Au Pair: entrevistas com famílias

Em 02.09.2015   Arquivado em Por aí

GENTE, desculpa o sumiço, mas eu não consegui postar tudo antes do meu embarque, como eu queria! E aí, já sabem… Tô na maior correria, fazendo um curso especial que a agência dá e tudo mais!

Sim! Já estou falando da terra do Tio Sam! Logo logo eu postarei sobre tudo! ~Além de fotinhos, claro~.

Mas vamos ao que interessa!

Enquanto tem aquela história toda de ficar online e melhorar o application… Muitas outras coisas podem acontecer ~ou nada~. E é por isso que temos que estar preparados para qualquer situação, certo, soldado?

Pois bem… Um dos momentos mais horripilantes ~e ao mesmo tempo esperados~ é o momento em que uma família finalmente entra em contato para uma entrevista. Afinal de contas, é a possibilidade de uma concretização.

No meu caso, essa “possibilidade de concretização” demorou MUITO. Três meses, pra não ser tão exata. E como isso me revoltava só Deus sabe. Eu estava tão ansiosa por esse momento, que já tinha a lista de perguntas prontas desde o início do PROCESSO, quando comecei a conhecer meninas no grupo de o Facebook e fui pedindo dicas logo de cara. E tava TUDO PRONTO, menos uma p#@$% de uma família.

crymiley

Quando a primeira (e única COF COF) família entrou em contato… Vocês não têm NOÇÃO! Eu estava no escritório do freela que eu estava fazendo, e lá os e-mails pessoais são bloqueados nos computadores por motivo de sigilo de informações que podem vazar. Então eu só conseguia acessar o meu e-mail pelo celular.

É claro que TODOS OS DIAS, e inclusive nesse bendito dia, eu acessava o meu perfil da AuPairCare, e todos os dias eu encarava dois frustrantes números “0” em “Past Interviews” e “Current Interviews”.

Então quando vi um e-mail com o título “Au Pair Interview”… Adivinha quem surtei?

surtando

Queria pular e não podia. Queria gritar e não podia. Queria chorar e não podia. Eu, que sou expressiva e escandalosa, tive que me conter na minha bolhinha de felicidade e abrir o e-mail tranquilamente pelo celular.

Sim, eles se interessaram por mim, e sim, queriam marcar uma entrevista para o dia seguinte no Skype. E até hoje eu agradeço todos os dias pelo fato de as tecnologias não serem capaz de mostrar o nosso estado ao escrever alguma resposta, porque eu tava feito uma babaca consciente respondendo toda feliz, quase morrendo do coração.

Assim que cheguei em casa, já fui caçar a minha lista de perguntas que uma amiguinha do coração havia compartilhado comigo. Além delas, criei mais algumas baseadas no perfil da família que logo ficou disponível pra mim. Tive que cortar uma tonelada, porque pelo número de perguntas que eu tinha, parecia que só eu ia fazer as perguntas. Aí lembrei que eu também ia ser entrevistada.

aaaaa

Sabe o que é essa sensação quando se é uma jornalista e geralmente está no papel de entrevistadora? É aterrorizante, porque eu sei exatamente o tipo de pergunta que pode vir a ser feita a mim, embora não saiba o conteúdo, exatamente. E aquilo me deixou apavorada. Eu queria assistir meu vídeo do application trezentas vezes, decorar as coisas pra que não parecesse que eu tinha mentido em alguma coisa, ou me estudar pra não falar besteira… ALGUÉM JÁ SE ESTUDOU NA VIDA? Pois é, não existe isso.

Sei que tive que me preparar fisicamente e psicologicamente, me maquiei toda pra parecer que não estava maquiada e ficar “fofamente” apresentável, rezei o terço ~isso é sério. Aliás, tudo isso é sério.~, me deu siricutico, borboletas no estômago…

Sabe aquela sensação de entrevista para o primeiro emprego? Sabe aquela sensação de primeiro encontro com o boy magia que você está a fim? Mistura as duas sensações! ERA EXATAMENTE ISSO QUE EU TAVA SENTINDO.

Já havia ouvido das minhas amigas que americanos costumam ser SUPER pontuais, mas não achei que era tão literalmente falando assim. Eles marcaram 21h30 e 21h30 lá estavam eles me ligando no Skype.

Respirei fundo e:

giphy

Gente… Eu tava tão nervosa que meu inglês ficou HORROROSO! Parecia que eu nem sabia falar inglês, não conseguia falar uma frase sem gaguejar. Pensei “PQP, vão pensar que sou um fiasco!”. Mas o casal logo de cara percebeu que era o nervosismo tomando conta de mim, e fizeram de tudo pra me deixar à vontade, e isso logo me encantou.

Logo fui me sentindo à vontade, e eles me deram espaço pra perguntar também, e achei isso bem legal. Mas eles fizeram uma pegadinha comigo, que GENTE, ainda bem que contornei e me saí bem.

Foi o seguinte:

Casal: Vamos supor que você leve nossos dois filhos ao parque. Todos estão felizes brincando animadamente. De repente o mais velho começa a gritar que quer ir embora porque quer ir embora. O que você faz?

Eu: Peço pra ele se acalmar (se ele estiver gritando), e pergunto o que está acontecendo pra ele querer ir embora de repente, já que ele estava contente até então.

Casal: Certo… Mas e se ele dissesse “Não quero falar, não quero falar! Eu quero ir embora!”?

Eu: Bom, aí eu diria que tudo bem, mas quando chegássemos em casa gostaria de conversar e entender o que aconteceu, pois quero que eles confiem em mim e se sintam à vontade pra conversar o que quer que seja comigo.

Casal: Legal! Mas e se na hora de ir embora, o mais novo começasse a pedir para ficar…

Eu: Bom… Falaria para o mais velho que não era justo, pois o irmão mais novo também estava lá e tínhamos que entrar em um acordo. Ficaríamos mais uns cinco minutinhos e iríamos embora.

Casal: Muito bom! Não há, na verdade, respostas certas. Mas perguntamos isso porque essa situação realmente aconteceu, e uns dias antes disso acontecer, descobrimos que o nosso menino mais velho tinha alergia a nozes, e ele ficou muito assustado com isso. Então, no dia do parque ele viu um homem vendendo nozes e ficou com medo de algo acontecer.

Eu: (fiz aquela cara de “me ferrei”, respirei fundo). Ah, mas eu acho que tudo é uma questão de observar as crianças e conhece-las, pois eu garanto que era só olhar no rostinho dele para perceber que aquilo não se tratava de manha, e que com certeza ele estaria super assustado, então acho que eu perceberia!

Casal: Nossa, é um bom ponto a ser avaliado, muito bem observado!

Eu por dentro:

alaricboss

Depois de bastante conversar eles pediram para que marcássemos mais um Skype para o dia seguinte, o que significava um bom sinal, se não eles nem perderiam mais tempo para conversar comigo, né?

Enfim… Focando mais nas perguntas, que é o maior interesse de vocês (eu imagino), eu acabei que não fiz nem METADE das perguntas que eu havia formulado. Uma porque eu não quis parecer inconveniente com tantas perguntas. Outra porque o perfil deles estava muito bem explicadinho, e as perguntas que eu tinha podiam ser feitas depois, CASO eu fosse escolhida, pois eram bem específicas já. Por isso, vou deixar disponível um arquivo com as perguntas, mas acho legal que além delas, vocês formulem outras a partir do perfil das famílias. Isso mostra que vocês foram atentos ao que eles escreveram e tudo mais.

Se tiver algum errinho de gramática em inglês, vocês IGNOREM, ok? Ok!

PDF – QUESTIONS

Alguma duvidazinha? Hein, hein?

AH, o próximo post será sobre o quê, o quê, o quê? O esperado MATCH, sim senhores e senhoras! 🙂

  • Au Pair: Match ❤ ◂ Além do meu mundo

    Em 02.09.2015

    […] Como contei no último post sobre o assunto de entrevistas, conversei com eles no dia seguinte (quinta-feira). Tudo foi bem legal e eles pediram pra conversar […]

  • Allie

    Em 02.09.2015

    Ai meu core, que saudade, Natssss! <3

    E esse foi o melhor post, hahahaha. "Me maquiar para parecer que não estava maquiada", só você mesmo <3

    Adorei saber sobre as perguntas e mais detalhes da entrevista, imagino como você deve ter ficado nervosa, mas eles parecem ser uns fofos mesmo!

    Esperando por mais posts e POR UM SINAL DE VIDA NO FACEBOOK, OBG DE NADA.

    HAHAHAHA, não some, menina <3

  • Beleza Feminina

    Em 02.09.2015

    Acabei encontrando seu blog através de uma pesquisa Google, mas adorei a troca e experiência. Parabéns pelo post!

  • Au Pair: O que NÃO fazer nas entrevistas ◂ Além do meu mundo

    Em 02.09.2015

    […] no site da agência e com host families no seu perfil! Tudo o que precisa agora é pegar aquela listinha com as perguntinhas que a Nats disponibilizou no Além do meu Mundo e… E […]

Translate »