Sempre Quase

Em 01.05.2015   Arquivado em Crônicas

 

SempreQuase2

Você disse que seríamos o que quiséssemos. Então segui o meu caminho por aquela viela úmida, em busca do que eu queria ser. Mesmo que eu não soubesse de fato o que eu queria. A garoa era fraca, mas não deixava de fazer o seu trabalho de molhar o asfalto.

A única coisa que eu sabia era que eu não queria um tempo. Essa história de “dar um tempo” é apenas uma desculpa. Uma maneira de fazer com que os dois se acostumem com o fato de que não estarão mais juntos.

Saí andando por entre aquela multidão de pessoas que passam apressadas todos os dias pelas ruas e que acabam se tornando minúsculas diante do grande fluxo de vidas que por ali passam.

Me senti sufocada naquela maré de gente pela qual eu tentava passar. O ritmo caótico nunca foi o meu preferido. O caos faz com que as pessoas deixem de perceber umas as outras mesmo que elas estejam próximas. A sensação de parecer sozinha em meio a tantas pessoas fez a minha garganta prender um soluço.

Você disse que jamais me sentiria sozinha. Que estaria sempre aqui para me amparar. E por que só o que eu sinto agora é um vazio que domina cada terminação nervosa do meu corpo?

Olhei pra cima quando senti os pingos de chuva engrossarem. Senti meu cabelo grudar na pele enquanto a água do céu se encarregava de tocar o meu rosto e me dar boas-vindas. Fiquei ali enquanto percebia que as pessoas ao meu redor começavam a se abrigar abaixo de algum guarda-chuva.

Você disse que não importa o quão forte é a chuva, pois o sol sempre vem. Então por que sinto que só que o verei agora é o mesmo céu cinza que me encara? Por que sinto que a chuva será como uma melhor amiga que derrama lágrimas comigo?

Parei de olhar pra cima quando alguém trombou no meu ombro na pressa de passar por mim.

“Por que não sai do caminho?”, murmurou. Porque não sei qual é o meu caminho, minha mente respondeu.

Você disse que caminharíamos juntos, lado a lado. Mas olho para o lado e você já não está. Mordo o lábio tentando lembrar em que momento fomos para lados opostos. Mas não consigo me lembrar.

Você disse que era pra sempre. Mesmo que o “sempre” não existisse.  Mesmo que não houvesse mais estrelas. Mesmo que as estações não existissem. Mesmo que o azul do céu não se fundisse mais com azul do mar no horizonte e não nos desse mais aquela sensação de sermos infinitos.

Mas as estrelas continuam no céu. As estações ainda existem. O azul do céu continua sendo o mesmo azul do mar, fazendo-me infinita todos os dias e todas as noites. Você é o único que não cumpriu a promessa quando disse “pra sempre”. Como sempre.

  • Eliziane Dias

    Em 01.05.2015

    Oi, Natália! Que perfeito! Muito lindo sua crônica. Parabéns pelo talento!

  • Dani Pereira

    Em 01.05.2015

    Que crônica linda! Por mais que seja um tema triste, continua perfeito <3

  • Julliana

    Em 01.05.2015

    Adorei! Muito linda e bem escrita, parabéns! Ah, e parabéns pelo blog também, me encantei hehe. Já estou seguindo.

    Bjs

  • Allie Próvier

    Em 01.05.2015

    "O azul do céu continua sendo o mesmo azul do mar, fazendo-me infinita todos os dias e todas as noites."
    Que crônica linda <3
    Eu já tive uma experiência parecida, e realmente, é dilacerante. Tempos são quase piores do que términos. Amei, amei, amei <3

  • Vanguedes

    Em 01.05.2015

    Linda crônica.

    É triste quando esperamos algo em troca e recebemos esse desprezo. É triste que não possamos confiar nas nossas próprias certezas, porque esse tipo de coisa não depende de nós, depende só da outra pessoa.

    Adorei o texto. Parabéns.

  • Denise

    Em 01.05.2015

    Amei demaais, sabe quando você se ve em uma crônica? pois é, quase deu pra sentir a chuva daqui haha adorei ❤️ parabens

Translate »