Das Estrelas vai COM CERTEZA achar referências, mas não se engane! Os personagens são beeeem distintos. Greg nunca teve pretensão nenhuma de ser amigo de Rachel, nunca teve nenhum sentimento de pena ou altruísmo, mesmo depois de ela ter adoecido. As coisas foram forçadas e acabaram acontecendo. Ponto.

Adorei a personagem da Rachel e como ela se torna bem mais essencial ao final do filme. Ela é a chave, e não é porque tem leucemia. Aliás, sei que já falei isso ali em cima, falei agora e falarei de novo… Mas é porque achei incrível. O filme (e provavelmente o livro) interpreta e mostra a história de adolescentes e como eles são muito mais do que vemos. Mostra a história da Rachel e quem ela é, e não quem ela se tornou, ou seja, “a pobre garota com câncer”.

33887-En-Earl-es-a-csaj-aki-meg-fog-halni-2015-Olivia-Cooke

Aliás, cada personagem é super bem desenvolvido, desde o professor de história tatuado e cheio de frases de emoção até Earl, que por favor, não pode ser esquecido. É super caricaturado e fala palavrões o tempo todo.

earl_nasty_b

E o final… Bom. Me surpreendeu, e com certeza vai surpreender quem quer que o assista. A proposta continua lá e não te decepciona. Você fica, ao mesmo tempo à espera do clichê, e ao mesmo tempo não. E na verdade, no final você se depara com a compreensão e o autoconhecimento, que no fundo todos procuramos de alguma forma. Aí você decide se a história realmente te ensinou algo. Ou não.

giphy6

Ai, vocês… Assistam! <3

Resenha: Eu, Christiane F., 13 anos, Drogada, Prostituída…

Em 17.08.2015   Arquivado em Livros

ChristianeF

Como boa jornalista que sou, tenho que fazer jus à profissão e lhes trazer algumas obras literárias verídicas escritas por jornalistas, né gente?

E eu não poderia fazer isso sem começar com Eu, Christiane F., 13 anos, Drogada, Prostituída…, a obra com o teor mais pesado que já li. Porém, acho que ninguém deve temer esse livro, pois ele é reflexo de uma história real que acontece todos os dias pelas ruas do mundo todo.

O livro traz depoimentos factuais de Christiane F. recolhidos pelos jornalistas Kai Hermann e Horst Rieck durante o tribunal da infância e da juventude. Os dois jornalistas que escreviam para a revista alemã Stern ficaram chocados com o depoimento da garota sobre a realidade dos jovens de Berlim viciados em drogas, que dedicaram dois meses de entrevistas que resultaram no livro.

Os infortúnios de Christiane começam quando ela passa a ter contato com maconha e outros entorpecentes no grupo de jovens ao qual frequentava, aos 11 anos. Depois ficou fascinada pela discoteca mais badalada da Europa, a Sound, ao qual passou a ir sempre. Lá ela descobriu a heroína. Inicialmente ela se recusa a experimentar, mas uma vez que ela se arrisca… Não tem mais volta. Se torna mais uma viciada em Berlim que, para sustentar o vício, passa a se prostituir.

A obra mostra a linha tênue que existe entre uma criança e as desgraças do mundo. Por meio de depoimentos de Christiane, e até mesmo de depoimentos da mãe dela, você acompanha a trajetória de uma pré-adolescente que se muda do interior para a famosa cidade de Berlim junto com sua família, que começa a se desestruturar deste momento em diante. Você acompanha os dramas dela a fundo, começa a torcer para ela de uma forma que nem mesmo você acredita, porque infelizmente é uma história real, e não há nada que possa mudá-la.

Você conhece amigos de Christiane que viveram, morreram desapareceram e nunca mais se ouviu falar… Acompanha um show do David Bowe… Acompanha as tentativas e fracassos da garota para se curar em reabilitações… Enfim. É um retrato real e fiel. Uma história triste com uma boa lição.

christianefgiveup

Acho que esse livro ainda deveria ser material solicitado nas escolas, pois é a melhor maneira de aproximar as pessoas da verdadeira realidade que cerca o mundo das drogas e entendê-las do pior jeito possível: com uma história real.
Ah, a edição que eu li é da foto ali de cima, como vocês bem podem ver. Eu indico que vocês tentem consegui-la, pois esta edição traz fotos da Christiane na época em que ela vivencia tudo aquilo, e eu achei bem legal, uma coisa melhor documentada.
E pra quem não sabe, a Christiane F. continua vivinha da silva (não sei como, mas está) e escreveu uma autobiografia dela sobre o “depois” desse primeiro livro. E eu realmente mal posso esperar para lê-lo e contar para vocês!

Créditos foto: http://anacaroamaral.com.br/?s=christiane+f

Créditos foto: http://anacaroamaral.com.br/?s=christiane+f

E pra quem ficou interessado nessa história super bem contada, e como eu, sempre fica pesquisando tudo o que puder sobre o assunto, livro, personagens… Tem um filme de 1981 baseado na obra dos jornalistas alemães! E sim, é um filme alemão! Eu gostei bastante e super indico!

Adorei a maneira como a Christiane e os seus amigos são retratados. Parece que a história ganha mais cor quando você finalmente pode conhecer, através do filme, os lugares citados pela biografada.

christianefamigos

Dá uma conferida no trailer, benhê! É um filme antiguinho, mas vale MUITO a pena.

Bom, é isso, babies! Depois que fizerem a lição de casa, venham me contar! <3

PDF – Eu, Christiane F., 13 Anos, Dro – Kai Hermann

Quarto Azul

Em 04.08.2015   Arquivado em Crônicas

Quarto Azul

The Blower’s Daughter – Damien Rice

Eu já estive aqui tantas vezes… Minhas pernas bambeiam só de pensar que tive a oportunidade de pisar nesse quarto azul mais uma vez, mesmo sendo escondido.

Ainda consigo sentir o cheiro de nós dois em todas as paredes tão decoradas de coisas. Havia só dois meses que eu não entrava nesse quarto, e percebi como sentia falta do seu mundo, das suas particularidades.

Eu estava li feito bobo olhando cada detalhe daquele lugar tão azul e tão você que eu não queria esquecer. Quadrinhos pequenos e cheios de frases moderninhas que você vive tirando do Tumblr ou do WeHeartIt. Um calendário velho dos Beatles, estrelinhas que brilham no escuro… Todos tão delicadamente expostos na parede. Olho para cima já esperando encontrar o rosto do Damien Rice no teto. Você deve ser a única maluca que gruda pôsters no teto. Aliás, você deve ser a única maluca que acha o Damien Rice o cara mais bonito no universo. Garotas normais gostam de One Direction, do Justin Bieber… Mas não você. Porque você não é uma garota qualquer. Você é a Melina Becker. A garota por quem eu sou apaixonado desde a terceira série.

E só seis anos depois eu tive a chance de ser alguém que eu realmente queria ser pra você. Passei de colega de sala a amigo, de amigo a melhor amigo. Ouvi durante anos você falar dos carinhas de quem estava a fim. Ouvia com afinco, fingindo para que cada detalhe não soasse como uma apunhalada no meu estômago e isso não ficasse explícito na minha cara.

Só Deus sabia como aquilo doía, mas eu preferia estar ali e fazer parte da sua vida daquele jeito do que simplesmente não estar por perto. Fazia piadas e fingia não estar me mordendo de ciúmes por eu nunca ser o cara dos seus sonhos.

Suspiro em meio a penumbra do seu quarto azul. Sei que não deveria ter vindo aqui assim, na calada da noite, mas eu meio que precisava. Se você sonhar que invadi seu quarto pela janela, provavelmente cortaria as minhas pernas. Essa era sempre a sua ameaça para qualquer ato meu.

Olho para a sua cama. A cabeceira de metal toda decorada com piscas-piscas de led. Acesas como sempre. E você. Que saudade de ver você dormindo assim. Quantas noites eu não dormi nessa mesma cama, cada um deitado com a cabeça em uma extremidade diferente. Você adorava cutucar as minhas costas com os pés para saber se eu estava acordado.

E sua mãe nem se incomodava com tudo aquilo. Éramos melhores amigos há tanto tempo! Ninguém via mal nenhum naquilo.

Na verdade, só eu via. O maior mal era estar ali ao seu lado todos os dias, amá-la… E amá-la secretamente sem ser percebido. Esse era o meu maior mal. Uns chamariam de castigo, outros de carma… Eu chamo de destino.

Os piscas-piscas refletiam o azul da sua parede no seu rosto, como em todas as noites. E você se nomeava a menina azul. O mesmo velho cenário… Só que eu não faço mais parte dele.

Porque inventei de finalmente surtar por causa de mais um cara na sua vida. Outro cara que não sabia nada sobre você, não conhece seus gostos, medos e angústias. Não sabe que você mistura Nescau Cereal com o Froot Loops e acha isso gostoso. Não sabe que você prefere os filmes velhos aos novos. E mesmo assim ele é o dono do seu coração azul, e não eu.

Mas em vez de apenas dizer o que eu sentia e que estava guardado durante todo esse tempo, eu quebrei o código. Queimei o cara e vi você o defendendo. E você o escolheu em vez de escolher a mim. É claro que isso não foi dito, mas algumas coisas são subentendidas na vida, não é?

Observo você respirando tão lentamente. Também perdi a conta de quantas vezes velei seu sono assim. Às vezes com o seu rosto marcado por lágrimas…. Ou às vezes porque eu simplesmente adorava assisti-la dormindo.

Antes que pudesse me arrepender, coloco o envelope azul sobre a mesinha ao lado da sua cama. Quando me direciono à janela, piso em alguma coisa e isso acaba perturbando seu sono. Meu coração foi para a boca e eu corri para fora da janela o mais rápido possível, e eu sei que a única coisa que seus olhos captaram foi a janela se fechando em meio ao escuro azul do seu quarto.

 

Gostou da crônica? Quer que ela tenha continuação? Comenta aqui pra tia Nats, manda mensagenzinha aqui, sinal de fumaça ou o que mais você preferir. Vamos brincar de “Você Decide”? 

Sampa Tour: Museu Catavento

Em 01.08.2015   Arquivado em Por aí

DivMuseuCatavento

Primeiro de tudo, MIL DESCULPAS, pessoas da minha vida! Tinha prometido esse post há trezentos anos, mas por motivos de: (1) também sou filha de Deus; (2) tenho probleminhas pra resolver e (3) não conseguir fazer o post. Porém, estou buscando redenção e o perdão de vocês trazendo tudindin agora! <3

Bom, como explicado no primeiro post, inaugurei uma nova série de posts chamada Sampa Tour, onde vou postar dicas de rolês legais pra quem mora em São Paulo ou vier para cá a passeio. E essas dicas serão de acordo com os rolês que eu mesma estou realizando, parte de um projeto pessoal meu.

No mesmo dia em que fui ao Edifício Martinelli, aproveitei o caminho e fui parar no Museu Catavento.

O Catavento é um museu totalmente interativo dedicado aos conhecimentos científicos que funciona desde 2009. O espaço em que é abrigado é o antigo Palácio das Indústrias, que foi construído em 1911 e inaugurado apenas em 1924. Em 1992, passou a ser a sede da Prefeitura de São Paulo.

O museu é dividido em 4 espaços: universo, vida, engenho e sociedade. Cada instalação tem várias atividades que ensinam de maneira criativa, desde teorias físicas e químicas até os biomas, o universo, e todo o funcionamento do corpo humano, além da vida marinha e tudo mais o que vier nas suas cabecinhas.

Na área do universo, vocês poderão saber sobre a vida das estrelas, além poder conhecer as mais famosas, observar galáxias, constelações… Ou até mesmo tocar em um meteorito de verdade que deixa a sua mão com cheiro de metal!

Depois, no espaço da vida, vocês vão saber tudo sobre a biodiversidade do planeta, bem como uma mega aula sobre relevos e plantações, só que de uma forma mais divertida: uma maquete gigante que exemplifica cada coisinha! AH, também não podemos esquecer a passagem dos dinossauros no planeta e a evolução humana. Hora de aprender todas as funções do corpo humano AQUI. *-*

Em engenho, vocês finalmente se sentirão num laboratório, onde poderão testar cada coisa daquelas aulas de física que vocês nunca entendiam. Quem dera eu tivesse tido a oportunidade de ter vindo na época da escola. Muita coisa teria me ajudado de uma forma mais interessante! Acredita que você consegue levantar 100 kg adicionando uma ferramenta boba junto com uma corda? Pois é! Já se imaginou dentro de uma bolha de sabão? Eu estive em uma! E sobre um choque em corrente com mais algumas pessoinhas? Passei por essa experiência também!

E finalmente, na área da sociedade, dá pra conhecer um pouquinho das maravilhas da Terra, um pouquinho de história do Brasil com uma escalada interativa e um laboratório de química e física!

Ufa, acabou! Mentira, agora é hora das fotchenhas!

IMG_9618

1 (2) 1 (3) 1 (4) 1 (5) 1 (6) 1 (7)

PS.1: Sabe aquele pontinho marcado? É o nossa sistema no meio dessa nossa pequena galáxia que fica nesse universão!

1 (8) 1 (9) 1 (10) 1 (11) 1 (12)

1 (13)1 (14)

PS.2: Eu e o bf dentro das bolhas de sabão! *-*

1 (15) 1 (16) 1 (17)

PS.3: Qualidade ruinzinha, mas queria mostrar a escalada histórica 🙁

1 (18) 1 (19)

PS.4: Eu tava louca pra ir nesse Borboletário, mas ele ainda não inaugurou. Cry!

Pois então, esse foi meu segundo passeio baratchenho que SUPER indico. Sério, pessoas. R$ 6,00 a inteira e R$ 3,00 a meia. Dá pra vir e se divertir demais. É ou não é?

 

Quem ficou interessado, dá uma acessadinha básica no site do museu pra se informar melhor!

Achei esse vídeo no próprio portal deles e achei bem legal pra dar uma palhinha do local! A gravação não é da melhor qualidade, mas acho que dá pra ter uma ideia do que esse lugar fantástico!

E AÍÍ, o que acharam? Gentem, ainda tô me acostumando a tirar foto de tudo, então esqueci de tirar MUITA foto, porque esqueço que não é só um passeio, e sim um registro! E prometo que com o passar do tempo, as fotos terão qualidade e enquadramento melhor, tá? A tia Nats tá enferrujada com essas coisas.

 

Aguardem o próximo episódio do Sampa Tour! <3

Filme: White Bird in a Blizzard

Em 29.07.2015   Arquivado em Na tela

DivBlizard

Primeiro de tudo: me perdoem. Sei que diminuí DRASTICAMENTE o número de postagens na última semana, mas o freela que peguei está tomando todo o meu tempo e está realmente difícil conciliar. Mas prometo que vou fazer o máximo pra que isso não se repita! E prometo mais: tem coisa nova chegando no bróguiiiii… RERERERERE!

 

Bom! Acho que como a grande maioria das pessoas na face da Terra, quando eu gosto de um ator ou atriz em especial, tenho aquela mania “stalker” de assistir todos os trabalhos do ser. Sacomé, né? A pessoa é boa no que faz, então você quer ver mais e mais e mais!

Foi exatamente por saber que a Shailene Woodley é maravilhosa e intensa em qualquer papel que ela faz, que eu me arrisquei e assisti Pássaro Branco na Nevasca (nome original: White Bird in a Blizzard). E já adianto que a Shai não me desapontou em NADA.

shai10-1428696047

A trama é baseada na obra literária de mesmo nome, escrito por Laura Kasischke, e conta a história de Kat Connor (Shai) e a sua luta para descobrir a verdade sobre o misterioso desaparecimento de sua mãe. Nós estamos em 1988 e acompanhamos a vida de Kat, que tem 17 anos e vive uma vida normal. Estuda, sai com os amigos e namora seu vizinho de porta, Phill (Shiloh Fernandez). Para a adolescente, a vida em casa também parecia simples e tranquila, com seus pais Eve (Eva Green) e Brock (Christopher Meloni). Porém, essa imagem de família feliz muda totalmente quando Eve some sem deixar rastros.

Eu acho que nunca havia assistido nenhum filme dirigido por Gregg Araki, então preciso ressaltar que gostei bastante de como ele desconstrói todo o contexto da história de forma minuciosa e detalhista. E é claro que isso funciona com grande sincronia levando em consideração a gama de atores incríveis que temos no filme. Você consegue pegar muita coisa no ar devido ao jogo de olhares que rola entre os personagens.

O filme é totalmente contado do ponto de vista de Kat, então nós temos a visão que ela tem das pessoas ao seu redor. Para ela, seu pai era um homem pacato, atencioso e trabalhador que amava sua esposa mas nunca teve o seu amor retribuído. Eve, que inicialmente parecia a esposa e mãe perfeita, se revela uma mulher bonita e frustrada com o rumo que a sua vida se tornou. Ela começa a descontar essa revolta na filha, que era jovem e ainda tinha uma vida toda pela frente que ela mesma não pôde aproveitar.

WhiteBirdInABlizzard12

Ao mesmo tempo, acompanhamos o desenvolvimento e amadurecimento de Kat, como suas descobertas sexuais. Ao contrário do que esperava quando li a sinopse, achei que Eve e Kat tinham aquela relação fofa de mãe e filha, mas na verdade, essa relação de cumplicidade só existiu quando Kat ainda era uma menina, e isso foi se perdendo conforme ela crescia. Elas se distanciam bastante, então quando Eve some, não é como se isso realmente afetasse a filha, o que me surpreendeu bastante!

Depois damos um salto no tempo e dois anos se passam sem qualquer notícia do paradeiro de Eve. Kat já está com 19 anos e é uma universitária. Nas semanas de férias, retorna para casa e encontramos um mesmo cenário mas com uma perspectiva completamente diferente. Brock finalmente tenta seguir em frente com uma nova namorada, o que deixa Kat muito feliz de ver o pai se desapegar do que aconteceu. Também reencontramos Phill, que acabou ficando na cidade, cuidando da mãe que é deficiente visual e pulando de emprego em emprego.

Então… BAM! O que foi especulado por vários personagens da trama passa a ser o enfoque principal e mais maluco de todos. A história vira do avesso e você fica “WUUUUT, como assiiiiiim?”. A coisa toda era tão óbvia que eu desacreditei e fiquei passada. Achei a motivação de tudo muito inesperada, mas uma boa jogada de desenrolar.

Não tive a oportunidade de ler esse livro, porque nem sabia que o filme era baseado em uma obra até procurar pela sinopse dele antes de assistí-lo. Então, não tenho propriedades para compará-lo com a obra literária, mas analisando apenas o filme, eu adorei a composição que a Shai dá pra personagem dela. É uma personagem simples, mas ao mesmo tempo, profunda, misteriosa, cativante. A cada dia que passa me apaixono mais ainda pelo trabalho dela.

E aí? O que acharam da minha tentativa de indicação? Já assistiram ao filme? Contem aí, quiridus!

 

Resenha: Se Eu Ficar

Em 26.06.2015   Arquivado em Livros

DivSeEuFicar

Sim, Nats lê livros da modinha, e daí? Se reclamar, leio “50 Tons de Cinza” e escrevo a resenha! Só que não.

Enfim, ouvindo das pessoas que o livro era maravilindo, que eu ia adorar e coisa e tal… E depois vendo o trailer que me deixou de olhinhos lacrimejando no cinema com a música “Say Something”, eu resolvi me entregar aos encantos de “Se Eu Ficar”.

Para quem ainda não leu ou assistiu, a trama conta a história de Mia Hall, uma garota bem diferente das garotas de sua idade e até mesmo de sua família. Para começar, ela é filha de pais punks. Todo mundo adoraria ter pais assim, liberais, divertidos e que nos incentivassem a ir em festas para voltar só no outro dia. Todo mundo, menos a Mia. E para completar a coisa, ela seguiu um gosto completamente diferente da família, do pai que tinha uma banda de punk rock. Mia se apaixonou pelo violoncelo e se tornou uma incrível musicista clássica.

Tem como ser um patinho feio mais feio que esse? Tem! Mia acaba se apaixonando pelo rockeiro popular da escola, Adam, o garoto dos sonhos de qualquer adolescente. O fato dele se interessar por Mia é algo que a intriga desde o começo, pois ambos são completamente diferentes. Mas né… Os opostos se atraem.

IfIStay

E a história que parece linda, perfeita e cheia de coisas fofinhas acaba se definhando quando um acidente de carro horrível acaba matando os pais e o irmãozinho de Mia. A garota se vê no meio dos destroços do carro enquanto paramédicos e ambulâncias chegam para socorrê-los. Assiste à tudo: seu corpo sendo levado, os médicos tentando reanimá-la… Se vê na sala de cirurgia, na UTI… Então percebe que está fora do seu próprio corpo, e ninguém é capaz de vê-la. Percebe que a Mia deitada na maca está em coma.

Seu mundo vira de cabeça para baixo e ela se vê em uma encruzilhada, pois não consegue imaginar um mundo em que sua família já não esteja mais ao seu lado. Mas por outro lado, sofre ao ver Adam, seus avós e sua melhor amiga Kim implorando e até mesmo rezando pela sua melhora.

Então ela percebe que tudo está em suas mãos. A decisão de morrer ou viver é dela e somente dela. Ao longo desse tempo, Mia começa a pesar as coisas, a reviver momentos e a refletir se vale a pena ficar ou não.

IfIStay2

“Então do que você não gostou, afinal?” . Pois bem, a ideia da história em si é linda e diferente de tudo o que eu já li. O ponto de vista de uma garota em coma e que decide pela própria vida! Sim, é tudo bonitinho, mas a narrativa não me agradou muito, achei a história pouco aprofundada e faltando detalhes, sabe? Os personagens são muito bons, especialmente os pais de Mia, pelos quais eu me apaixonei desde o primeiro momento.

O problema não é a história em si, e sim COMO as coisas acabam se desenrolando. Depois de ler o livro, acabei assistindo o filme… E foi uma situação bem estranha, porque eu nunca tinha achado um filme melhor do que o próprio livro, e isso me frustrou.

E pra terminar de piorar, um dos motivos pelos quais eu havia comprado “Se Eu Ficar”, é porque eu queria ler um livro que não fosse uma saga, pois estava muito nessa. Então, ao terminar, descubro nas últimas páginas que haverá uma continuação. Fuén! E que não vai ter continuação do filme! Fuén duplo!

Tirando esses conflitos internos meus e da vida, é uma boa história. Apenas não entrou na minha lista de favoritos. PORÉM, Nats é brasileira e não desiste. Por isso, vou ler a continuação e dizer o que achei, belê? Belê!

E quem leu, o que achou do livro? Coloque tudo na caixinha!

Se não leu, NÃO SEJA POR ISSO! Abaixo, o pdf do livro. Lição de casa, ma cheries!

PDF – Se Eu Ficar – Gayle Forman

Dica de filme: Unbroken

Em 25.05.2015   Arquivado em Na tela

Unbroken-poster-1419281970289

Pessoas do meu Brasél, eu cheguei, e cheguei com uma dica pra lá de sensacional! Assisti Unbroken no final de semana, e simplesmente não pude parar de pensar em resenhá-lo para o blog. O filme mexeu comigo de uma forma inexplicável, tanto no sentido psicológico, quanto no sentido emocional.

Confesso que eu não esperava menos desse longa. Assim que soube da produção, já estava morrendo. Não vou dizer que era pela trama em si, porque eu realmente não conhecia a história, então vou dizer que foi por quem estava por trás de tudo isso. Angelina Jolie foi, nada mais nada menos, do que a diretora de Unbroken, galere. E pra quem pensou “Vish”, pensou errado. Porque essa mulher botou pra quebrar, sem brincadeira.

Outra pessoa que eu estava morrendo para ver era Jack O’Connell. Virei fã do Jack desde o primeiro momento em que botei os olhos nele. Isso aconteceu quando ele estava na pele do eterno e amado Cook, de Skins. Achei que eu seria meio suspeita e não saberia falar sobre a desenvoltura dele nesse filme, mas na verdade ele me surpreendeu muito além das expectativas, o que é muito bom.

Ok, ok. Chega de blábláblá, Nats.

Un1

O filme conta a história real do atleta olímpico Louis Zamperini, que foi convocado para servir o exército americano em plena Segunda Guerra Mundial.

Conhecemos um pouco sobre a sua origem familiar e a sua infância de uma maneira simples. Rapidamente vemos o rapaz rebelde ascender a vencedor olímpico na Alemanha de Hitler. Isso tudo é mostrado paralelamente a rotina de Louis como bombardeador na guerra.

Então, em uma missão de resgate de um grupo que havia dado como desaparecido, o avião de Louis e seus colegas sofre uma queda e cai no meio do oceano. E é aí que o bicho pega. Nosso protagonista, junto de dois amigos, acaba à deriva durante 47 dias. 47 fucking days perdido no mar.

Nosso psicológico começa a ser testado a partir desse momento do filme, em que acompanhamos Louis e seus amigos lutando bravamente contra condições adversas de tempo e necessidades fisiológicas.

Aqui você também vê o nível do elenco escolhido. No primeiro momento, não é possível dar valor a isso, porque os nomes não são lá tão conhecidos. Porém, no entanto, todavia, o show começa e você simplesmente prende a respiração ao notar a mudança física que O’Connell, Domhnall Gleeson e Finn Wittrock sofrem em pouquíssimo tempo para dar vida a Louis, Phil e Mac.

Un2

Você fica na sofrência, imaginando que nada mais pode piorar. Só que pode. A boa notícia é que eles são resgatados. A má notícia é que quem os resgata são apenas os inimigos: os japoneses.

Aí a coisa degringola de vez. Louis passa de náufrago a prisioneiro de guerra junto de outros milhares de soldados americanos em território japonês. O cara come o pão que o diabo amassou e sentou em cima quando ganha a atenção do sargento Mutsuhiro Watanabe (Miyavi), também conhecido como “Bird”.

A partir daqui você também precisa começar a ter sangue frio pra aguentar as cenas de agressão que Louis e outros personagens sofrem na mão do sargento Watanabe, porque as cenas são realmente fortes e agoniantes.

Un3

Você não consegue desgrudar os olhos da tela e tudo o que consegue pensar é: “Meu Deus, isso realmente aconteceu.” É uma mistura de angústia com admiração, porque Louis se mostra um ser realmente transcendente em todos os aspectos: humano, espiritual e intelectual. Ele é aquele cara que não se deixa vencer, não se deixa abater por nenhuma situação. São cenas que realmente arrepiam.

Un4

Unbroken é um filme baseado na obra real escrita por Laura Hillenbrand que PRECISA ser assistido.

Li algumas resenhas antes de escrever a minha própria, e uma delas falava que Jolie não alcançou a profundidade na hora de explorar as questões políticas e psicológicas do personagem. Eu discordo completamente. Há desespero. Há humanidade. Há drama.

Também li em uma outra resenha que não houve explicação para a invencibilidade do protagonista diante de situações tão extremas. Também discordo. Apesar de não ser algo que se bate na tecla muitas vezes, entende-se muito bem a inspiração de Louis no irmão mais velho.

Unbroken não é só sobre bom ritmo, belas imagens, boas fotografias e boa atuação. É sobre tudo isso e mais um pouco. É sobre uma história de sobrevivência, é sobre ascendência, é sobre fé.

Fecho a resenha com a frase que o Pete, o irmão de Louis, lhe disse uma vez:

If you can take it, you can make it.

(Se pode suportar, pode vencer).

louis

Assista ao trailer

Translate »