Onde fica o meu espaço no mundo?

Em 02.08.2017   Arquivado em Crônicas, Por aí

Se você clicou neste post é bem provável que esta deva ser a pergunta que você se faz todos dias. Ou algum dia já foi uma pergunta que você fez a si mesmo.
A gente sempre acha que saber quais são as nossas habilidades e do que mais gostamos já é o suficiente para ter esse tão sonhado lugar no mundo. Só que é aquela velha história: na teoria tudo é fácil.
Saber o que te faz feliz nem sempre te coloca na estrada de tijolos dourados rumo ao seu destino. E não estou exigindo que fosse. Assim nem teria graça.
O problema real da questão é quando parece que o que te prospecta felicidade não possui espaço algum no mundo. E nem é questão de “ora, basta conquistar o seu espaço! Você precisa se esforçar!”
Será que quero mesmo um espaço nesse mundo? Um mundo em que não sou gente, e sim número? Um mundo que te obriga a ser o que não é e te enfia regras goela abaixo, doa a quem doer? Um mundo no qual eu tenho que falar aquilo que querem ouvir para que eu seja aquilo de que realmente precisavam? Bom… Se tenho de fazer isso é porque no fim das contas eu não sirvo pra nada daquilo que o mundo tem a oferecer, não é mesmo? E o que eu tenho também não lhe cabe. É como tentar vestir uma roupa de bebê recém-nascido em uma melancia.
Eu não sou um produto. Eu não sou uma oferta. Eu não estou a venda.
Eu tenho muito a oferecer. E é triste que o mundo seja tão cruel a ponto de me fazer pensar o contrário. De me fazer questionar o meu papel. De não me dar o que eu tanto queria: um espaço.

O que é ter sucesso?

Em 27.08.2016   Arquivado em Crônicas, Off topic, Por aí

Ter uma boa posição no mercado de trabalho? Ter o carro do ano? Uma casa de dar inveja? Ser poliglota? Viajar o mundo? Conhecer muita gente? Ser um bom pai/uma boa mãe? Casar com o amor da sua vida?

Existem 7 bilhões de pessoas no mundo. Isso significa que são 7 bilhões de respostas diferentes. 7 bilhões (ou mais) de sonhos por aí.

São tantas vidas, tantos lugares que influenciam e refletem na nossa história… É tanta coisa acontecendo na roda da vida que muitas vezes acabamos nos perdendo no caminho. Saímos fora da rota (isso quando e se temos uma rota, né).

Na maioria das vezes achamos que temos tudo sobre controle. Um plano perfeito e infalível que simplesmente não tem como dar errado. Afinal de contas perdemos um tempo arquitetando-o em nossa mente. Muitas pessoas até externam e colocam tudo no papel – dizem que fazê-lo torna o plano/sonho (ou do que quer que chamemos isso) mais consistente, mais “possível”. – Na teoria tudo é lindo, né?

O problema é quando algo sai fora daquilo que era esperado. Mas vale ressaltar que não estamos falando de um acidente de percurso – estes existem apenas para tornar a aventura um pouco mais emocionante e gratificante. – Estamos falando de quando o nosso sonho, a nossa ideia, o nosso plano…! Simplesmente perde o sentido.

Sentiu o peso da frase em negrito? Se fosse um filme ou um livro diríamos que é o ápice da história. O momento de tensão que geralmente explica todos os acontecimentos e que ao final (na grande maioria das vezes), tudo se resolve. Mas acontece que não é um filme. Não é um livro. É a nossa vida. E as coisas não se resolvem simplesmente. E enquanto continuamos na batalha interna entre nós e nós mesmos, o mundo continua a girar e as pessoas correndo atrás do chamado “seu”.

Sentamos na plateia e assistimos essas pessoas conseguirem chegar onde querem enquanto ficamos para trás tentando entender a moral da história e tentando descobrir o que fazer pra chegar lá (seja lá onde esse nosso “Lá” esteja). Pensando no quanto essas pessoas são tão melhores. Porque a grama do vizinho é sempre mais verde.

Perdemos tanto tempo tentando responder a si mesmos “o que é ter sucesso” que esquecemos a pergunta que verdadeiramente importa: o que faz você feliz?

Ser adulto não é difícil. Difícil é nos encontrarmos. Difícil é sermos nós mesmos. Difícil é acharmos o nosso lugar ao sol. Difícil é sabermos qual dos mais de 7 bilhões sonhos é o nosso correndo perdido pelo mundão afora. Difícil é descobrirmos a que viemos. Difícil é ser feliz. E ter sucesso (?). Difícil é…………

Do que sei sobre o amor

Em 15.06.2016   Arquivado em Crônicas

amor

Ouça: Like I’m Gonna Lose You – Meghan Trainor ft. John Legend

 

Eu não sei. Tudo o que eu consigo fazer quando tento nos explicar pra alguém é sorrir.

Eu poderia até me fazer de difícil contigo, poderia bancar a irritadinha que sempre fui e simplesmente não dar o braço a torcer. Porque eu… Eu nunca fui de me entregar assim, de primeira. Comigo tudo sempre foi um jogo, sempre foi na base das entrelinhas, das indiretas.

Só que com você isso simplesmente nunca aconteceu. Com você não existe joguinho, não existe armas de ataque e defesa. Eu nunca precisei mentir ou omitir o que sinto e penso. E isso é, sem dúvida, o que eu mais amo na gente – dentre tudo o que existe na gente e que eu amo tanto.

Aliás, amo tudo na gente. Amo como eu me perco no verde dos olhos mais brilhantes que já cruzaram os meus. Amo como sua mão encontra o meu rosto com facilidade e a maneira como meu corpo reage ao seu simples toque. Amo como a minha mão se encaixa na sua.

Amo como me sinto completa e inteira ao seu lado. Como não preciso mentir nem fazer média contigo.

Amo a maneira como os cantos dos seus lábios se curvam pra baixo quando eu digo algo que te surpreende. Amo o som da sua risada e como você sempre dá uma encolhidinha nos ombros pra rir, como se fosse uma criança.

Amo quando me puxa pra si como se não precisasse de mais ninguém por perto. Amo como até o timbre da sua voz muda rapidamente quando você está conversando com alguém e de repente está falando comigo. Amo o zelo que emana do seu olhar quando está me observando.

Amo o jeitinho cúmplice que me olha quando estamos no meio das pessoas. Como nos entendemos só com um olhar. Amo quando você faz aquela carinha de sem vergonha e não pode comentar o que tem vontade.

Amo sua feição de sono lutando pra não dormir. Amo como não tem vergonha de mostrar que precisa de mim e me quer por perto. Amo como você nunca escondeu o que sente perto dos seus amigos. Amo como soamos tão natural perto das pessoas. Amo nossas piadas e nosso jeito de provocar um ao outro. Amo quando soltamos farpinhas e logo nos redimimos porque não queremos errar com o outro, não queremos repetir erros de relacionamentos passados. Amo quando diz “nossa casa/nosso quarto/nossa cama” em uma frase. Amo quando você fala sobre uma vida juntos.

Amo o som do seu “R”. Amo quando me chama de chatice. Quando me chama de guria então…! Perco o chão. Aliás, quer me ver perder o ar? É só dizer “nossa, você me deixa louco, guria” com a voz um pouquinho rouca e dar aquela estreidadinha no olhar da maneira que você faz.

Amo como você nunca teve medo de demonstrar ou dizer o que sentia, desde aquela noite, naquele parque. Amo como você me mostra como sua “fraqueza”, como você amolece e não se importa com isso.

Amo o jeito como me aperta contra seu corpo. O jeito como me prende. Amo como o seu corpo se encaixa e se molda ao meu. Amo o desejo que emana do seu olhar quando estamos só eu e você. Amo como a minha pele parece queimar quando você me toca. Quando você diz que sou linda e o quanto me deseja. De que sou a melhor e não existiu nenhuma como a mim. De que sou única.

Amo cada parte de ti que chega a doer, garoto.

Eu. Amo. Te. Amar.

Sobre felicidade – Show do Ed Sheeran

Em 29.04.2015   Arquivado em Música

 

Stephan Solon - Move Concerts9

Já que falei tanto esperando por esse show, não só nas minhas redes sociais, mas também no Além do Meu Mundo, achei justo escrever um texto sobre o que foi estar no mesmo ambiente e poder escutar de perto aquele que embala meus ouvidos e me emociona com suas letras que me fazem questionar como alguém consegue escrever de uma maneira tão única: Ed Sheeran.

Não é nenhum post de fã maluca que acha que tem que saber a hora que o ídolo nasceu ou com quantas mulheres ele já namorou, mas daquela fã que realmente admira o trabalho de um cara que lutou para merecer o lugar que ocupa hoje.

 

4

Primeiro teve aquele dia maluco de comprar os ingressos, que aconteceu SEIS MESES ANTES. A tensão para o site abrir logo e você poder fazer a sua compra. Aí o susto, porque abriram as vendas meia hora antes e a mensagem “esgotado” estampando na sua cara. O desespero de ficar com o amigo até 4 horas da manhã para finalmente conseguir comprar a Pista Premium que custa o olho da cara e o rim esquerdo, mas a sensação de “Fiz o certo.” E fiz mesmo. Sou daquelas que se não faz, se arrepende feio.

Aí o dia finalmente chega derrubando forninhos e faz você ficar 12 HORAS NA FILA. É, pode julgar mesmo. Mas sabe o que é? Nunca tinha ido num show grande, um show de uma banda ou de um cantor que me fizesse comprar o ingresso e querer estar lá. Então quis realmente fazer tudo o que uma fã faz (em devidas proporções, claro). E ao contrário do que pensei que seria, fiz amizades, ri e me diverti.

Então chega a hora de entrar. Portões abertos, pulseira premium, desespero e correria. Nunca vi uma manada de elefantes, mas posso jurar que vi uma cena bem parecida. Aí você acha que achou o lugar perfeito, mas sempre tem aquelas fãs malucas. Aquelas que estão lá a todo custo? Pois é. Empurravam, apertavam, machucavam. Com as mãos, com os cotovelos, com os pés. Além disso, quando fui tentar tirar foto, percebi que a lente do meu celular havia embaçado POR DENTRO, e o desespero dele ter estragado tomou conta de mim. Juntou tudo isso, e como não sou uma pessoa que tem saúde mental para esse tipo de situação, acabei saindo aquele “apertamento” no fim da performance de Antonio Lulic, o show de abertura. Aliás, o cara é legal. Nunca tinha nem ouvido falar dele, mas ele conseguiu animar a galera, e isso me agradou.

Saí brava e fui para um lugar onde eu conseguisse ao menos ver o palco. As luzes começaram a piscar em tons azuis e roxos. Aí o motivo pelo qual eu estava passando todo aquele perrengue subiu no palco: Ed Sheeran, com a camiseta do Brasil. Número 10 estampado nas costas com o nominho dele atrás. <3

Não sei nem descrever o que eu senti direito, porque foi uma onda de emoções enquanto ele começava a cantar uma das minhas músicas favoritas, I’m a Mess. Só ele, o violão e o seu querido loop pedal.

Não sabia se estava chorando porque estava irritada com as fãs que me fizeram sair de onde eu estava antes, se porque estava emocionada ou porque era uma babaca, mesmo.

Comecei a cantar no mesmo momento. Esqueci a raiva, o celular embaçado, meu cabelo suado e nojento. TUDO. E fiquei olhando pro palco, pro telão. E percebi como eu queria estar ali mesmo.

Aí o Ed resolve querer matar todo mundo do coração e canta uma das antigas, Lego House. Que que foi aquilo, cara! Eu pirei. A multidão pirou. Aquela sensação de ser amigo do ruivo há bastante tempo e finalmente ter parado pra ouvir aquela música com ele ali pertinho.

Depois Don’t com No Diggity e Nina. A galera não se aguentava, e acho que até mesmo o Ed não estava se aguentando. Não sei como foram os outros shows dele aqui na América do Sul, mas nunca vi esse ruivo sorrir tanto! Fora os agradecimentos. “Nunca imaginei que vocês fossem conhecer minhas músicas, sou de tão longe! Aí chego aqui e vejo que vocês sabem todas as letras perfeitamente. Vocês amam música, vocês são incríveis! Eu amo o Brasil.” Imagina se o público não gritou com essa declaração?

Ed foi ovacionado várias vezes ao som de “WE LOVE YOU, WE LOVE YOU” e “ED, EU TE AMOOO!”. E como tímido que é, sorria e ficava vermelho.

 

2

Veio Drunk, veio aquela junção de Take it Back/Superstition/Ain’t No Sunshine. Acho que nesse ponto eu já estava tendo mini ataques cardíacos. Mas foi quando Photograph começou a rolar que eu quase morri mesmo. Mal me recupero e ele vem com outra que eu amo, Bloodstream. O que é aquela música ao vivo, gente? Ela por si já vale o show todinho, com as peripécias de acordes, batuques e momentos freestyles de Ed.

Aí ele faz aquele momento fofo e traz Tenerife Sea, Kiss Me, Thinking Out Loud e I See Fire, nessa ordem mesmo. Aiai, muita emoção! Em All of The Stars, uma brincadeira com a letra que matou as fãs: “Can you see the stars from Amsterdam… Or São Paulo!”

The A Team (com um mar de celulares acesos para acompanhar) e Give Me Love vêm juntas pra fazer as fãs se derreterem com músicas antiguinhas. Aí vem aquele momento foda com You Need Me, I Don’t Need You. Tão envolvente quanto Bloodstream, onde ele estende a música pra uns 10 minutos, juro!

Um mar de celulares invadiu o #LiveMusicRocks de ontem. Hoje tem mais #EdSheeranBR! Vocês já se recuperaram pro round 2?

Um vídeo publicado por Move Concerts (@moveconcertsbrasil) em

 

Então ele simplesmente sai do palco e você sabe que o show está no fim, porque ele sempre faz isso antes de cantar a última música. Bate aquela tristeziiiiinha, mas ela logo vai embora porque ele volta pra cantar o hit do CD Multiply: Sing.

O cenário e os filtros só deram aquela emoção maior ainda, fazendo a gente se derreter com trechos de clipes e imagens desfocadas do próprio ruivo.

UFA! Escrevi uma bíblia que nem sei se vão ler, mas eu precisava deixar esse dia registrado em algum lugar pra eu me lembrar sempre que o dia 28 de abril de 2015 foi o dia em que eu vi meu ídolo de perto e me diverti com ele, mesmo de longinho. Tive que registrar o único e melhor show da minha vida. O show do Ed Sheeran.

 

** Crédito das fotos: Foto de destaque – Stephan Solon – Move Concerts
Demais fotos – Marcelo Brammer / AgNews

 

Translate »