Posts de Natália Petrosky

Au Pair: papelada

Em 21.08.2015   Arquivado em Por aí

papelada

Sei que estou postando mais sobre au pair do que qualquer outra coisa, mas não me odeiem! Eu quero explicar tudindin do processo antes do meu embarque, por isso pareço a louca do Brás. Mas podem ver que outros conteúdos estão sendo postados normalmente, até porque hoje, FINALMENTE, o freela acabooou! YAY

Bom, continuando o papinho legal sobre au pair que muita gente acabou se interessando e me pedindo, hoje vim falar sobre a parte, que na minha opinião, é a mais chata: a papelada. Sim, acho que vocês vão concordar comigo que a documentação é sempre a parte mais irritante de qualquer processo que seja!

Tive muuuuitas dúvidas, então acho que esse post vai poder esclarecer muita coisa que talvez esteja no processo.

 

1. Escolhendo a agência

book6

Não existe bem um passo pra isso, né. Eu joguei no pai de todos, o querido Google, palavras chaves para encontrar agências que trabalhassem com o programa de au pair. Como eu sou muito ansiosa, queria logo agências localizadas na minha cidade e que eu pudesse infernizar todo mundo na hora que eu quisesse ~aquelas~. Mentira. As duas agências que tinham por aqui e me interessaram foram a CI e STB. E confesso que fiquei bem na dúvida, porque a CI tinha programa de au pair com destino à Holanda ou aos Estados Unidos.

E por mais que meu sonho e objetivo iniciais fosse a Europa, eu acabei optando pela América pelo motivo de: paga bem, que mal tem.

“Af, sério?”. Sério. Sei que quando se pensa em intercâmbio, não se deve pensar só em grana, mas infelizmente eu não vivo em um castelo e eu tenho continhas para pagar quando eu voltar. Além disso, o programa para USA tem as passagens inclusas, o que significa que você não precisa comprá-las, pois a host family é quem arca com esse gasto. Já na Holanda, você é quem paga (ou você pode ser cara de pau e entrar em um consenso com a host Family para que o valor seja dividido).

AH, é mesmo. Depois que decidi isso, faltou decidir a agência. Depois de pesquisar na Internet e ouvir depoimentos de pessoas sobre ambas as agências, acabei escolhendo a STB. Até mesmo pelo atendimento, sabe? Isso conta muito pra mim.

Paguei U$ 500 no programa, o que na época equivalia a R$ 1.130,00. Velhos e bons tempos de dólar…

 

2. Documentos

killmenow

Antes de preencher um application enorme no site (que eu vou explicar logo menos), existem alguns documentos que você vai precisar inicialmente. Vou colocar a listinha do que a MINHA agência solicitou:

 

★ 02 fotos 5×7 sorrindo (bizarro, eu sei);

★ 02 cópias da carteira de motorista (por isso você já deve ter tirado a sua, senão nada feito);

★ 01 original + 01 cópia de um formulário médico (não é qualquer atestado, é um disponibilizado pela agência, e que deverá ser preenchido em inglês);

★ 02 originais + 01 cópia de recomendações de sua experiência com criança (também disponibilizado pela agência);

★ 01 original + 01 cópia de recomendação pessoal (um amigo seu pode preencher);

★ 01 original + 01 cópia de certidão de antecedentes criminais;

★ 01 original + 01 cópia do contrato assinado;

 

Se você for ansioso(a) como a minha pessoa, entregará essa documentação em uma semana. Para a minha sorte, um mês antes eu tinha feito exames de rotina e eles ainda eram válidos (sangue, urina e blablabla). Isso facilitou muito, pois eu só tive de ir até um médico para que ele preenchesse o documento de acordo com meus exames e carteira de vacinação. AH, eu fui espertinha, porque não é todo médico que fala inglês, né? E o documento estava em inglês. Então o que eu fiz? Fiz uma cópia em português para que a minha médica lesse, preenchesse e depois assinasse apenas a versão inglês. ~sou muito smart~

Sobre as recomendações de experiência, CUIDADO. Não encha de mentiras, porque depois vai sobrar. Mas é o seguinte, você precisa ter AO MENOS duas experiências cuidado de crianças e que some PELO MENOS 200 horas. Pode ser por você ter cuidado do seu irmão mais novo, do seu priminho, do vizinho, WHATEVER. Nesse documento você também vai ter que colocar qual era a sua responsabilidade com a criança e tudo mais. E claro, tem que ter a assinatura do responsável.

Caso você não tenha NENHUMA experiência com crianças, não entre em pânico! Pretendo fazer um post exclusivamente sobre esse assunto em breve. Mas é importante ressaltar que sem essas duas experiências mínimas, você não consegue dar procedimento ao seu application, e você terá que completar essas missões pra prosseguir.

 

3. Preenchendo o application

dorkpanaca

Provavelmente a sua agência vai disponibilizar um documento que sirva de guia para o preenchimento, então DON’T WORRY, essa é a parte MAIS TRANQUILA!

Mas é bom que saibam inglês bonitinho, porque vocês terão que responder perguntinhas sobre vocês mesmos e dizer por que você querem ser au pair… Aquelas coisas que parecem de entrevista de emprego, sabe?

 

4. Carta e vídeo

hajapaciencia

HUMPF, essa parte…! A carta foi tranquila, tenho que admitir, porque amo escrever, então consegui me livrar dela muito rapidamente. Falei sobre mim, minha formação, com quem eu moro, meus hobbies, o que eu gosto e o que eu não gosto. É CLARO que escrevendo com aquela emoção pra cativar quem quer que estivesse lendo. Seja sincero(a) não invente nada que não será capaz de provar depois. Além do mais, lembre-se que a apresentação é sobre você mesmo(a), as hosts families querem se identificar com você, então falando a verdade é um bom começo para que no futuro isso não atrapalhe.

Agora o vídeo… Odeio me filmar, odeio aparecer em filmagens. SIM, sou jornalista, mas isso não significa que quero apresentar o Jornal Nacional ao lado do William Bonner, ok? Ok. O problema é que essa bagaça é obrigatória.

A minha sorte é que tenho um amigo que manja de gravação e se dispôs a me ajudar! Usei a parte favorita do meu quarto como cenário, preparei um roteirinho e fui gravando em partes, inserindo fotinhos e tudo mais. Também coloquei uma musiquinha pra não ficar aquela coisa monótona. Acho que o que ajudou foi que eu gravei um momento meu com uma criança próxima a mim, a gente no parque. Apesar de eu ter pego um dia pra gravar aquelas cenas em específico, NADA foi combinado ou ensaiado, eu e a kid nos damos muito bem, e tenho que admitir, ficou LINDO.

Pediram pra eu disponibilizar o meu vídeo, mas eu tenho uma vergonha danada, então decidi apenas printar algumas cenas pra terem uma ideia.

video1 video2 video3

video4

Dica? Vocês vão me bater… Mas again, sejam vocês mesmos. Apesar de vocês também estarem passando por uma seleção pra trabalharem, lembrem-se que vocês também vão conviver com essa host family. Eu fui o mais autêntica possível e tentei mostrar o meu melhor. Sei que parece conselho clichê, mas acho que aqui não tem por que mentir.

Ah, além disso também tem um espacinho pra colocar fotos. Coloque fotos com a sua família, das coisas que você curte fazer, e principalmente com crianças.

Enfim, acho que já escrevi muito, chega!

No próximo post sobre o assunto, vou falar sobre ficar online, o que fazer quando se está no limbo à espera de um match e o como melhorar alguma coisa no seu application.

 

Quem tiver dúvida sobre alguma coisa, manda ver, agora é a hora!

Memórias mundanas

Em 20.08.2015   Arquivado em Crônicas

MemóriasMundanas

Skinny Love – Birdy

Ainda sinto o cheiro de canela emanar do meu travesseiro toda vez que afundo o meu rosto nele. Ainda consigo encontrar o seu olhar toda vez que me escondo debaixo do edredom, como costumávamos fazer de madrugada, com uma lanterna. Ainda lembro do som da sua risada, toda vez que eu fazia uma piada, mesmo quando ela era sem graça. E ela sempre era.

Lembro como você ficava irritada toda vez que eu tentava contar as sardas do seu rosto e acabava perdido nas próprias contas. Ou de como as minhas covas das bochechas apareciam tímidas quando você passava a ponta dos meus dedos sobre elas e me fazia sentir cócegas. Ainda lembro de como você enrugava o nariz e torcia a boca quando algo não lhe agradava.

Ainda guardo na memória como você ficava linda com aquele jeans surrado. E o barulho que aquele seu par de All Star branco encardido fazia no assoalho da minha casa. De como eu me escondia toda vez que eu a escutava subir as escadas para lhe dar um susto. Mas no final, era sempre eu que me assustava.
Sinto saudades de como nossas risadas combinavam. De como sua mão cabia dentro da minha. Sinto saudades de quando você praguejava porque eu encostava meus pés gelados nos seus para me esquentar. E de como você sempre se dava por vencida.

Funcionávamos tão bem juntos! Era como se você tivesse sido feita sob medida pra mim. Sim, era você quem havia sido feita pra mim, e não o contrário. Você sempre dizia isso, lembra? Porque eu sou três anos mais velho. Porque quando veio ao mundo, eu já estava nele. Portanto, você nunca havia vivido num mundo em que eu não estivesse antes. E por causa disso, parece que você se achou no direito de me fazer viver num mundo sem você.
Num momento eu tinha tudo! E agora… Não existe mais canela, nem olhares, nem lanterna, nem risada, nem piada. Não existem sardas ou covinhas. Nem rugas no nariz ou boca torta. Que dirá o jeans surrado e o barulho do All Star no meu assoalho! Não existe mais sua mão dentro da minha, nem o calor pra me esquentar. Porque você deixou o meu mundo. E não me levou com você.

Au pair: o começo

Em 18.08.2015   Arquivado em Por aí

AuPair - o começo

Muito bem, depois do meu post sobre a novidade do meu intercâmbio como au pair em NYC, eu obtive bastante pedidos e solicitações pra escrever mais sobre não só a minha experiência (que ainda nem começou), como também todo o processo pelo qual eu passei até o meu bendito match (quando você finalmente fecha com a família).

Se você não faz a menor ideia do que eu tô falando, dá uma de egípcia e acessa esse post aqui.

Então… Resolvi começar pelo começo, porque tudo tem um começo, não é mesmo?

Bom, acho que como 99,9% dos jovens, eu queria passar pela oportunidade de um intercâmbio, e esse sempre foi o meu sonho desde os meus 12 anos de idade. Porém, no entanto, todavia, nós sabemos que fazer intercâmbio não é NADA barato e meus pais não tinham condição para me bancar fora do país.

Pois bem, os anos passaram e em 2014 eu me formei em jornalismo! O contrato do meu estágio acabou e…!

atenção

Exato, nada estava funcionando. Sem emprego, sem perspectiva… E a frustração crescendo dentro de mim. Eu passei de uma estudante universitária para uma desempregada, e quando se está desempregada você tem bastante tempo para pensar. E quando você pensa demais, se frustra demais, né? Né.

Comecei a repensar a minha vida e aquela ideia de intercâmbio finalmente voltou à minha mente. Mas como fazer um intercâmbio sem uma Dilma no bolso? Exatamente. Aí comecei a caçar as coisas nas internet, o nosso melhor amigo nessas horas. E paralelamente comecei a falar com algumas amigas que estão fora do país. E foi aí que a luz na minha vida chegou quando eu cogitei em ser au pair.

paixoniteron

Depois de pesquisar bastante, decidi que essa seria a saída para eu realizar o meu sonho. Mas antes é MUITO importante pesquisar, gente. Leia o quanto puder sobre o assunto, porque tem muita gente que acha que a coisa vai ser só Party Rock Anthem and pussies on the floor. E não é. É um trabalho com extensão para estudos. Então é importante saber se você tem intimidade com o que é proposto. Você está indo para cuidar de crianças. Você pode? Você quer? Está disposto? Se a resposta for realmente sim, então você pode prosseguir.

Eu nunca fui de ser aquela louca por crianças, de ficar correndo e perseguindo qualquer uma que eu visse, mas sempre curti e tive facilidade com esses serezinhos. Mas assim… TEM QUE TER UM POUQUINHO DE EXPERIÊNCIA, e jájá eu vou explicar o por quê.

KID

Enfim! Inicialmente eu queria ir para a Europa, e tentei encontrar uma família sem agência. Para quem não sabe, existem sites que você pode, sem auxílio nenhum, montar o seu perfil e procurar famílias, aí você mesmo resolve tudindinho com eles. Porém, eu fui encontrando várias dúvidas e obstáculos, porque o único país da Europa que poderia me receber era a Holanda. A Inglaterra e a Irlanda não permitem au pairs brasileiras. Todas as outras nacionalidades podem, menos brasileiras. Por quê? BOA PERGUNTA. E a Inglaterra era a minha primeiríssima opção, ÓBVIO. Há meninas que vão na cara e na coragem, e não há nada demais. Mas se dá M* já viu, né? E como eu sou uma pessoa propensa a me f*, decidi não arriscar.

Decidi tentar Holanda, Alemanha, França… O problema é que esses dois últimos países, pra você entrar no país, precisa AO MENOS falar o básico da língua, e eu, óbvio, só sei falar Volkswagen e Carrefour nessas línguas. Ou seja… Fuén!

patience3

Depois de várias portadas na cara e insistência dos meus pais, que estavam morrendo de medo de eu cair numa família furada e me ferrar de verde e amarelo em outro país, decidi ir atrás de uma agência.

Escolhi a STB, que trabalha conveniada com a AuPairCare lá fora. Nesta agência só dá pra ir pros States, mas a CI tem a opção da Holanda. Pensei MUITO à respeito, mas decidi USA porque ganha mais e eu tô precisando. Mas acabou que fiquei muito animada com a ideia!

Quando cheguei na STB já cheguei sentando, com medo do preço do programa. Como eu disse no começo do post, eu não tô lá muito ryca… E acabei me impressionando com o valor. Parecia um sinal de que era a coisa certa a se fazer. Eu paguei 500 dólares, o que na época equivalia a R$ 1.300 e pouquinho, graças ao bom Deus. Pra quem não sabe, o programa de au pair é o mais em conta que tem!

Entonces. Nesse mesmo dia, a sua agente já pergunta se você fala inglês. Sim, você tem que saber AO MENOS se comunicar. Lembre-se que você está indo pra cuidar de crianças. Se às vezes é difícil de entender uma criança de 3 anos brasileira falando, IMAGINA entender uma criança de mesma idade em INGLÊS. É DOSE. E nem adianta querer dar uma de espertinha e falar que sabe se você não souber, porque depois você vai ter que fazer uma provinha oral de conversação.

Outra duas coisas MUITO importantes que são primordiais pra você conseguir entrar no programa são: ter experiência de pelo menos 200 horas com crianças e já possuir carteira de motorista.

Exatamente. Cuidando de crianças como babá, ou dos irmãos, dos primos, qualquer criança no UNIVERSO! E você vai ter que provar isso igualmente.

Bom! A partir daí, vem a papelada! Mas essa parte eu vou deixar para o próximo post, pessoar!

E aí, alguma dúvida até aqui?

Resenha: Eu, Christiane F., 13 anos, Drogada, Prostituída…

Em 17.08.2015   Arquivado em Livros

ChristianeF

Como boa jornalista que sou, tenho que fazer jus à profissão e lhes trazer algumas obras literárias verídicas escritas por jornalistas, né gente?

E eu não poderia fazer isso sem começar com Eu, Christiane F., 13 anos, Drogada, Prostituída…, a obra com o teor mais pesado que já li. Porém, acho que ninguém deve temer esse livro, pois ele é reflexo de uma história real que acontece todos os dias pelas ruas do mundo todo.

O livro traz depoimentos factuais de Christiane F. recolhidos pelos jornalistas Kai Hermann e Horst Rieck durante o tribunal da infância e da juventude. Os dois jornalistas que escreviam para a revista alemã Stern ficaram chocados com o depoimento da garota sobre a realidade dos jovens de Berlim viciados em drogas, que dedicaram dois meses de entrevistas que resultaram no livro.

Os infortúnios de Christiane começam quando ela passa a ter contato com maconha e outros entorpecentes no grupo de jovens ao qual frequentava, aos 11 anos. Depois ficou fascinada pela discoteca mais badalada da Europa, a Sound, ao qual passou a ir sempre. Lá ela descobriu a heroína. Inicialmente ela se recusa a experimentar, mas uma vez que ela se arrisca… Não tem mais volta. Se torna mais uma viciada em Berlim que, para sustentar o vício, passa a se prostituir.

A obra mostra a linha tênue que existe entre uma criança e as desgraças do mundo. Por meio de depoimentos de Christiane, e até mesmo de depoimentos da mãe dela, você acompanha a trajetória de uma pré-adolescente que se muda do interior para a famosa cidade de Berlim junto com sua família, que começa a se desestruturar deste momento em diante. Você acompanha os dramas dela a fundo, começa a torcer para ela de uma forma que nem mesmo você acredita, porque infelizmente é uma história real, e não há nada que possa mudá-la.

Você conhece amigos de Christiane que viveram, morreram desapareceram e nunca mais se ouviu falar… Acompanha um show do David Bowe… Acompanha as tentativas e fracassos da garota para se curar em reabilitações… Enfim. É um retrato real e fiel. Uma história triste com uma boa lição.

christianefgiveup

Acho que esse livro ainda deveria ser material solicitado nas escolas, pois é a melhor maneira de aproximar as pessoas da verdadeira realidade que cerca o mundo das drogas e entendê-las do pior jeito possível: com uma história real.
Ah, a edição que eu li é da foto ali de cima, como vocês bem podem ver. Eu indico que vocês tentem consegui-la, pois esta edição traz fotos da Christiane na época em que ela vivencia tudo aquilo, e eu achei bem legal, uma coisa melhor documentada.
E pra quem não sabe, a Christiane F. continua vivinha da silva (não sei como, mas está) e escreveu uma autobiografia dela sobre o “depois” desse primeiro livro. E eu realmente mal posso esperar para lê-lo e contar para vocês!

Créditos foto: http://anacaroamaral.com.br/?s=christiane+f

Créditos foto: http://anacaroamaral.com.br/?s=christiane+f

E pra quem ficou interessado nessa história super bem contada, e como eu, sempre fica pesquisando tudo o que puder sobre o assunto, livro, personagens… Tem um filme de 1981 baseado na obra dos jornalistas alemães! E sim, é um filme alemão! Eu gostei bastante e super indico!

Adorei a maneira como a Christiane e os seus amigos são retratados. Parece que a história ganha mais cor quando você finalmente pode conhecer, através do filme, os lugares citados pela biografada.

christianefamigos

Dá uma conferida no trailer, benhê! É um filme antiguinho, mas vale MUITO a pena.

Bom, é isso, babies! Depois que fizerem a lição de casa, venham me contar! <3

PDF – Eu, Christiane F., 13 Anos, Dro – Kai Hermann

Além do Meu Mundo na terra do Obama!

Em 14.08.2015   Arquivado em Por aí

world

Tenho explicações a dar! Sei que tenho faltado muito com meus leitores amadinhos, sabem que odeio ficar sem posar, mas agora eu finalmente posso contar pra vocês o motivo desse sumiço repentino.

Pra quem acompanha o blog já sabe que o motivo inicial foi um freela que eu peguei (e no qual eu ainda estou trabalhando). Esse trabalho temporário toma muuuuito do meu tempo, e tem sido super difícil conciliar tudo, então sim, peço desculpas mais uma vez, porque talvez isso se estenda até a próxima semana, depois tudo volta ao normal e vocês vão ter que voltar a me engoliiiiir!

Agora voltando ao segundo motivo! Assim que consegui o freela, dois dias depois tudo virou de cabeça pra baixo e eu finalmente tive a confirmação de que vou poder fazer meu intercâmbio, gentxeeee! Vocês conseguem imaginar o quanto estou feliz? Esse é um sonho que eu tenho deeeesde pequenininha, se estendeu à minha pré-adolescência e adolescência e perdura até hoje, mas eu nunca havia tido a oportunidade de realizá-lo porque essa parada custa MUITO dinheiro, né.

“E o que aconteceu, Nats? Agora você ganha dinheiro com o blog e está muitíssimo ryca? Tá esfregando na cara do proletariado?”. Nem é, mané.

O que acontece é que há três meses estava em um processo para tentar ser au pair na terra do Sr. Obama. “Au o quê?!”

tane

Calma, calma, não priemos cânico! A expressão au pair, vem do francês significa “ao par” ou “igual” e tem sua origem na ideia intercâmbio econômico entre serviços trocados. Isso significa que eu irei morar na casa de uma família americana, tornando-me parte dela, e participarei de todas as rotinas e atividades da casa enquanto cuido das crianças.

“AHHH, você vai ser babysitter!”. Não, não serei babysitter!

O serviço de au pair é um programa econômico de intercâmbio cultural que dura em média de um a dois anos, voltado em geral para jovens mulheres entre 18 e 30 anos. (Mas há vagas para homens também). Babysitter é realmente uma funcionária doméstica contratada num regime de horas, como no Brasil. Além disso, ela não tem vínculos empregatícios com a família, recebendo assim o pagamento pelas horas trabalhadas.

Enfim! Fiquei três meses online à procura de uma família, e finalmente, no finalzinho de julho, eu encontrei! *-*
Porém, no entanto, todavia, a família quer que eu chegue nos US no começo de setembro. Isso significa que eu estou fuckin freakin out, correndo contra o tempo, organizando as coisas, matando saudade, correndo com papeladas… Imagina tudo isso mais o tal freela que eu falei que me consome muito? POIS É!

ahhhhhh

Ah! Agora vem a parte maneira, galere. Sabem onde eu vou morar? Uma dica:

giphy

SIM, NEW YORK CITYYYYYYYYYYY! Parece um sonho, sério, tô acreditando ainda não! E depois de escrever essa bíblia, finalmente vou poder contar a novidade que eu tanto fiz mistério! Vai ter diário de bordo sobre o intercâmbio, SIIIIM! Tudo na categoria “Por Aí”! E se reclamar vai ter fotos também! (mentira, nem precisa reclamar, porque já ia ter fotos, mesmo…).

E aí, gostaram? Eu gostei, e gostei muito! O Além do Meu Mundo vai virar além do meu mundo MESMO! Vão me acompanhar nessa aventura? Sigam me os bons, pois eu vou contar cada capítulo dessa minha história que vai me render muitas novidades, além de assuntos e crônicas!

AHHH, alguém aí ficou interessado em saber mais sobre esse negócio de au pair? Se sim, manda sinal de fumaça, e eu farei posts especiais falando TUDO sobre processo, application, espera, entrevistas, papeladas, preparativos…!

TAG: Os melhores personagens #3

Em 12.08.2015   Arquivado em Na tela

hanna4

Enquanto não posso contar a novidade que tá pra chegar no blog ~bitch feelings~, resolvi reviver a tag Os melhores personagens e falar de uma das minhas personagens favoritas! Ela divide o protagonismo com mais três atrizes, e isso é um desafio e tanto, mas ela acaba tirando de letra, além de trazer ritmo e leveza pra trama que conta com muitos momentos de tensão e mistério. E ela faz tudo sem sair do salto alto! Estou falando da nossa diva Hanna Marin, de Pretty Little Liars! <3

Hanna é a típica patricinha do ensino médio, mas diferente daquelas que estamos acostumadas a ver nos filmes, ela tem um coração giganteeeesco e cheio de amor pra dar. A cabecinha dela é tão ocupada com compras que ela é um pouquinho desprovida de cultura útil e ela acaba fazendo uns comentários desnecessários que nos arrancam altas gargalhadas, mas não desaponta a gente na hora de desvendar as pistas.

Além disso, não podemos ignorar como ela e o Caleb são PERFEITOS, juntos, né? Apesar de eu ser mais #Ezria, não posso ser hipócrita. O querido esteve ao lado da Hanna desde o comecinho e ajuda as meninas com os seus conhecimentos de hacker. Quase morri do coração quando ele “saiu” da série por causa do spin off de Pretty Little Liars, Ravenswood. Aí a série foi um fiasco e ele acabou voltando e tudo ganhou cor de novo <3

haleb

Agora, quer ver por que ela merece sua atenção de agora em diante? 🙂

1. Ela sabe como definir o caráter de uma pessoa

hanna1

2. É dramática no “ponto”

hanna4

3. É super transparente

hanna6

4. Suas conclusões são sempre as melhores

hanna7

5. E os comentários são sempre tão inocentes que nem dá pra ficar brava com ela

hanna2

6. Ela acredita que todos merecem uma segunda chance

hanna11

7. Não gosta de julgamentos

hanna12

8. Tem os melhores porres

hanna8

9. Sabe enfrentar azinimiga

hanna14

10. E se torna uma pessoa extremamente corajosa quando está brava ou precisa defender quem ama

weheardyoubitch

Uma fofa, né gentxe? *-* Que cês acham?

hanna13

Uma carta ao meu super-herói

Em 09.08.2015   Arquivado em Off topic

Daddy

Daddy,

Sei que você não é muito de falar. A mommy diz que é coisa de criação, então com o tempo aprendi que seu jeito de falar não é exatamente falando. É fazendo.

Por isso gostaria que você soubesse o quanto eu reconheço e agradeço todo o seu esforço e a sua fé para me educar e sempre me dar o melhor. Por nunca deixar de me apoiar e acreditar no meu potencial.

Se hoje eu tenho 22 anos e já sou formada, é graças a você. Se estou prestes a realizar mais um sonho, também é graças a você. Aliás, graças a você e a mommy. que sempre me ensinaram a correr atrás dos meus sonhos sem pisar em ninguém. Que me deram a chance de compartilhar meus planos e minhas ideias. Que sempre ouviram o que eu tinha a dizer. Pra mim você não é só uma figura de respeito e autoridade. É também o meu melhor amigo, a minha inspiração.

Sei que também não sou muito de falar, embora acredito que você tenha notado o quanto eu venho me esforçando e encontrando oportunidades para te abraçar e dizer o quanto te amo. É porque não quero que você tenha dúvidas do que representa na minha vida.

Eu tenho 22 anos e você SEMPRE continuará sendo o meu super-herói. Admiro sua fé que nunca se abala; admiro sua força de vontade de ainda se levantar todos os dias para trabalhar; sua sutileza e sensatez para falar o que precisa ser dito.

Aprendi e ainda aprendo muito com você todos os dias, Bino. E se um dia eu puder me tornar pelo menos 1/3 do que você é já me darei satisfeita.

Tudo isso para dizer: FELIZ DIA DOS PAIS!

TE AMO ❤

O poder dos cabelos de fogo

Em 07.08.2015   Arquivado em Inspiração

cabelosdefogo2

Resolvi vir nessa sexta com a tendência mais amor e que é a minha paixão desde sempre!

Quem pensa que é só o loiro que transmite aquela ideia de força e sensualidade está muitíssimo enganado! Inclusive, o bonito agora é ser ruivo (a), e eu estou na crise da minha vida querendo muito ser ruiva. 🙁

Ser ruivo natural é quase uma dádiva dos deuses, principalmente aqui no Brasil. Isso lhes confere um charme mais que especial, já que é uma raridade. Quem não é ruivo ou não quer ser ruivo, pelo menos é um admirador dos cabelos de fogo, e isso é inegável!

Aliás, nossa gama de ruivos famosinhos aumenta a cada dia que passa, sejam naturais ou pintados. ;x

 

Rupert

Bom, não dá pra falar de ruivos sem falar de Rupert Grint, nosso eterno Ron Weasley, né, people. Ruivo natural, muito bem, obrigada! Não há como negar que a ruivice ficou ainda mais em evidência quando a família Weasley apareceu nas nossas vidas. “Cabelos ruivos, vestes de segunda mão… Você deve ser um Weasley!”

 

Ed

Impressionante como meu noivo o Ed está inserido em todas as coisas que eu amo e me rodeiam, riri! *-* Outro ruivo original que tem conquistado o coração das novinhas a cada dia que passa! E pra quem não sabe (duvido), o Ed e o Rupert são grandes amiguinhos! O Rupert até participou de um clipe do nosso cantor mais lindo e mais ruivo da face da terra!

 

Marina

Tá pensando o quê? Só porque a origem dos ruivos vem das gringas, não significa que não tenhamos os nossos ruivos naturais, humpf! E quem chega para abalar as nossas estruturas e derrubar nossos forninhos de invejinha branca é a Marina Ruy Barbosa! E nem vem fazendo carinha feia, porque eu sei que você queria o cabelo dela, okay? U-U Porque eu também quero! 🙁

 

MJ

Fale o que quiser. Ela é fictícia mas todo mundo paga um pau para a ruiva mais querida e mais famosa dos HQs. Senhoras e senhores, a inigualável ~tambores~… Mary Jane Watson, amorzinho do Peter Parker. E venhamos e convenhamos… Mesmo que você seja #TeamGwen, MJ tem lá seu charme. Ainda mais quando é a Kirsten Dunst, né? Ela decididamente ficou ÓTIMA de ruiva!

 

Lindsay

Achou que eu havia esquecido, né? Não espera molhar o bico, cof cof! Falar de ruivos e não citar a nossa artista que começou pequenininha e em dose dupla no filme “Operação Cupido” é quase uma afronta à sociedade! LiLo vive mudando a cor das madeixas, mas eu ainda sou super adepta dos ruivos naturais e perfeitos dela. Fontes seguras das internets parecem afirmar que agora ela está ruivinha da silva. Esperamos que ela não abandone suas origens de novo, né?

 

Holland

Como eu disse, tem alguns que não são ruivos… Mas nasceram para ser um! Lydia, de Teen Wolf, não me deixa mentir! Tanto que é que tive que pesquisar para ter certeza de que ela não era ruiva natural, porque a cor caiu tão bem nela que me custou a acreditar. Di-vou, Holland. <3

 

Bom, enquanto eu ainda não posso exibir esse poder todo, fico apreciando a cor amor!

Quem mais é ruivo e você ama? Pó falar que eu deixo! Aliás, quem quer ser ruivo levanta a mããão! \o/

 

redhair

Quarto Azul

Em 04.08.2015   Arquivado em Crônicas

Quarto Azul

The Blower’s Daughter – Damien Rice

Eu já estive aqui tantas vezes… Minhas pernas bambeiam só de pensar que tive a oportunidade de pisar nesse quarto azul mais uma vez, mesmo sendo escondido.

Ainda consigo sentir o cheiro de nós dois em todas as paredes tão decoradas de coisas. Havia só dois meses que eu não entrava nesse quarto, e percebi como sentia falta do seu mundo, das suas particularidades.

Eu estava li feito bobo olhando cada detalhe daquele lugar tão azul e tão você que eu não queria esquecer. Quadrinhos pequenos e cheios de frases moderninhas que você vive tirando do Tumblr ou do WeHeartIt. Um calendário velho dos Beatles, estrelinhas que brilham no escuro… Todos tão delicadamente expostos na parede. Olho para cima já esperando encontrar o rosto do Damien Rice no teto. Você deve ser a única maluca que gruda pôsters no teto. Aliás, você deve ser a única maluca que acha o Damien Rice o cara mais bonito no universo. Garotas normais gostam de One Direction, do Justin Bieber… Mas não você. Porque você não é uma garota qualquer. Você é a Melina Becker. A garota por quem eu sou apaixonado desde a terceira série.

E só seis anos depois eu tive a chance de ser alguém que eu realmente queria ser pra você. Passei de colega de sala a amigo, de amigo a melhor amigo. Ouvi durante anos você falar dos carinhas de quem estava a fim. Ouvia com afinco, fingindo para que cada detalhe não soasse como uma apunhalada no meu estômago e isso não ficasse explícito na minha cara.

Só Deus sabia como aquilo doía, mas eu preferia estar ali e fazer parte da sua vida daquele jeito do que simplesmente não estar por perto. Fazia piadas e fingia não estar me mordendo de ciúmes por eu nunca ser o cara dos seus sonhos.

Suspiro em meio a penumbra do seu quarto azul. Sei que não deveria ter vindo aqui assim, na calada da noite, mas eu meio que precisava. Se você sonhar que invadi seu quarto pela janela, provavelmente cortaria as minhas pernas. Essa era sempre a sua ameaça para qualquer ato meu.

Olho para a sua cama. A cabeceira de metal toda decorada com piscas-piscas de led. Acesas como sempre. E você. Que saudade de ver você dormindo assim. Quantas noites eu não dormi nessa mesma cama, cada um deitado com a cabeça em uma extremidade diferente. Você adorava cutucar as minhas costas com os pés para saber se eu estava acordado.

E sua mãe nem se incomodava com tudo aquilo. Éramos melhores amigos há tanto tempo! Ninguém via mal nenhum naquilo.

Na verdade, só eu via. O maior mal era estar ali ao seu lado todos os dias, amá-la… E amá-la secretamente sem ser percebido. Esse era o meu maior mal. Uns chamariam de castigo, outros de carma… Eu chamo de destino.

Os piscas-piscas refletiam o azul da sua parede no seu rosto, como em todas as noites. E você se nomeava a menina azul. O mesmo velho cenário… Só que eu não faço mais parte dele.

Porque inventei de finalmente surtar por causa de mais um cara na sua vida. Outro cara que não sabia nada sobre você, não conhece seus gostos, medos e angústias. Não sabe que você mistura Nescau Cereal com o Froot Loops e acha isso gostoso. Não sabe que você prefere os filmes velhos aos novos. E mesmo assim ele é o dono do seu coração azul, e não eu.

Mas em vez de apenas dizer o que eu sentia e que estava guardado durante todo esse tempo, eu quebrei o código. Queimei o cara e vi você o defendendo. E você o escolheu em vez de escolher a mim. É claro que isso não foi dito, mas algumas coisas são subentendidas na vida, não é?

Observo você respirando tão lentamente. Também perdi a conta de quantas vezes velei seu sono assim. Às vezes com o seu rosto marcado por lágrimas…. Ou às vezes porque eu simplesmente adorava assisti-la dormindo.

Antes que pudesse me arrepender, coloco o envelope azul sobre a mesinha ao lado da sua cama. Quando me direciono à janela, piso em alguma coisa e isso acaba perturbando seu sono. Meu coração foi para a boca e eu corri para fora da janela o mais rápido possível, e eu sei que a única coisa que seus olhos captaram foi a janela se fechando em meio ao escuro azul do seu quarto.

 

Gostou da crônica? Quer que ela tenha continuação? Comenta aqui pra tia Nats, manda mensagenzinha aqui, sinal de fumaça ou o que mais você preferir. Vamos brincar de “Você Decide”? 

Sampa Tour: Museu Catavento

Em 01.08.2015   Arquivado em Por aí

DivMuseuCatavento

Primeiro de tudo, MIL DESCULPAS, pessoas da minha vida! Tinha prometido esse post há trezentos anos, mas por motivos de: (1) também sou filha de Deus; (2) tenho probleminhas pra resolver e (3) não conseguir fazer o post. Porém, estou buscando redenção e o perdão de vocês trazendo tudindin agora! <3

Bom, como explicado no primeiro post, inaugurei uma nova série de posts chamada Sampa Tour, onde vou postar dicas de rolês legais pra quem mora em São Paulo ou vier para cá a passeio. E essas dicas serão de acordo com os rolês que eu mesma estou realizando, parte de um projeto pessoal meu.

No mesmo dia em que fui ao Edifício Martinelli, aproveitei o caminho e fui parar no Museu Catavento.

O Catavento é um museu totalmente interativo dedicado aos conhecimentos científicos que funciona desde 2009. O espaço em que é abrigado é o antigo Palácio das Indústrias, que foi construído em 1911 e inaugurado apenas em 1924. Em 1992, passou a ser a sede da Prefeitura de São Paulo.

O museu é dividido em 4 espaços: universo, vida, engenho e sociedade. Cada instalação tem várias atividades que ensinam de maneira criativa, desde teorias físicas e químicas até os biomas, o universo, e todo o funcionamento do corpo humano, além da vida marinha e tudo mais o que vier nas suas cabecinhas.

Na área do universo, vocês poderão saber sobre a vida das estrelas, além poder conhecer as mais famosas, observar galáxias, constelações… Ou até mesmo tocar em um meteorito de verdade que deixa a sua mão com cheiro de metal!

Depois, no espaço da vida, vocês vão saber tudo sobre a biodiversidade do planeta, bem como uma mega aula sobre relevos e plantações, só que de uma forma mais divertida: uma maquete gigante que exemplifica cada coisinha! AH, também não podemos esquecer a passagem dos dinossauros no planeta e a evolução humana. Hora de aprender todas as funções do corpo humano AQUI. *-*

Em engenho, vocês finalmente se sentirão num laboratório, onde poderão testar cada coisa daquelas aulas de física que vocês nunca entendiam. Quem dera eu tivesse tido a oportunidade de ter vindo na época da escola. Muita coisa teria me ajudado de uma forma mais interessante! Acredita que você consegue levantar 100 kg adicionando uma ferramenta boba junto com uma corda? Pois é! Já se imaginou dentro de uma bolha de sabão? Eu estive em uma! E sobre um choque em corrente com mais algumas pessoinhas? Passei por essa experiência também!

E finalmente, na área da sociedade, dá pra conhecer um pouquinho das maravilhas da Terra, um pouquinho de história do Brasil com uma escalada interativa e um laboratório de química e física!

Ufa, acabou! Mentira, agora é hora das fotchenhas!

IMG_9618

1 (2) 1 (3) 1 (4) 1 (5) 1 (6) 1 (7)

PS.1: Sabe aquele pontinho marcado? É o nossa sistema no meio dessa nossa pequena galáxia que fica nesse universão!

1 (8) 1 (9) 1 (10) 1 (11) 1 (12)

1 (13)1 (14)

PS.2: Eu e o bf dentro das bolhas de sabão! *-*

1 (15) 1 (16) 1 (17)

PS.3: Qualidade ruinzinha, mas queria mostrar a escalada histórica 🙁

1 (18) 1 (19)

PS.4: Eu tava louca pra ir nesse Borboletário, mas ele ainda não inaugurou. Cry!

Pois então, esse foi meu segundo passeio baratchenho que SUPER indico. Sério, pessoas. R$ 6,00 a inteira e R$ 3,00 a meia. Dá pra vir e se divertir demais. É ou não é?

 

Quem ficou interessado, dá uma acessadinha básica no site do museu pra se informar melhor!

Achei esse vídeo no próprio portal deles e achei bem legal pra dar uma palhinha do local! A gravação não é da melhor qualidade, mas acho que dá pra ter uma ideia do que esse lugar fantástico!

E AÍÍ, o que acharam? Gentem, ainda tô me acostumando a tirar foto de tudo, então esqueci de tirar MUITA foto, porque esqueço que não é só um passeio, e sim um registro! E prometo que com o passar do tempo, as fotos terão qualidade e enquadramento melhor, tá? A tia Nats tá enferrujada com essas coisas.

 

Aguardem o próximo episódio do Sampa Tour! <3

Página 6 de 14«1 ...2345678910... 14Próximo
Translate »