Um rolê por New York #5

Em 19.03.2016   Arquivado em Por aí

Eita, que eu vim tirar a teia desse blog de uma vez, minha gente! Não priemos cânico, juro que não fiz aquele post pra sumir de novo. Agora que as coisas estão voltandinho nos eixos, resolvi dar aquela avaliada nas fotos dos últimos meses que eu deveria ter postado aqui, mas NÉ?

A verdade é que eu fiz vááários passeios em parques e outros sposts super legais, mas atrasei tanto os posts que não sei se valeria à pena postar tudo. Então decidi fazer um compilado dos melhores cliques que dei por aí. É CLARO que ainda existem outras mais e vou retomar a coisa toda aos pouquinhos, pinky promise! E se caaaso vocês queiram que eu poste os passeios na íntegra, separadinhos… É só fazer aquele coment fofo ou entrar em contato comigo como muitos fizeram na minha ausência! Aliás, obrigada pelo carinho *-*

Ok, agora CHEGA de papo, vou mostrar por onde eu andei nesses dois meses. Aliás… Muitos cliques são de outubro, dos meados dos Dias das Bruxas, riri. 😡

IMG_1219 IMG_1360

PS1: Aí você vai no mercado no mês de outubro e.. Opa! O_O

IMG_1375 IMG_1481 IMG_1515 IMG_1567 IMG_1721

IMG_1727 IMG_1764

PS2: AAAI, o outono! O inverno sempre foi a minha estação favorita… Mas o outono nos USA, gente… Indescritível. Como bem podem ver, o que eu mais fiz nessa estação foi ir aos parques mais lindos da vida, haha

IMG_2089 IMG_2166 IMG_2167 IMG_2182 IMG_2200 IMG_2212 IMG_2214 IMG_2219

IMG_2229 IMG_2231 IMG_2238 IMG_2333 IMG_2347

IMG_2420 IMG_2917 IMG_3440 IMG_3867 IMG_3874

IMG_3889 IMG_3916 IMG_3939

PS3: Uma das minhas fotos favoritas da vida. New York in blue <3

IMG_3995 IMG_4175

IMG_4179 IMG_4180 IMG_4293

PS4: Uma fotinho pra ilustrar o meu Natal, que aliás, foi maravilhoso! Passei na casa da minha miga mais linda, Ana, do canal Agora Virei Gringa. Saudades, guria :'(

IMG_4428 IMG_4435

IMG_4438 IMG_4447 IMG_4450 IMG_4454

Overdose de fotos aleatórias, EU SEI. Mas juro juradinho que se quiserem posts foficos mostrando spots específicos, eu faço. Vocês decidem, munamures. <3

Um rolê por New York #4

Em 09.11.2015   Arquivado em Por aí

DivNewYork4

AIAI! Depois de muitos puxões de orelhas e cobranças, trouxe mais fotinhos do que tem sido morar aqui em NYC, gente. Vou confessar que ainda tenho MUITAS fotos pra postar, mas quero falar sobre tanta coisa que acabo me desorganizando com relação a isso, mals aí :B

A verdade é que esses dias eu tenho me focado mais na minha inspiração também. Tenho me sentido fora dos eixos criativos nas últimas semanas, o que pra mim é desesperador – exceto com relação às crônicas. Graças aos céus, ideias não me faltam pra essas histórinhas <3. Sei o que vocês estão pensando… “Ela está em New York e está desinspirada?! Pode isso, produção?!”

Crack

Poder não pode, mas não escolhemos quando esse tipo de coisa vem nos assombrar, né? Por isso estou lutando contra esse mal! E antes que venham falar qualquer coisa, entendam que não é FALTA DE IDEIAS. É falta de organização das ideias, mesmo.

Anyway! Explicado o drama da minha vida que acho que devo a vocês explicar, vamos ao que realmente importa! Vocês vão ver pouquíssima coisa do Central Park, que ainda não tive tempo pra explorar, acredita? Também vão ver a coisa mais linda que é a Brooklyn Bridge de noite. É simplesmente INCRÍVEL. Não tenho outra expressão melhor pra descrever. A palavra que gosto de usar em inglês seria breathtaking, e jájá vocês vão entender o porquê. Vem comigo <3

IMG_0889 IMG_0895 IMG_0901 IMG_0902 IMG_0910

IMG_0913 IMG_0916 IMG_0912 IMG_0897

IMG_0918

IMG_1219

CPOM7711

IMG_0928 IMG_0954

IMG_0962 IMG_0966 IMG_0968

IMG_0971 IMG_0972 IMG_0974 IMG_0976

PS1: Reconheceu essa pic de algum lugar? Não, não é coisa da sua cabeça! Ela ilustrou a crônica “Ponte”, que aliás tem tudo a ver com essa paisagem! Vem ler <3

IMG_0978 IMG_0980 IMG_0992 IMG_0998 IMG_1007 IMG_1010 IMG_1042 IMG_1131

IMG_1100

Um rolê por New York #3

Em 29.10.2015   Arquivado em Por aí

NYC

Quem é vivo sempre aparece, né? Eu sei! Tem MUITA gente querendo me matar, várias pessoinhas fofas vieram falar comigo que eu não ando postando… E todo post que eu faço eu dou a mesma desculpa do “tempo”. Mas na verdade agora a desculpa é outra! Achei que eu NUNCA ia escrever isso aqui, e é bem triste começar um post falando uma coisa dessas, na verdade! Mas é que esses tempos eu estou me sentindo sem inspiração NENHUMA pra postar, gente!

CALMA, que eu não vou ser dramática e deletar tudo (para desespero dazinimiga riririri). É só uma fase minha mesmo, sei lá!

Como não estou muito no mood de posts mais elaborados, resolvi fazer um post que é super adorado pelos leitores tudo, que são fotinhos dos passeios que faço por NYC! Quem sabe não me animo? Aliás, minha parte favorita de postar fotos é fazer as legendas! ~sdds orkut~

IMG_0476

PS1: Só porque eu gostei da escada

IMG_0488 IMG_0497

PS2: Ignora o bico de pato, faz favô.

IMG_0502 IMG_0503 IMG_0520 IMG_0521 IMG_0525

PS3: Foto de Tumblr, porque sim <3

IMG_0592 IMG_0623 IMG_0632

PS4: Fazendo uma das coisas que eu nunca achei que teria saco: relaxar deitada no parque. E sim, agora amo fazer isso <3

IMG_0679 IMG_0680 IMG_0693

PS5: Pena que a foto não ficou tão boa quanto a vista realmente era 🙁

IMG_0738

PS6: Central Park visto do Top Of The Rock <3

IMG_0743 IMG_0744 IMG_0747 IMG_0754 IMG_0772 IMG_0775 IMG_0778 IMG_0780

PS7: Sim, é a Ana do canal Agora Virei Gringa de novo, se acostumem, porque vão enjoar da cara dela aqui <3 E essa coisica fofa do outro lado é a Nana, amiga da Ana que veio de Phoenix visitar a cidade que nunca dorme!

IMG_0783 IMG_0785 IMG_0790 IMG_0793 IMG_0828

PS8: Se achando a modelete

IMG_0829 IMG_0832 IMG_0842 IMG_0847 IMG_0894

Tá bão de foto por hoje, né? Se bem que ainda tenho umas 65326721 pra postar ainda! Me segurem! <3

Au Pair: Namoro a distância

Em 15.10.2015   Arquivado em Por aí

distância

Pois é. Depois de muitos pedidos, resolvi falar do assunto que assusta muito as futuras au pairs que deixarão o país e são comprometidas.

Aí vocês devem estar se perguntando: “Como sobreviver a isso?”/”Nosso amor vai acabar!”

cryyy

Meu primeiro conselho é:

bitchpause

Calmou? Então agora vamos lá!

Ninguém aqui tá falando que vai ser uma coisa simples, porque não é. E eu acho que eu sou a melhor pessoa pra falar sobre isso por motivos de: já passei por isso antes.

Há dois anos atrás eu tive um namorado que foi fazer intercâmbio em Dublin e ficou lá 8 meses. Aí vocês devem estar pensando: “Você deve ter morrido.”

Pra ser sincera, eu achei que fosse mesmo.

MAKEITSTOP

Só que não. Ao que contrário do que podem pensar, aprendi MUITA COISA com essa distância. Aprendi a me conhecer melhor, a saber meus gostos, a ficar sozinha… E descobri que ficar sozinha é totalmente diferente de ser sozinha, e que em alguns momentos isso é uma delícia!

É claro que eu não descobri isso de cara, né, gente. Tive que aprender na marra. Nós dois aprendemos com os erros e estamos tentando não cometer os mesmos erros que cometemos quando ele foi, e mesmo assim, todo dia é uma nova lição a aprender!

Então eu estou aqui para tentar acalmar o coração dessas moças todas com algumas diquinhas primordiais pra que esse relacionamento perdure.

 

Diálogo

Esse é o primeiro item porque provavelmente é a primeira coisa que acontece quando você decide que quer ser au pair. Vocês vão precisar conversar sério e honestamente para saber o que será do relacionamento de vocês a partir deste momento.

Você vai. Essa é a primeira coisa a ser dita. Vocês vão continuar o relacionamento? Ele(a) aceita continuar o namoro? Como vai funcionar? Vocês vão se ver? Ele(a) vai te visitar?

Como você pode ver, tem MUITO assunto pra ser resolvido.

Não faça novela novela mexicana antes da hora.

novelamexicana

 

Compreensão

Esse item é primordial no relacionamento, ainda mais em se tratando de intercâmbio. E isso não serve só pra quem está ficando, mas pra quem está partindo também.

ed20

Pra quem fica

Não vou ser hipócrita, até porque já estive no lugar de quem fica. Esse é o papel mais difícil. É compreender logo de cara que o seu amor deseja realizar algo pessoal do qual você não irá necessariamente fazer parte, mas que isso não é de um todo ruim (só que você só percebe isso depois). É compreender que o egoísmo precisa ser deixado de lado. Acho que essa foi a parte mais complicada pra mim quando ele foi, e eu sinto muito por isso até hoje. Sei que era mais nova, mas acho que eu poderia tentar levar as coisas um pouco menos na emoção, só pra variar um pouquinho.

Também tem que compreender que o seu amor está indo desbravar uma outra terra e conhecerá pessoas novas, mas isso (pelo menos no nosso caso) não será uma ameaça ao seu relacionamento.

 

Pra quem vai

Apesar de você estar com a cabeça à mil, com visto, malas, família, ansiedade tudo ao mesmo tempo, terá que abrir um espaço gigante pra compreender que o seu amor que está ficando vai sofrer mais do que você nesse período, e isso é triste e inevitável. Não adiantará você dizer que tudo vai dar certo, que vocês vão passar por isso, que você continuará amando-o(a). Nada faz o sentimento de “perda” dele(a) ir embora, e você precisa entender que isso não é necessariamente sua culpa. Você vai ficar triste e vai sofrer junto, óbvio. Mas não se sinta culpada(o).

Você vai ter que compreender que “cada cabeça é uma sentença”, e que ele(a) pode reagir de diferentes maneiras. Talvez ele(a) queira participar de todo o processo, queira te ajudar com as malas, queira saber dos seus planos (como no caso do meu namorado). Mas pode ser que ele(a) não queira nem ouvir a palavra “intercâmbio” ou o nome do destino para onde você vai. Talvez ele(a) não aguente e comece a chorar só de pensar à respeito (como no meu caso. Culpada nos dois itens). E de novo, eu muito me arrependo da minha postura diante disso, pois era um momento em que meu namorado precisava de apoio e eu não o dei. Peço desculpas pra ele até hoje por isso.

 

Paciência

Como se não bastasse vocês terem que lidar com a própria situação e com a saudade de matar, ainda tem aquelas pessoas que fazem você perder a cabeça, tentando te fazer pensar besteira mesmo sem intenção. Não entendeu?

Sabe aquele primo que solta: “Nossa, mas relacionamento a distância não dá certo, cês sabem, né?” ou “Iiiiih, quem vai trair primeiro?”. Melhor: “Ahh, mas comigo não rolou não. Terminamos no primeiro mês.”

shailene-woodley-ears-secret-life-american-teenager

SEMPRE vai ter uma pessoa querida assim pra te “ajudar” a passar por essa situação, então o que eu tenho pra dizer é: respira fundo e confia no seu relacionamento.

Você já conversou com o seu/sua parceiro(a) a respeito e vocês são os ÚNICOS que sabem do relacionamento de vocês. Não deixe que ninguém possa ditar o que será de vocês agora. As únicas pessoas que vão fazer isso dar certo (ou não) são vocês dois e PONTO FINAL.

 

Ciúmes

Cheguei onde todo mundo queria, né? NÉ!

É inevitável, gente, sinto dizer. Até o ser menos ciumento do universo vai virar a Namorada Sinistra nesse momento.

overly-attached-girlfriend-o

A culpa é da distância, que aumenta tudo na gente: a saudade, a insegurança, o medo de perder. Mas também digo que a culpa será sua se ficar se encanando com qualquer coisa.

Não pense você, que vai ficar no Brasil, que seu boy/sua girl vai ficar entocado em casa nos finais de semana e dias off, porque eles não vão. Eles estão em um país diferente e TAMBÉM querem curtir. E não pense você, que tá viajando, que seu boy/sua girl também não vão querer sair pra se distrair, uma vez que você não está lá para fazerem isso juntos. É uma troca justa, né?

E sim, haverão amigos novos, principalmente quem estiver viajando. E isso faz parte, so sorry, mate.

É claro que é preciso estabelecer certos “limites”. E quando eu digo “limites”, não é impor nem viver em um “relacionamento abusivo”. Vamos chamar isso de bom senso, ok?

“Como assim, Nats?” Bom. Sempre que você for fazer algo e pensar se aquilo vai magoar seu/sua parceiro(a), pense “E se fosse o contrário? Eu me chatearia?”. Sim sim. Sabe aquela frase da nossa mamãe “Não faça aos outros o que você não quer que façam com você?”. Adote e siga com amor e carinho e todos ficarão felizes (e vivos).

 

Confiança

Apesar de esse item estar intrinsecamente ligado ao item acima, resolvi dar um espacinho especial para falar. Isso não é novidade e não é a primeira vez que você ouvir (ler, no caso): Confiança é a base e todo o relacionamento.

medotaylor

Acredito que você conhece com quem está namorando e sabe muito bem o que esperar e o que não esperar do(a) seu/sua parceiro(a). Nesse ponto vocês já conversaram bastante e sabem o que é saudável e o que não é para o relacionamento de vocês, certo? Diz que sim, for Christ Sake.

Vocês passarão por muitas provações e muitos mal-entendidos, e aí entra aquele item do diálogo, lembra? Não interprete nada antes de conversar, não dê espaço para que sua interpretação seja a história real sem antes ouvir o outro lado.

 

Honestidade

Eu poderia ter falado isso tudo no item acima, mas também acho primordial falar sobre isso separadamente. Fale SEMPRE o que sente. Nunca deixe pra falar depois, fale quando der na telha, no momento em que estiver sentindo.

Se estiver inseguro(a) diga. Se estiver com saudade diga. Se estiver com raiva diga. Se estiver triste diga. Se estiver sofrendo diga. Se estiver feliz e quiser compartilhar uma novidade diga. Se estiver confuso diga. Não deixe nada passar.

reallyupset

Se em algum momento do relacionamento um dos dois sentir que não conseguirá mais lidar com a distância por qualquer motivo… Seja por estar desgastado(a), cansado(a) ou até mesmo interessado(a) em outra pessoa, diga.

Se você não ama mais a pessoa com quem está, pelo menos respeite a história e o amor que compartilharam pelo tempo em que estiveram juntos. Seja homem/mulher e fale a verdade. Não magoe quem está à sua espera. Não magoe quem está longe, porque não é justo com ninguém.

 

Bom, acho que o post já virou uma bíblia, então eu deixarei esse assunto em aberto porque ainda falarei sobre diquinhas fofas para manter o relacionamento.

 

O que você acha de namoro a distância? Acha que conseguiria lidar? Deixe suas dúvidas, críticas, mágoas e frustrações aqui! RIRI

New York: Madame Tussauds

Em 07.10.2015   Arquivado em Por aí

Madamee

Quem quer socar a Nats porque ela não postou mais levanta a mão! \o/

A desculpa de que a “vida tá corrida” pode parecer clichê, mas o pior é que é, minha gente. Mas não vou falar algo que vocês já estão cansados de ler, vou mostrar o que de bão eu tenho feito.

Há uma semana fui no Madame Tussauds. Se não sabe o que é, não tem problema, porque a tia Nats conta tudo! É um museu com bonecos de cera com coleção de figuras de celebridades. A sede principal fica em Londres, mas também existem 13 outras filiais em New York, Washington, D.C., Las Vegas, Los Angeles -Hollywood, Berlim, Amesterdam, Hong Kong, Xangai, Blackpool, Sydney, Viena, Banguecoque, Orlando e Tóquio.

O Além do Meu Mundo deu aquela curtida básica no lugar, né. Vamos ver como foi? Se divirtam com as minhas legendas, uma beija.

Atenção, os bonecos são bem reais (pelo menos a maioria deles).

IMG_0108

IMG_0109

Eu e a best da Allie, do blog Lovecats

IMG_0113

É nóis, Pharrel

IMG_0120

Tentando bancar a donzela

IMG_0122 IMG_0123 IMG_0124 IMG_0125

IMG_0127 IMG_0131

A diva Ana, do vlog Agora Virei Gringa e nossa amiga alemã Diana, A.K.A. Kim Kardashian <3

IMG_0134 IMG_0137

Tentando ser amiga da Angelina Jolie

IMG_0147

Seduzindo com o Taylor Lautner

Sem risadinha, Johnny

IMG_0153

Super Vampire Diaries

IMG_0154

Dispensa legenda HAHAHAHA

IMG_0164 IMG_0166 IMG_0171 IMG_0176

Vai, Katniss

IMG_0187

Ai, Fallon. Muito gente boa

IMG_0189 IMG_0190

Pra quem achou que eu estava na pior… Já tenho meu próprio programa, flw vlw

IMG_0198

Nats sendo idiota Nats

IMG_0204 IMG_0205 IMG_0209

Como primeiro ato sendo presidente dos Estados Unidos declaro que não precisa mais de visto, PODE VIR GALERE

IMG_0213 IMG_0216 IMG_0220 IMG_0230 IMG_0236 IMG_0238

A quinta Beatle <3

IMG_0243

Ai, Elvis!

IMG_0250

Me humilhando

IMG_0253 IMG_0256 IMG_0257 IMG_0258 IMG_0260

IMG_0262

<3

IMG_0264 IMG_0265 IMG_0268 IMG_0284

IMG_0270 IMG_0277 IMG_0278 IMG_0288 IMG_0291

PAUSA DRAMÁTICA

IMG_0294

Amor à primeira vista

IMG_0297

Tchau, gente. Casei! Tô indo pra Londres <3

IMG_0307

Sendo Ryca e famosa

IMG_0302

FECHAMOS COM CHAVE DE OURO. Cada coisa que SELENA internet, né, Ana?

Au Pair: Adaptação

Em 22.09.2015   Arquivado em Por aí

Adaptação

Alguém notou que eu dei uma diminuída nos posts sobre au pair? Vocês: Siiim, Nats! Mals aê!

Então, haviam me pedido pra falar sobre o tema antes… Mas eu precisava exatamente de um tempinho para poder escrever sobre isso. Se bem que eu estou aqui apenas há quase três semanas, então não sei o quão eficaz esse post será, mas tudo bem.

thumbsup

Vim falar do primeiro terror de uma Au Pair assim que ela pisa nos States: a adaptação. E sim, tem MUITA coisa relacionada a isso, por isso resolvi listar algumas coisinhas pra vocês se prepararem para se acostumar:

 

“Mi casa es su casa”

Sim. É a primeira coisa mais estranha com a qual você vai ter que se acostumar a partir do momento em que você pisa na casa da sua Host Family. OPS, a partir do momento em que você pisa na sua casa.

amigas

A Host Family vai dizer te falar: “Quero que você se sinta à vontade. Aqui agora é a sua casa. Sei que parece meio óbvio, mas você pode abrir a geladeira e os armários sempre que sentir fome.” Também vão falar: “Tem algo que você goste de comer que você gostaria que a gente comprasse?”. Como se a gente fosse realmente dizer, né?

Pois é. É muito estranho tentar se sentir à vontade, porque é algo que você acaba tentando se forçar a fazer. Mas relaxa, isso vem com o tempo. A primeira vez em que fui abrir a geladeira perto deles eu ainda soltei um “licença”. E sinceramente, o único lugar que me sinto REALMENTE à vontade é no meu quarto e no meu banheiro. Mas sei que aos poucos isso vai mudar.

E minha host family é muito boa pra mim. Acho que isso é primordial! Eles estão sempre preocupados comigo, com o meu bem-estar, sempre me dão espaço pra falar o que eu acho e como eu me sinto.

 

Comida

Já que citei a parte da comida, aí vai! Aqui tem muita diversidade, então você não vai sentir falta de muita coisa, a não ser de coisas específicas da sua região. Mas mesmo assim, é possível encontrar tudo aqui, sem brincadeira.

Mas a parte da diversidade também pode ser um problema pra quem não quer engordar – tipo eu. Eu sinto que já engordei e estou em um drama interno comigo mesma. Já comecei a maneirar, porque senão… Xá pra lá.

comidademi

 

Kids

Acho que essa é a parte mais aterrorizante, porque você, mais do que nunca, vai fazer de TUDO pra que as crianças gostem de você. Vai tentar agradar, vai levar foras, vai acertar, vai errar.

O começo é sempre a pior parte, principalmente porque muitas vezes você não será a primeira au pair deles. Vai haver comparação, vai haver saudade… Então você precisa estar preparada e ser forte.

Meu primeiro afazer quando peguei no batente foi a preparação para ir para a escola pela manhã. Eu não sei o que foi que eu mais me senti: perdida ou inútil.

Worthless

Eu não sabia o que eu tinha que fazer primeiro. Café da manhã? Roupa da escola? Checar mochila? E pra piorar, em vez de eles me pedirem as coisas, pediam aos pais, que estavam correndo se preparando para irem trabalhar. Eu estava desesperada, porque eu fui contratada pra fazer isso. Se eu não estou fazendo, por que diabos me terão em casa?

E eu realmente sentia que não ia rolar, porque os meninos são super tímidos, sabe? Eu achava que eles me ODIAVAM. Mas acontece que uma hora eles VÃO precisar falar com você, então não se preocupe. O elo começa a se formar por necessidade e depois vira até afeição!

Quase morri quando o mais novinho disse que eu era a melhor au pair essa semana.

Strong

Então desencana. Lembre-se que se pra você tudo é novo, para as crianças também é. Imagina o quão difícil é ter que se desapegar de uma au pair e ter que se acostumar com tudo de novo? Ainda mais em se tratando de crianças. Dê tempo ao tempo e não tente forçar situações.

 

Afazeres

Parece que não vai funcionar e que foi a maior furada da sua vida ter inventado ser au pair. Você não sabe lavar roupa. Você não sabe passar roupa. Você não sabe cozinhar. Você não sabe TANTAS COISAS! CALMA LÁ, SOLDADO.

É tudo como um novo emprego. Você vai errar, você vai fazer 300 perguntas repetidas, vai se frustrar, vai querer morrer. Mas não vai morrer. Porque quando você acerta UMA VEZ tudo começa a caminhar.

Primeiro que tudo depende da sua Host Family. Você vai acertar seus afazeres antes de vir, claro. Então você pode se preparar (ou não). Eu, por exemplo, sou uma LÁSTIMA na cozinha.

cozinhando

Mas eu sabia que ia ter que saber cozinhar umas coisinhas e eles sabiam que eu não manjavam. A host mom se comprometeu a me ensinar algumas coisas. Além disso, internet tá aí pra isso, né, gentis? Eu estou aprendendo, já ouvi das kids “isso tá horrível!”. Mas também também ouvi “sua comida está ficando cada vez melhor.” Você tem que se prontificar a aprender e não desistir fácil.

E não se sinta diminuída por ter que fazer algum trabalho doméstico. Aliás, é o mínimo que você pode fazer. Tudo bem que você está sendo paga pra cuidar das kids. Mas não se esqueça que você não está tendo gastos com comida, água, telefone, estadia… Não custa nada lavar uma loucinha ou dar uma varridinha, né? Além do mais, pra mim está sendo sensacional ter que finalmente me virar sem ajuda da mommy all the time.

 

Independência

Essa palavra parece uma música aos nossos ouvidos, né? Mas cuidado. A palavra “responsável” vem junto dessa primeira, principalmente sendo uma au pair.

Você vai poder ir e vir sem ter que dar satisfação. Você vai poder se programar do seu jeito sem ninguém ficar cagando regras (quando o assunto dizer respeito à SUA vida, que fique bem claro). Você vai se ser dona do seu nariz, vai cuidar das suas próprias coisas. Isso inclui roupas, comida, organização do quarto.

Eu não sei vocês, mas eu SUPER adorei isso tudo.

independent

Me sinto muito mais adulta, muito mais tudo. Eu realmente precisava disso.

Bom, mas lembra que eu te disse que você também estará ligada a outro tipo de responsabilidade? Pois é. Na minha casa funciona da seguinte maneira: tudo o que tem a ver com a vida dos meninos me diz respeito. Roupas, alimentação, material escolar, organização do quarto…

Calma, eu não ajo como mãe. Eu cuido das roupas porque é óbvio. A alimentação e o material também. Mas muitas coisas eu apenas me CERTIFICO de que estão sendo feitas, como por exemplo a lição de casa. Ou o banho, ou a organização dos brinquedos. Os meus host parentes sabem bem que o papel de pais deles é fundamental e não me sobrecarregam de forma alguma, o que é maravilhoso. Todo o tempo que eles estão em casa eles se dedicam inteiramente aos meninos, e eu acho isso muito admirável.

Mas mesmo assim, você sentiu o drama? Você será responsável por outras vidas além da sua. Isso é, ao mesmo tempo assustador e incrível.

 

Amizades

Acho que no momento essa tem sido a pior parte pra mim e que ainda estou levando um tempo para realmente me adaptar. Por mais que eu tenha meus amigos no Brasil e que eu fale com eles praticamente TODO DIA, sinto necessidade de ter amigos próximos aqui. É claro que ainda não tive tempo de fazer amigos AMIGOS aqui, né, gente. Amizade não se constroi em um dia.

O problema é que anseio tanto pelo momento de novas amizades (e preferencialmente gringas pra poder usar o inglês), que acaba não rolando. É tipo aquela história de amor, que quanto mais você procura, menor a chance de encontrar.

Quando eu parar de me importar vai rolar.

shailene-woodley-so-rad

Inglês

E falando em inglês… Aconselho vocês virem com um inglês minimamente bom, e não é brincadeira. Eu estudei 6 anos de inglês e ainda tirei o certificado de proficiência da Universidade de Michigan. E mesmo assim eu estou apanhandinho, juro.

No primeiro dia que cheguei aqui e escutei o sotaque nova-iorquino da minha Host Family pensei. “Whatahell eu tô fazendo aqui? Gente, não sei inglês. Tchau América, tô voltando pro meu BR.” Fiquei mega assustada e pensei que não conseguiria lidar.

Felizmente meus ouvidos já estão mais acostumados, e agora eu só apanho quando são coisas muito específicas, tipo utensílios de cozinha e alimentos. Mas essa semana mesmo escutei do meu Host Dad que meu inglês tá bem melhor do que quando cheguei. Isso também tem a ver com o nervosismo. Quando estou fora de casa dou um SHOW falando em inglês, mas em casa tem aquela coisa de “aceitação” e querer falar certo, sabe? Aí já viu. Mas manda a ver e fale sem medo.

E a parte mais engraçada é quando você esquece que não está no Brasil e às vezes a tecla SAP falha, aí você começa a falar em português e ninguém entende o que tá acontecendo. Faço isso sempre, apenas.

chocado2

Bom, acho que esse assunto ainda vai ter MUUUITO pano pra manga, mas por enquanto eu já dei bastante lição de casa pra vocês hoje, né, crianças?

professortiburcio

Continuem acompanhando e mandando suas dúvidas, que tá ficando lindo! <3

Um rolê por New York

Em 08.09.2015   Arquivado em Por aí

DivNYC

Sei que sumi e quando postei só soube falar sobre Au Pair, Au Pair e Au Pair. Me desculpem por isso, mas como muita gente se interessou sobre o assunto e me pediu para escrever, eu o fiz. Sabe como é a democracia, né?

Enfim! Para me desculpar com a galera que queria ler sobre outras coisas, decidi juntar algumas das fotos que tirei aqui em NYC desde que cheguei! Peço desculpas, pois inicialmente não tinha pensado em postá-las aqui, então muitas delas eu tirei na vertical, então meio que ficou zuado. Mas é o que tem pra hoje, então é isso aí!

Vamos ver o que os olhinhos da Nats já viram por aqui? <3

IMG_0982

IMG_1009

IMG_1015

Processed with VSCOcam with a4 preset IMG_0998 IMG_1016

IMG_1025

PS1: Para muitos essa é uma placa comum, mas para mim, no primeiro momento, foi um sobrenome chinês. Até eu parar de ler em português e entender que “Xing” é “Crossing”. Anta.

IMG_1043  IMG_1080

IMG_1085

PS2: Artistas no Subway. Todo dia!

IMG_1087 IMG_1088 IMG_1089 IMG_1094

IMG_1097 IMG_1101 IMG_1102 IMG_1105

IMG_1115 Processed with VSCOcam with c1 preset

PS3: “Spotted: N in New York City! – I know you love me! XOXO GOSSIP GIRL”. Sim <3

IMG_1128 IMG_1129

Processed with VSCOcam with lv03 preset

IMG_1137 IMG_1144

PS4: Reconheceu essa fofura de algum lugar? SIM, é a Ana, do canal Agora Virei Gringa. <3 Pra quem não sabe, vai saber agora que somos amigas de infância da época de escola.

IMG_1157 IMG_1169

Processed with VSCOcam with c1 preset

PS5: E estamos nós turistando na Times Square quando… Giovanna Ewbank <3

IMG_1167

IMG_1173 IMG_1178 IMG_1184 IMG_1185 IMG_1188 IMG_1196 IMG_1198

IMG_1215 IMG_1219 IMG_1223 IMG_1226 Processed with VSCOcam with f2 preset

PS6: Quem se sentiu em “Todo Mundo Odeia o Chris” levanta a mão! Brooklyn <3

Processed with VSCOcam with m3 preset

IMG_1234 IMG_1235 IMG_1240 IMG_1250 IMG_1265 IMG_1269 Processed with VSCOcam with c1 preset

PS7: Comprei pra começar a decorar o meu quartinho *-*

UFA! Enchi todo mundo de foto, né? Estou desculpada agora?

O que acharam das pics? Digo… Dos lugares, porque sei que sou uma PÉSSIMA fotógrafa, ok? -.-

Au Pair: melhorando o application

Em 28.08.2015   Arquivado em Por aí

AuPair

Como o combinado do último post sobre o assunto, hoje vim falar um pouquinho sobre as horas de experiência com kids que devem ser preenchidas, pois sei que isso pode ser um problema para as pessoas que querem participar e esbarram nesse obstáculo por terem pouca experiência (ou nenhuma).

Eu também nunca fui uma babá que recebia por esses serviços, por isso não se preocupem. Isso não é de fato, um problema. Toda experiência “duradoura” com crianças é válida. Se você cuidou dos seus irmãos mais novos, dos primos, dos sobrinhos, já é uma experiência. Eu tive uma experiência mínima com meus vizinhos.

E aumentei isso um pouquinho ao longo do processo com outras kids. Mesmo que você já tenha essas 200 horas, mais experiência nunca é demais, sabe. Até mesmo pra você se conhecer e saber se você realmente combina com esse programa. Sei que já disse isso, mas não custa repetir! Isso aqui não é um intercâmbio comum onde você só estuda e curte a vida. Você estará indo ESPECIALMENTE para trabalhar, e precisa ter afinidade com os seus deveres, gostar de crianças e tudo mais.

gif

“Ah, então quer dizer que você é praticamente a Super Nanny, Natália?”. Não, nem de longe, meu amô. Apesar das poucas experiências que tive, depois é que percebi que eu me dava bem com crianças, sabe? Nunca vi isso como uma qualidade ou um dom especial. E foi realmente bom descobrir isso em mim.

“Tá, tá… Você tá falando que dá pra melhorar o application. Como?”. Simples, caros Watsons. Já ouviram falar em trabalho voluntário?

Sim, é a saída pra tudo, ACREDITEM. Existem muitas creches e escolinhas que aceitam esse tipo de trabalho! Basta você entrar em contato com as que existem nas redondezas de onde você mora e explicar o que você pretende e tudo mais. E LEMBREM-SE de depois solicitar que eles assinem aquele documento do qual eu falei por cima nesse post aqui, porque ele será a prova de que você realmente fez o trabalho voluntário.

Não só você pode buscar escolinhas como já existem ONGs com projetos voltados a atividades com crianças nos quais vocês podem se inscrever! Eu mesma participei da Semana Mundial do Brincar, que aconteceu no Parque Ibirapuera e foi MA-RA-VI-LHO-SO, uma experiência mais do que única!

Aquilo não significou só aumentar horas e fazer bonito pras host families se interessarem por mim, foi um aprendizado interior.

Além desse projeto, existem outros vários como o Massacuca, que entrou em contato comigo recentemente, e é um projeto INCRÍVEL. Inclusive, eles têm conhecimento que muitas meninas precisam desse tipo de ajuda com horas para o processo de au pair, e estão à procura! Por isso, basta entrar em contato, viu?

Sei que muitos esperavam uma receita mágica pra melhorar o application, mas a verdade é que não existe. Essa parada de trabalho voluntário é, como eu disse, a melhor saída. É uma coisa que faz um bem danado não só para o seu application, mas pra você mesma e para as pessoas a quem você se dedica nesse período, então não ignorem essa dica!

Outra coisa que é muito importante é estar aberto(a) a opiniões externas. Pergunte à sua agente sobre seu vídeo e a sua carta, se está realmente bom, se ela sugere alguma alteração e seja RECEPTIVA. Não encare a sugestão como uma crítica destrutiva. Lembrem-se que é trabalho delas orientar e dizer o que é bom e o que não é… Afinal de contas elas entendem do ramo, né não?

Aguentem firme que ainda falarei sobre entrevistas e match!

É nóis! Flw vlw! <3

Au pair: Sobre ficar online e estar no limbo

Em 26.08.2015   Arquivado em Por aí

patience2

Gente, sei que ando sumida, mas estou correndo com as malas! Tá OSSO, porque só tem o essencial e não fechaaa, ACREDITEM.

E sim, mais um post sobre Au Pair, porque embarco essa semana e quero terminar todas as dicas antes disso!

Paciência. Sim, ela é a palavra de ordem de quem anseia por ficar online e estar no limbo até uma host family se interessar.

Eu sou uma pessoa que quer tudo pra ontem, então vocês bem devem imaginar o meu sofrimento em todo esse processo, né? Se não imaginam, não tem problema, porque eu posso contar e dar umas dicas pra TENTAREM não ficar assim. ~perceba que eu disse tentarem, porque é OSSO~.

Verificando meus e-mails, lembro que minha saga para ficar online foi “pequena”, mas não foi. Lembro de ter entregue os documentos em uma semana, como comentei no post sobre a papelada. Não lembro exatamente a data, mas sei que tentei abstrair e não pensar no assunto porque senão surtava. Naquele meio tempo, consegui um freela maluco que preenchia todo o meu tempo, então não conseguia pensar em application, blog ou qualquer outra coisa. Até que um dia eu acabei lembrando e liguei para saber como estava o andamento das coisas, pois já havia se passado uma semana e ninguém da agência tinha me contatado para falar à respeito. Liguei e adivinha? Nada.

E eu sou uma pessoa que é uma ótima cliente, mas se não tenho o que eu quero, infernizo. Infernizo MESMO.

Por isso, comecei o processo de “infernização” dia 17 de abril, fiquei ligando e mandando trezentos e-mails, e só fui ficar online dia 22 de abril, quase mais uma semana depois. Parece pouco, mas as agentes sempre dizem que essa parte do processo é rápida, então isso realmente me incomodou.

AÍ, depois de muito encher os pacová da agência, eu fiquei online…!

Expectativa

gameon

Realidade:

HUMM

EXATO! Nada aconteceu, minha gente. Tenho que confessar que a situação me frustrou MUITO, porque eu esperei que ao menos UMA família fosse entrar em contato logo, sabe? Não imaginei que eu fosse ter um match de primeira, mas toda garota aspirante a au pair quer ver as coisas acontecendo, famílias entrando em contato… Até mesmo pra se preparar, treinar, aprender com os erros. Só que nada disso acontecia.

Aí vocês vão me dizer: “Nats, você é muito impaciente!”. Eu sou, não vou mentir. Mas a coisa toda é o seguinte. Desde que eu fechei com esse programa, entrei em um grupo enorme de au pairs no Facebook. É um espaço maravilhoso, em que meninas e meninos au pairs, ou que estão tentando ser au pairs ou que já foram au pairs dividem muitas experiências, dicas, informações e se ajudam bastante.

Todo dia vinha alguém postando “I HAVE A MATCH”, e todos não veem a hora de chegar o seu dia de falar, claro. E sem brincadeira, eu vi muitas meninas dizendo que ficaram online uma, duas semanas NO MÁXIMO, e tiveram não só umas 5 ou 6 famílias interessadas, como tiveram o match assim, num estalar de dedos.

Então quando duas semanas se passam você começa a se preocupar, é inevitável. E eu, que como bem já informei vocês que sou a louca do Brás, ficava mais preocupada ainda. Sei que é clichê falar, mas além de MUITO ansiosa, sou muito exigente comigo mesma, então eu ficava frustrada tentando entender o que eu tinha de errado pra nenhuma família me querer. E acredite: não é legal.

Todo mundo com família e eu não. Aí tive que lembrar daquela famosa frase da nossa mommy, sabe? “Você não é todo mundo, Natália.” Sim, é bem por aí que a banda toca. É nesse momento que você tem que tentar se desligar um pouco e parar de se comparar, porque cada menina é uma menina e cada processo é um processo. Sei que IT SUCKS pensar dessa maneira, e eu confesso que era MUITO difícil pensar assim.

Fiquei chateada por longas semanas tentando entender o que diabos estava errado, se eu não prestava nem pra cuidar de crianças… Revia minha carta, meu vídeo, pedia opinião das pessoas… E eu não sabia se estavam mesmo sendo sinceras ou não queriam me magoar, mas sempre diziam que estava tudo ÓTIMO, inclusive a minha própria agente. Então imaginem só, eu tava querendo comer o cérebro de todo mundo e me matar. E acreditem, vocês também vão querer. Por isso:

girlsitdown

Se você estuda, se dedique aos estudos. Se você trabalha, se dedique ao trabalho. Se você não estuda nem trabalha, abstraia. Leia livros, assista séries, filmes, faça atividades físicas…! Só não fique com essa história na cabeça porque não vai dar certo. Se você faz parte de algum grupo de au pairs no Facebook, tente não acessá-lo tanto. Não é por inveja, mas sim porque ficar ligada nesse assunto o tempo todo e não ver as coisas acontecerem pra gente machuca. Você fica SIM, se comparando, fica SIM revoltada, e não faz bem, sabe?

Então a diquinha de hoje é: TOMA MARACUJINA, ACALMA A PEPECA E MELHORE SEU APPLICATION!

Pera: melhorar o application? Como? Essa história eu conto no próximo post! <3

Au Pair: papelada

Em 21.08.2015   Arquivado em Por aí

papelada

Sei que estou postando mais sobre au pair do que qualquer outra coisa, mas não me odeiem! Eu quero explicar tudindin do processo antes do meu embarque, por isso pareço a louca do Brás. Mas podem ver que outros conteúdos estão sendo postados normalmente, até porque hoje, FINALMENTE, o freela acabooou! YAY

Bom, continuando o papinho legal sobre au pair que muita gente acabou se interessando e me pedindo, hoje vim falar sobre a parte, que na minha opinião, é a mais chata: a papelada. Sim, acho que vocês vão concordar comigo que a documentação é sempre a parte mais irritante de qualquer processo que seja!

Tive muuuuitas dúvidas, então acho que esse post vai poder esclarecer muita coisa que talvez esteja no processo.

 

1. Escolhendo a agência

book6

Não existe bem um passo pra isso, né. Eu joguei no pai de todos, o querido Google, palavras chaves para encontrar agências que trabalhassem com o programa de au pair. Como eu sou muito ansiosa, queria logo agências localizadas na minha cidade e que eu pudesse infernizar todo mundo na hora que eu quisesse ~aquelas~. Mentira. As duas agências que tinham por aqui e me interessaram foram a CI e STB. E confesso que fiquei bem na dúvida, porque a CI tinha programa de au pair com destino à Holanda ou aos Estados Unidos.

E por mais que meu sonho e objetivo iniciais fosse a Europa, eu acabei optando pela América pelo motivo de: paga bem, que mal tem.

“Af, sério?”. Sério. Sei que quando se pensa em intercâmbio, não se deve pensar só em grana, mas infelizmente eu não vivo em um castelo e eu tenho continhas para pagar quando eu voltar. Além disso, o programa para USA tem as passagens inclusas, o que significa que você não precisa comprá-las, pois a host family é quem arca com esse gasto. Já na Holanda, você é quem paga (ou você pode ser cara de pau e entrar em um consenso com a host Family para que o valor seja dividido).

AH, é mesmo. Depois que decidi isso, faltou decidir a agência. Depois de pesquisar na Internet e ouvir depoimentos de pessoas sobre ambas as agências, acabei escolhendo a STB. Até mesmo pelo atendimento, sabe? Isso conta muito pra mim.

Paguei U$ 500 no programa, o que na época equivalia a R$ 1.130,00. Velhos e bons tempos de dólar…

 

2. Documentos

killmenow

Antes de preencher um application enorme no site (que eu vou explicar logo menos), existem alguns documentos que você vai precisar inicialmente. Vou colocar a listinha do que a MINHA agência solicitou:

 

★ 02 fotos 5×7 sorrindo (bizarro, eu sei);

★ 02 cópias da carteira de motorista (por isso você já deve ter tirado a sua, senão nada feito);

★ 01 original + 01 cópia de um formulário médico (não é qualquer atestado, é um disponibilizado pela agência, e que deverá ser preenchido em inglês);

★ 02 originais + 01 cópia de recomendações de sua experiência com criança (também disponibilizado pela agência);

★ 01 original + 01 cópia de recomendação pessoal (um amigo seu pode preencher);

★ 01 original + 01 cópia de certidão de antecedentes criminais;

★ 01 original + 01 cópia do contrato assinado;

 

Se você for ansioso(a) como a minha pessoa, entregará essa documentação em uma semana. Para a minha sorte, um mês antes eu tinha feito exames de rotina e eles ainda eram válidos (sangue, urina e blablabla). Isso facilitou muito, pois eu só tive de ir até um médico para que ele preenchesse o documento de acordo com meus exames e carteira de vacinação. AH, eu fui espertinha, porque não é todo médico que fala inglês, né? E o documento estava em inglês. Então o que eu fiz? Fiz uma cópia em português para que a minha médica lesse, preenchesse e depois assinasse apenas a versão inglês. ~sou muito smart~

Sobre as recomendações de experiência, CUIDADO. Não encha de mentiras, porque depois vai sobrar. Mas é o seguinte, você precisa ter AO MENOS duas experiências cuidado de crianças e que some PELO MENOS 200 horas. Pode ser por você ter cuidado do seu irmão mais novo, do seu priminho, do vizinho, WHATEVER. Nesse documento você também vai ter que colocar qual era a sua responsabilidade com a criança e tudo mais. E claro, tem que ter a assinatura do responsável.

Caso você não tenha NENHUMA experiência com crianças, não entre em pânico! Pretendo fazer um post exclusivamente sobre esse assunto em breve. Mas é importante ressaltar que sem essas duas experiências mínimas, você não consegue dar procedimento ao seu application, e você terá que completar essas missões pra prosseguir.

 

3. Preenchendo o application

dorkpanaca

Provavelmente a sua agência vai disponibilizar um documento que sirva de guia para o preenchimento, então DON’T WORRY, essa é a parte MAIS TRANQUILA!

Mas é bom que saibam inglês bonitinho, porque vocês terão que responder perguntinhas sobre vocês mesmos e dizer por que você querem ser au pair… Aquelas coisas que parecem de entrevista de emprego, sabe?

 

4. Carta e vídeo

hajapaciencia

HUMPF, essa parte…! A carta foi tranquila, tenho que admitir, porque amo escrever, então consegui me livrar dela muito rapidamente. Falei sobre mim, minha formação, com quem eu moro, meus hobbies, o que eu gosto e o que eu não gosto. É CLARO que escrevendo com aquela emoção pra cativar quem quer que estivesse lendo. Seja sincero(a) não invente nada que não será capaz de provar depois. Além do mais, lembre-se que a apresentação é sobre você mesmo(a), as hosts families querem se identificar com você, então falando a verdade é um bom começo para que no futuro isso não atrapalhe.

Agora o vídeo… Odeio me filmar, odeio aparecer em filmagens. SIM, sou jornalista, mas isso não significa que quero apresentar o Jornal Nacional ao lado do William Bonner, ok? Ok. O problema é que essa bagaça é obrigatória.

A minha sorte é que tenho um amigo que manja de gravação e se dispôs a me ajudar! Usei a parte favorita do meu quarto como cenário, preparei um roteirinho e fui gravando em partes, inserindo fotinhos e tudo mais. Também coloquei uma musiquinha pra não ficar aquela coisa monótona. Acho que o que ajudou foi que eu gravei um momento meu com uma criança próxima a mim, a gente no parque. Apesar de eu ter pego um dia pra gravar aquelas cenas em específico, NADA foi combinado ou ensaiado, eu e a kid nos damos muito bem, e tenho que admitir, ficou LINDO.

Pediram pra eu disponibilizar o meu vídeo, mas eu tenho uma vergonha danada, então decidi apenas printar algumas cenas pra terem uma ideia.

video1 video2 video3

video4

Dica? Vocês vão me bater… Mas again, sejam vocês mesmos. Apesar de vocês também estarem passando por uma seleção pra trabalharem, lembrem-se que vocês também vão conviver com essa host family. Eu fui o mais autêntica possível e tentei mostrar o meu melhor. Sei que parece conselho clichê, mas acho que aqui não tem por que mentir.

Ah, além disso também tem um espacinho pra colocar fotos. Coloque fotos com a sua família, das coisas que você curte fazer, e principalmente com crianças.

Enfim, acho que já escrevi muito, chega!

No próximo post sobre o assunto, vou falar sobre ficar online, o que fazer quando se está no limbo à espera de um match e o como melhorar alguma coisa no seu application.

 

Quem tiver dúvida sobre alguma coisa, manda ver, agora é a hora!

Página 2 de 3123
Translate »