Resenha: Circo Invisível

Em 15.04.2016   Arquivado em Livros

Depois de trezentos e cinquenta e sete séculos muito tempo, o Além do Meu Mundo tira a poeira da estante da categoria Livros e traz uma obra da série “gostei da capa”: Circo Invisível, de Jennifer Egan. Cansada de ler os best-sellers da vida, quando ainda estava no Brasil (old but gold…), me aventurei em escolher um livro que estivesse fora dos holofotes juvenis. Não costumo fazer muito isso, mas as duas únicas vezes que realmente julguei um livro pela capa, eu acertei lindamente.

Quer dizer… Como esse livro não chamaria a atenção, gente?? Com esse nome sugestivo que te leva a algum lugar que você não sabe bem qual… E depois o jogo de luzes que brinca com o mistério de um cavalete… Quando vi, já estava levando o livro para o caixa!

book5

Nunca havia lido nada da Jennifer, e preciso admitir que ela me surpreendeu de uma maneira única. Não é um livro de ação. Não é um livro de amores impossíveis. Não é um livro de seres sobrenaturais. É um livro sobre a vida, e como ela pode nos pregar peças. É um livro que fala do ser humano e descreve como ele pode ser vulnerável. É uma trama que fala sobre a perda de alguém querido. E que fala mais do que isso: como seguir em frente.

A história se passa em 1978, e acompanhamos a vida da nossa querida Phoebe, uma jovem de 18 anos de São Francisco que acaba de se formar. Poderíamos dizer que Phoebe é aquela típica adolescente normal, com sonhos e vida normais… Mas acho que deve ser um pouco difícil ser “normal” quando se perde o pai e a irmã mais velha, mesmo depois de muitos anos.

Nos deparamos com uma narrativa misteriosa e melancólica que nos traz flashbacks de quando o pai e a irmã ainda eram vivos. Acompanhamos a infância dos três irmãos: Faith, a filha preferida, exemplo para todos; Barry, o irmão inteligente e ofuscado; e Phoebe a caçula que se espelha sempre na irmã mais velha. Tudo isso para tentar desvendar o que circunda a morte de Faith. Os boatos eram de que a primogênita tivesse se suicidado na Itália, enquanto viajava com o namorado pela Europa.

Depois de conhecermos um pouco do passado e do “presente” (final da década de 70) da família O’Connor, Phoebe acaba despertando e percebendo o marasmo no qual a sua vida havia se tornado devido as ondas de acontecimentos que pareciam tê-la congelado para sempre no tempo. Um tempo onde o pai, e principalmente a irmã, estavam vivos em sua memória e nas paredes da casa da família.

É quando, tomada por esses desespero de se desprender dos laços maternos e das raízes locais, Phoebe decide se jogar de verdade, e ir para a Europa. Mas é claro que essa viagem não é uma viagem qualquer. Depois de tanto sonhar com aquele momento, Phoebe decide refazer os passos de sua irmã para tentar descobrir, afinal de contas, o que realmente havia acontecido em 21 de novembro de 1971, o dia da morte de Faith.

Por meio dos cartões postais que a irmã havia mandado a família, Phoebe refaz o caminho de Faith. Inglaterra, Holanda, Bélgica, França, Alemanha… É aqui que a vida da nossa protagonista vira de cabeça para baixo, pois um personagem super importante surge para ajudá-la a desvendar o mistério que ronda a sua vida: Wolf, o ex-namorado de Faith.

A partir daqui, Phoebe consegue mais informações concretas sobre tudo o que veio a acontecer antes do fatídico acontecimento. Mas nem tudo estava claro, pois segundo Wolf, eles já não estavam mais juntos na época. Movido seja lá pelo que ele estava sendo movido, Wolf decide seguir viagem com ela até Corniglia, na Itália, com o seu velho carro.

Alpes italianos, Áustria, Espanha… Depois na Itália, passando pelas cidades de Pisa, Gênova, La Spezia, Vernazza… Para então chegarmos à misteriosa e tão esperada Corniglia. Nesse ponto, você já está completamente apaixonada por toda a estrada europeia, pelas cidadezinhas… Fica difícil não querer estar lá.

E é aqui que a nossa Phoebe finalmente descobre como tudo aconteceu. E acreditem… Fiquei pasma, pois não imaginei que ela fosse conseguir descobrir como as coisas exatamente aconteceram. Os detalhes… Foi além do que eu esperei, sério. Tinha esperado um desfecho completamente diferente, e acho que é isso o que eu mais gosto nos livros. Quando não são acabam de uma maneira tão óbvia.

Esse livro descreve situações cotidianas, mas ao mesmo tempo, únicas e super reflexivas. Nos remonta cenários políticos e sociais da década de 70 de uma maneira espetacular. Além disso, Jennifer descreve tudo tão bem, que há um certo momento em que você simplesmente se sente parte da viagem de Phoebe.

Parece que o nome não tem nada a ver com a obra, mas acredite em mim, TEM SIM. E tudo meio que gira em torno dos acontecimentos da década. Entra bastante coisa de história, então preparem-se!

Agora a pergunta que não quer calar: Você indica esse livro, Nats? Indico. Indico duas, três vezes, se precisar. No fundo, todos temos um pouco de Phoebe dentro de nós. Eu, particularmente, me identifiquei muito com as indagações e os questionamentos da personagem. São coisas que eu achei que só nós, jovens da atualidade, questionávamos. E eu errei. Acho que tenho uma visão de mundo diferente agora.

Entre na história fascinante de Jennifer Egan sem medo. Juro que você não vai se arrepender!

 

Pra quem se interessou pelo livro, taí o PDF do primeiro capítulo!

 

 

“Em ‘Circo Invisível’, Jennifer Egan prova que não importa o que quer que estejamos procurando, em geral queremos encontrar a nós mesmos.” The New York Observer

Metades por inteiro

Em 21.03.2016   Arquivado em Crônicas

MetadesPorInteiro

Amei Te Ver – Tiago Iorc

 

Eu deitei pra dormir, eu juro.

Mas quando você tá apaixonada, não é deitar e dormir. Porque de repente, a primeira coisa que vem no seu pensamento é aquele sorriso, aquele olhar que faz o seu coração bater rápido e o mundo ficar em câmera lenta.

Dizem que nada é por acaso. E acho que eu nunca pude comprovar uma teoria tão na prática como quando você cruzou o meu caminho e mudou o meu mundo.

Você chegou sem avisar com esse jeito marrento e irreverente. Nem pediu licença e por aqui foi ficando. E a cada dia que passava, você conquistava mais um pedacinho de mim. A cada dia, o que era uma trivialidade começou a se tornar necessidade. E não vou nem dizer que ganhamos intimidade porque parece que isso existe desde sempre entre a gente. Como se nos conhecêssemos de outras vidas. Essa é a única conclusão na qual eu pude chegar depois de tanto matutar. Foi o encontro de duas almas que estavam à procura, uma da outra. E a coincidência, o acaso, ou o destino – chame do que preferir -, nos colocou frente a frente, na 42 com a 8ª avenida.

Eu não sei o que aconteceu. Nem mesmo como. Há uma porção de coisas no mundo que até hoje não temos as respostas. E dentre os mistérios do universo e dos sete mares, com certeza podemos encontrar um espacinho para encaixar a nossa história.

Uma história que modéstia à parte, é digna de um livro com direito a reprodução cinematográfica. Que faz qualquer um suspirar e ficar boquiaberto com o nosso desenrolar. E eu, que sempre quis escrever uma história arrebatadora e de tirar o fôlego… Ironicamente a estou escrevendo. Mas com a sua ajuda.

E sim, eu disse que você chegou sem pedir licença, mesmo. E no começo eu achei que fosse pra bagunçar tudo. Demorou alguns dias até eu perceber que na verdade já estava uma bagunça, e que você estava ali, na realidade, pra colocar no lugar. E então, do meu coração… Você fez tua morada.

Eu já me perguntei o que diabos estava acontecendo. E eu juro que tentei entender… Mas depois de um tempo, eu simplesmente parei de tentar e passei a aceitar… Que eu estou honestamente, verdadeiramente e completamente apaixonada por você. De todas as maneiras que alguém pode se apaixonar. Aliás, você me conquistou de todas as maneiras que alguém pode conquistar uma pessoa. Dos pés à cabeça, de dentro pra fora e de fora pra dentro.

Você me faz acreditar que o próximo dia sempre vale à pena. Que pra tudo sempre existe uma solução. E que o amor… O amor sempre vence. Sempre. Sempre. Sempre.

Eu não vou mentir. Aliás, acho que essa palavra nem existe no nosso vocabulário. Já lhe disse e não foi uma… Não foram duas nem três vezes: eu estou com medo. Medo do que seremos e se seremos. Não é do julgamento e nem das más línguas. É daquilo tudo que não enxergamos, mas que existe. O tempo, a distância, a saudade.

Sou daquelas que sofre por antecipação e sente dor antes mesmo de levar a pancada. Talvez seja culpa das surras que a vida já deu, quem sabe. Só não digo que isso faz parte da minha natureza porque venho aprendido o contrário contigo. Quero que a gente dê certo. Quero fazer certo e quero você, de certo. E sei que você também me quer, pois somente um louco faria tudo o que fizeste até agora se não quisesse. Por isso, me apoio nas suas atitudes. Porque todo dia que acordei com a dúvida de saber se conseguiríamos passar por isso, você esteve ali, me provando que sim. E eu sei que você o fará quantas vezes mais forem necessárias, por querer e sem querer.

E eu só espero que a gente vença esse obstáculo. Aliás, espero que esse seja o único grande obstáculo que irá nos separar por um tempo.

Que o desejo seja realizado; que o vazio seja preenchido; que o sentimento cresça; que a distância se encurte; que as horas não nos afaste; que as metades sejam por inteiro.

Me espera.

Um rolê por New York #5

Em 19.03.2016   Arquivado em Por aí

Eita, que eu vim tirar a teia desse blog de uma vez, minha gente! Não priemos cânico, juro que não fiz aquele post pra sumir de novo. Agora que as coisas estão voltandinho nos eixos, resolvi dar aquela avaliada nas fotos dos últimos meses que eu deveria ter postado aqui, mas NÉ?

A verdade é que eu fiz vááários passeios em parques e outros sposts super legais, mas atrasei tanto os posts que não sei se valeria à pena postar tudo. Então decidi fazer um compilado dos melhores cliques que dei por aí. É CLARO que ainda existem outras mais e vou retomar a coisa toda aos pouquinhos, pinky promise! E se caaaso vocês queiram que eu poste os passeios na íntegra, separadinhos… É só fazer aquele coment fofo ou entrar em contato comigo como muitos fizeram na minha ausência! Aliás, obrigada pelo carinho *-*

Ok, agora CHEGA de papo, vou mostrar por onde eu andei nesses dois meses. Aliás… Muitos cliques são de outubro, dos meados dos Dias das Bruxas, riri. 😡

IMG_1219 IMG_1360

PS1: Aí você vai no mercado no mês de outubro e.. Opa! O_O

IMG_1375 IMG_1481 IMG_1515 IMG_1567 IMG_1721

IMG_1727 IMG_1764

PS2: AAAI, o outono! O inverno sempre foi a minha estação favorita… Mas o outono nos USA, gente… Indescritível. Como bem podem ver, o que eu mais fiz nessa estação foi ir aos parques mais lindos da vida, haha

IMG_2089 IMG_2166 IMG_2167 IMG_2182 IMG_2200 IMG_2212 IMG_2214 IMG_2219

IMG_2229 IMG_2231 IMG_2238 IMG_2333 IMG_2347

IMG_2420 IMG_2917 IMG_3440 IMG_3867 IMG_3874

IMG_3889 IMG_3916 IMG_3939

PS3: Uma das minhas fotos favoritas da vida. New York in blue <3

IMG_3995 IMG_4175

IMG_4179 IMG_4180 IMG_4293

PS4: Uma fotinho pra ilustrar o meu Natal, que aliás, foi maravilhoso! Passei na casa da minha miga mais linda, Ana, do canal Agora Virei Gringa. Saudades, guria :'(

IMG_4428 IMG_4435

IMG_4438 IMG_4447 IMG_4450 IMG_4454

Overdose de fotos aleatórias, EU SEI. Mas juro juradinho que se quiserem posts foficos mostrando spots específicos, eu faço. Vocês decidem, munamures. <3

Carta aos Leitores

Em 18.02.2016   Arquivado em Por aí

cartaa

Liberdade ou Solidão – Tiago Iorc

Sim, dessa vez eu vim me explicar. Porque apesar de não serem muitos, vocês, meus leitores, têm sido fieis e vindo visitar o Além do Meu Mundo com mais frequência do que eu esperava. Aliás… Não só vieram visitar, como também vieram perguntar por onde a dona desse mundo andava.

E por esse motivo acho que lhes devo satisfações e desculpas por ter sumido sem aviso prévio.

Quem me conhece sabe que não sou de ficar expondo minha vida pessoal aqui no blog. Quer dizer… Nem precisa me conhecer o suficiente. Basta dar aquela checada básica no conteúdo dos posts. Por isso, talvez alguns de vocês considerem as minhas explicações um tanto quanto superficiais. Vou tentar fazer o máximo para me fazer compreendida.

Pois bem. O Além do Meu Mundo parou por um tempinho, mas o meu mundo não. Muitas coisas aconteceram desde o último post, e por vezes pensei em postar uma crônica pronta. Eu tenho um enorme arsenal já pronto e poderia muito bem ter alimentado o conteúdo do blog. Mas o problema é que eu não sentia vontade.

“Como assim, Nats? É só copiar e colar, quirida.” Ora essa, eu bem sei! Afinal de contas, os posts geralmente são pré-produzidos, o que significa que não os produzo no momento de postá-los.

Inúmeras foram as vezes em que loguei na conta para postar. Mas por algum motivo que até agora não sei dizer qual, achava que nenhum dos posts que eu tinha deveria ser postado naquele momento. Não era o momento deles, sei lá. Dá pra entender?

Sei que não… Mas não se preocupem, pois isso me frustra tanto quanto deve frustrar vocês. Quer dizer… Esse é o momento em que eu tenho mais ideias, mais coisas brotando do meu coração e prontas para serem passadas para o papel (ou tela). E toda vez que peguei meu livrinho de viagem… Toda vez que abri o Word… Meus dedos tamborilavam e desistiam.

Porque minha cabeça está a mil e não consegue transferir o comando certo aos meus punhos. Não consegui escrever para o blog… Não consegui escrever minha fanfiction… Não consegui escrever uma porcaria de um cartão postal! E então eu acho que entendi.

Entendi depois de muito tempo que era tempo de não escrever, mas sim de viver. Estou sempre tão preocupada em querer escrever sobre tudo o que vejo e todos que conheço e desconheço… Que esqueci de escrever a principal história: a minha.

A realidade é que sempre esqueci de mim. Sempre coloquei as pessoas na frente, cuidei muito mais delas do que de mim. Gostei muito mais delas do que de mim. Na teoria e na poesia isso é lindo. Mas na prática…

Você vai desaparecendo sem nem perceber. E essa foi a minha resolução de Ano Novo: eu desapareci.

Desapareci e não sabia como mudar aquela sensação. Pela primeira vez me senti um pontinho sendo engolido pelas luzes e prédios da minha tão amada New York. Pela primeira vez não me senti parte dela nem de nenhum lugar. Algo estava muito errado e eu precisava mudar.

Era hora de eu começar a “olhar para o meu umbiguinho”, hora de pensar no que era melhor para mim, e não para os outros. Tem uma frase que pelo menos uma vez na vida todos nós escutaremos. “É você em primeiro lugar, você em segundo, em terceiro… E DEPOIS você pode PENSAR em começar a pensar em alguém.” Pois bem.

Pensar apenas em si mesmo não é assim tão simples quanto parece, não se deixe enganar. Porque pensar em si mesmo inclui ignorar o que as pessoas pensam sobre você ou se você terá que magoá-las para colocar o seu interesse e a sua pessoa em primeiro lugar. Inclui você tentar parar de controlar tudo ao seu redor. Inclui você parar de controlar o que sente e começar a se perguntar o que de fato está sentindo.

E é nesse processo em que me encontro neste exato momento. Foi uma surpresa quando finalmente decidi abrir os meus olhos, quando finalmente decidi olhar para baixo e me enxergar em vez de olhar para os lados. Tem coisa pra mudar, muita coisa pra fazer. E eu nem sei direito por onde começar, mas a principal coisa eu tenho: vontade.

Vontade de me amar. Vontade de tentar. Vontade de errar. Vontade de crescer. Vontade de me arrepender. Vontade de arriscar. Vontade de correr. Vontade de me machucar. Vontade de sarar. Vontade de refletir. Vontade de escrever. Vontade de concluir. Vontade de recomeçar. Vontade de viver.

E a notícia é: tem tanta vontade em mim que estou voltando. A espera acabou, meus leitores, meus amigos.

Músicas e clipes que fizeram meu 2015

Em 23.12.2015   Arquivado em Música

b0a3043b-3025-43d1-afcd-a53601416078

AIAI, 2015 tá acabando, gente…! Esse ano passou que eu nem vi. Já estamos na época das festividades e de encerramento de um ciclo para começar um novo cheio de promessas e projetos em nossas vidas, seja com relação ao trabalho, a escola, a projetos pessoais…!

E não esqueçamos as retrospectivas da Globo, dos melhores beijos, amassos, tretas, erros de gravação, reportagens, acontecimentos épicos e vá lá mais coisa. E pra não sair do clima, é CLARO, que o Além do Meu Mundo também vai brincar. Porque sim, porque eu quero, pronto e acabou.

EMOJI

Resolvi começar falando de uma das coisas que mais me regem na vida: música. Todo ano tenho músicas e álbuns que fazem a trilha sonora dos meus dias, que às vezes até parecem ter escrito pra mim naquele momento da minha vida, porque sou o umbiguinho do meu mundo, claro. Quero compartilhar com as pessoas tudo o que foi o meu ano resumido tanto em clipes quanto em músicas. Dá só uma checada :)

 

Thinking Out Loud – Ed Sheeran

Vamo começar com o clipe/a música que mais me matou. Sei que ambos foram lançados em 2014, mas ainda assim foi uma das músicas mais tocadas em 2015. “Thinking Out Loud” foi até trilha sonora do casal Mari e Benjamin na novela “I Love Paraisópolis” e enlouqueceu muitos corações apaixonados.

O que é esse Ed Sheeran dançando? É uma surpresa pra todo mundo, além de tirar o fôlego e deixar a gente querendo ser essa menina que dança com eleeee T-T

 

Bad Blood – Taylor Swift

Vamo combinar que esse foi um dos clipes mais esperados de 2015 depois que foi mencionado. A Taylor é conhecida por gostar de causar com estilo, e foi um combo de indireta pra ex-amiga Katy Perry plus uma lacração só com todas as amigas divas e sensuais, dentre elas Cara Delevigne, Ellie Goulding e Hayley Williams.

 

Shut Up And Dance – Walk To The Moon

Essa é uma das minhas músicas FA VO RI TAS. Não importa quantas vezes eu escute, eu fico doidinha imaginando a história que se passa através das estrofes. Inclusive, ela faz parte da trilha sonora da minha fic, just saying. 😡

 

Uptown Funk – Bruno Mars ft. Mark Ronson

Eu já amava essa música desde a primeira vez que eu escutei. Desde as batidas, até o clipe, o cenário, TUDO. Mas ouvir essa música em New York é simplesmente sensacional, faz tudo ganhar mais cor ainda. Aliás, eu moro Uptown, então = <3

 

Drag Me Down – One Direction

Pausa. Venho por meio desta confessar que eu nunca fui grande fã de One Direction. Claro que sempre tive minhas músicas favoritas e até conhecia um bom punhado do trabalho deles – além de sempre ter tido aquela queda básica pelo Harry Styles, porque né… Mas esse ano essa boy band me pegou de UM JEITO que não é brincadeira, galere. O CD está simplesmente sensacional e eu estou mais apaixonada pelo Harry e pelos cabelos esvoaçantes dele mais do que NUNCA. Pronto, fa-lei. They can REALLY DRAG ME DOWN com essa música explosiva e toda pá!

 

Ex’s And Oh’s – Elle King

Acabei conhecendo essa música graças à minha amiga Ana, do canal Agora Virei Gringa e eu simplesmente viciei. A voz rouca da Elle me deixa doida e a letra é super engraçada e inusitada (isso sem contar o clipe). Check it out!

 

Sorry – Justin Bieber

Muito que bem, vamos falar de algo muito sério aqui. Muita coisa me surpreendeu esse ano, tanto negativamente quanto positivamente, mas eu preciso dizer que o Justin Bieber, minha gente… Ah, esse sim me surpreendeu muito mais que positivamente. Eu nunca achei que fosse curtir tanto um som dele como eu tenho curtido agora, e não é só uma música, não! Acho que ele amadureceu MUITO como profissional e eu realmente gostei muito do que encontrei no último álbum dele.

“Sorry” é uma música que me faz viajar, refletir e curtir, tudo ao mesmo tempo. E também é a minha música com a Ana aqui em NYC, sem mais <3

PS: como eu não curto o clipe do movimento “purpose”, resolvi compartilhar esse vídeo que fez eu me apaixonar pela música. Não é o Justin cantando, mas num tereça.

 

Sticthes – Shawn Mendes

Esse ano, na verdade, foi o ano do Shawn, né gente? Eu já conhecia um pouquinho do trabalho dele, mas só agora ele representou algo (pelo menos pra mim). Ô menino fofo! Não sei o que eu mais gosto, as músicas dele ou os covers maravilhosos que ele faz. *-*

Quantas vezes eu  danço ouvindo essa música no carro… Só Deus sabe! E o clipe… Simples e pesado são as palavras.

 

Sugar – Maroon 5

Falar de 2015 e não citar Maroon 5 seria quase uma afronta, vamo combinar, né? Que os cds dele são perfeitos do começo ao fim não é nenhuma novidade… Mas é bem difícil eu ouvir um álbum sem querer pular UMA faixa. Então, parabéns, M5 <3

E claro… Eu sou suspeita porque acho os clipes deles super diferentes e inusitados, mas esse, sem SOMBRA DE DÚVIDA, ganhou meu coração. Tinha muitas outras músicas favoritas, então decidi eleger a minha favorita através do clipe.

 

Amei Te Ver – Tiago Iorc

Não estou no Brasil, mas o Brasil continua em mim. Essa música embala meus dias aqui em NYC. Muitas vistas se tornaram ainda mais lindas graças a ela. Confesso que nunca liguei muito pro som do Tiago Iorc, mas nesse ano acho que ele conquistou meu coração, não só com essa faixa, mas também com “Coisa Linda”. Ela, incçusive, estava na lista, mas acabei preferindo “Amei Te Ver” porque… QUE CLIPE DESTRUIDOR COM A BRUNA MARQUEZINE É ESSE?

 

Hello – Adele

Falando em destruição… A mulher SOME e quando reaparece, faz o que? Acaba com todo mundo com essa voz e essa música, né, CLARO. A Adele, gente, não sabe brincar. Quando lança algo é pra ficar em primeiro e cagar na cabeça de todo mundo. Lançou a música no fim do ano e levou um monte de prêmio, dá licençaaaaaa.

Também, né… Essa música fala com todos e mata cada pedacinho da alma de um jeito que só Adele consegue fazer. E o clipe vintage? Curti ainda mais porque eles não tiraram o som ambiente. Deu muito mais emoção.

 

Photograph – Ed Sheeran

Mas é ÓBVIO que o Ed ia aparecer aqui duas vezes. Quem duvidou disso? Se eu pudesse, colocaria que o álbum “X” foi a minha trilha sonora do ano. Se eu falar que cada faixa coube perfeitamente em cada momento pelo qual eu passei em 2015… Aiai.

A primeira vez que ouvi essa música eu estava no ônibus e foi ridículo. Porque eu CHOREI. Ainda bem que estava vazio e ninguém me viu.

Aí não tava bom pro menino Ed me fazer chorar no ônibus… O que ele faz? Lança esse clipe que o quê? Quase me mata. Foi muito conhecer um pouquinho da infância do meu ídolo através de arquivos pessoais. Agora PENSA em quem quase morreu ao assistir o final, em que alguém fala “You’re on the top of the mountain!” e depois aparece o Ed diante de uma multidão? Cho-rei. De. Novo.

 

Style – Taylor Swift

Vai ter Taylor de novo sim, e nem reclama porque a última faixa também é de um artista repetido. Porque eu quero. Porque eu sou maluca. Anyway.

Acompanho o trabalho dessa mulher desde a época country dela (aliás, volta tempoooo). Adoro como ela consegue toda história virar uma boa música, gente. E acho que esse clipe e essa música foram o melhor trabalho dela. Adorei as sobreposições, os detalhes, o filtro… E a música me pegou principalmente pelo jogo de palavras: “We never go out of Style”. Sabemos bem que Styles era esse, né? Não sabe? Vou responder com a música que fechou meu ano e continuará em 2016 por mais um tempão.

 

Perfect – One Diretion

FECHOU ANO. Eu nem precisava escrever nada porque essa música fala por si, né… Mas vou escrever mesmo assim porque ela se tornou a minha FAVORITA no primeiro momento em que escutei. Gostei tanto que me fez querer ouvir o álbum todinho. E adivinha? Viciei nesses meninos bem no hiatos deles (#chateada).

Pra quem não sabe – O QUE EU DUVIDO MUITO –, Harry FINALMENTE respondeu às provocações musicais de Taylor. E respondeu com Style ESTILO. Achei maravilhoso o fato de o refrão ter sido feito propositalmente no mesmo ritmo que Style. Foi a sacada da VIDA.

E não bastasse a música… Pra quem acompanha o Harry no Instagram, sabe que o querido tá numa fase P&B da vida e só posta fotos assim. Achei o clipe bem a cara dele. Adorei o que eu vi. ALIÁS, o clipe foi gravado em um hotel de NYC. Poderia me fazer amar ainda mais isso? Poderia. Porque eu tô num crush nervoso nele, então vocês me aguentem falando.

 

É isso. Ufa, 2015! Nem acabou e continua me matando do coração! Mal posso esperar pela minha trilha sonora MATADORA de 2016! E qual foi a trilha sonora de vocês? <3

Resenha: The Heartbreakers

Em 11.12.2015   Arquivado em Livros

UM

Dentre as muitas coisas que devo a vocês, finalmente cumpri UMA. E cumpri sem a menor sombra de sacrifício. Depois de MESES sem postar resenhas de livros, Nats achou uma obra digna de um espacinho aqui no Além do Meu Mundo.

Alguém aí já ouviu falar do livro The Heartbreakers, da Ali Novak? Acho que a resposta é não para o título e para a escritora, né? Muito que bem, não tem problema, eu fico feliz em falar sobre ambos porque esse foi um achado meu no MERCADO, gente. E eu adoro quando tenho um feeling certo, porque eu estou completamente DOENTE por esse livro. Vamos à sinopse, vem comigo:

 

Stella é do tipo de pessoa que faz qualquer coisa pela irmã – até mesmo ficar em uma fila cheia de garotas histéricas apenas para conseguir um CD autografado dos Heartbreakers… Por três horas. Bom, pelo menos ela conheceu um garoto lindo na Starbucks horas antes. Um garoto dos olhos azuis que parece muito com…

Oliver Perry. É claro que o cara da Starbucks era apenas o vocalista da banda que ela menos gostava. Obrigada, universo. Mas talvez exista muito mais do que aquele mundo de fama para Oliver, porque mesmo depois de ela insultar suas músicas – na cara dele -, ele ainda dá o seu número a Stella. Oi?

Mas como Stella pode sequer pensar em estar com Oliver – namorando, se divertindo e pregando peças com os garotos da banda – quando sua irmã poderia morrer de câncer?

 

Pausa. Sim, eu nunca havia lido nenhum livro do tipo, sequer uma fanfic à respeito de garotas que acabam se apaixonando por algum vocalista e a história toda nós já conseguimos até formar na nossa cabeça, porque sim, clichê master blaster plus advanced. Quer dizer… Quem NUNCA sonhou em namorar aquele vocalista maravilhoso? Não, não negue com a sua cabecinha, porque no seu passado obscuro você bem que sonhou isso. Eu, aliás, com os meus 22 anos nas costas, ainda sonho com isso.

rainha

Vou começar dizendo que a capa do livro me ganhou sim e com certeza. Primeiro pela simplicidade de trazer apenas o que interessa. O título também foi importante, eu admito. Mas acho que as duas coisas que mais me fizeram tirá-lo da estante foi a linha-fina e uma coisinha logo abaixo do nome da autora.

 

“Oliver é o vocalista da banda mais quente do momento. Stella não faz ideia disso.”

 

Ali Novak

Mais conhecida como a nova sensação do Wattpad FALLZSWIMMER

 

Quando eu li Wattpad não teve Cristo que não me fizesse levar esse livro. Pra quem não sabe, esse site é uma grande janela para pessoas que sonham em publicar uma obra algum dia, e sim, eu sou uma dessas pessoas. Achei que valeria à pena ler um livro que veio de um lugar no qual eu pretendo postar a minha história em breve. BAM!

BAM

O livro é MUITO bem escrito, e tem um desenvolvimento simples e de fácil compreensão. Não abusa de palavreado difícil ou de descrição cansativa. Pelo contrário: os diálogos são muito bem pensados, além de MUITO engraçados.

Apesar de ler lido e gostado muito das obras do John Green por se aproximar muito do que pra mim é a adolescência (quando falamos de Cidades de Papel, claro), esse é o livro mais que próximo da realidade que eu já li, na minha opinião – ignorando o fato principal da personagem principal pegar o cara mais hot do momento, né –. Quando digo “próximo da realidade”, me refiro aos diálogos cotidianos entre os personagens e como as piadas são bem atuais. Não tem filtro. Existe palavrão, existe piada suja. E daí? Não é assim que nos comunicamos no dia a dia, jovens? Pois bem.

Ah! Você deve ter lido a linha-fina e pensado “Tá bom. A banda é a mais quente do momento e a menina simplesmente não sabe quem é o cara? Bullshit.” Bom, eu confesso que também pensei isso no primeiro momento, mas a Ali desenvolve essa parte da história com tanta naturalidade e tão cheia de sentido que não se torna nada absurdo. É doidinho, mas não é incompreensível.

O livro é escrito em primeira pessoa e pasmem, é o primeiro livro que realmente me satisfez nesse sentido. Apesar de já ter lido 8239874 livros em primeira pessoa, eu pessoalmente não gosto muito desse estilo, porque sinto que o autor muitas vezes deixa a desejar com relação à descrição, observação ou ao sentimento de um personagem que não o do principal, já que a história é contada do ponto de vista do mesmo. MAS acho que esse livro teve uma representação muito diferente e me agradou sem exageros.

DOIS

Sobre os personagens: me identifiquei HORRORES com a Stella. Ela não tem nada daquela garota “tradicional”, não é inteiramente girly e é cheia de dúvidas sobre o próprio futuro. Aliás, quem não? Ela sempre coloca as pessoas que ama em primeiro lugar até quando não deveria, além de sempre cobrar demais de si. Ela é encantadora, tem os melhores pensamentos e é super “sóbria” quando se trata de analisar uma situação. Isso eu realmente não sou e queria muito ser.

Outra coisa. Quem é esse Oliver Perry, gente? Alguém pode, por favor mandar embrulhar pra presente de Natal e me mandar? Sério, vou colocar o meu endereço no final desse post para a alma caridosa que quiser fazer uma garota feliz esse ano. Ele é sensível, doce, engraçado… Mas ao mesmo tempo é sexy, provocante, imponente e pode ser bem convencido de vez em quando.

Os garotos da banda… Gente, como eu terminei esse livro querendo ser amiga desses caras. Alec, Xander e JJ são a ALMA dessa história, e fico muito feliz que a Ali tenha conseguido o devido espaço e a devida essência a cada um deles, porque eu acho super difícil fazer com que tantos personagens interajam tão bem em uma mesma cena. O que é o companheirismo do Alec, a fofura do Xander e os comentários do JJ? Repito, a ALMA da história.

Meu coração acelerava loucamente a cada decisão maluca e a cada situação na qual Stella acabava se enfiando. Eu tive todos os sentimentos do MUNDO enquanto lia as aventuras dessa menina de 18 anos: felicidade, tristeza, agonia, raiva…!

E aqueles que acham que a história só se trata de uma garota que vive o sonho de todas as garotas do mundo por namorar um vocalista como Oliver Perry e ou do quanto ela é sortuda por tudo que passa com os Heartbreakers, se enganam PIAMENTE. Existe uma história muito mais profunda do que só esse relacionamento que me arrancou suspiros e me fez ficar tipo freaking out o tempo todo. Trata aquele momento de decisões tensas na nossa vida de uma forma bem verídica. Mostra como os nossos medos nos impedem de realizar os nossos sonhos. Nos ensina a ver a vida com outros olhos. Aliás, nos ensina a abrir os olhos.

Eu não esperava toda essa onda de sentimentos e aprendizados desse livro, e acho que é por isso que ele acaba de entrar para a minha lista de favoritos.

QUATRO

A parte engraçada: fui pesquisar sobre o livro depois que li e descobri que a Ali fez um “book trailer” usando cenas de séries e filmes (faço muito, obg). Foi MUITO engraçado ver quem ela imaginava como Stella e Oliver, porque eu errei feio, errei RUDE.

Eu imaginei o casal ligeiramente parecido com a da capa do livro, mas a Stella eu acrescentei a tal da franja e a mecha azul no cabelo. Agora o Oliver… Eu confesso que fiz uma pequena relação ao Harry Styles pelo estilo do garoto, mas achei que personagem tinha o cabelo mais claro como o cara da capa. Também achei que ele tinha um quê de Chay Suede de olhos azuis, sei lá. PORÉM, QUANDO VOU VER O TRAILER:

Sim, ela tinha pensado no meu crush Harry Styles, minha gente! <3

harry

Bom, brincadeiras e observações à parte, esse livro já está no meu coração e por isso precisei compartilhar. Só desejava do fundo do meu coração que tivesse uma continuação, porque olha = <3 Até deixei um comentário-bíblia para a Ali Novak no Wattpad elogiando o trabalho dela, me julguem!

Anyway… Eu o li em inglês, dei uma caçada nas internet e infelizmente não tem a versão em português (#chateada). Mas falo sério quando digo que é uma leitura bem tranquila, então pra quem quiser se arriscar, segue o link da edição publicada. Não achei para pdf, então vai o link do Wattpad! <3

E não esquece de dar aquela comentadinha básica aqui no brógui, rere

HeartbreakersGraphic

Um pedaço de papel

Em 29.11.2015   Arquivado em Crônicas

Umpedaçodepapel

Like Real People Do – Hozier

Foi uma daquelas noites. Aquela em que você sai com a sua melhor amiga porque ela simplesmente precisa daquele momento depois de um fora básico.

Aí você a leva em um lugar diferente de tudo o que estão acostumadas.

A bebida é de graça, já que você é amiga de uns trezentos e tantos promoters que te colocam pra dentro e praticamente te bancam. É até divertido.

Bebemos como se não o houvesse amanhã e MILAGROSAMENTE estamos sãs o suficiente pra chegar em casa. Pelo menos é o que esperamos.

O problema é cada uma vive em um lado da cidade, e haverá um certo momento em que será só você e… Deus. De noite, naquelas ruas mal iluminadas e que são dignas de filmes de terror.

Aí eu pego o metrô sozinha torcendo pra acertar o caminho de casa. Não que eu esteja exatamente bêbada. Mas “alegre” já é o suficiente pra se perder, certo? Certo.

Eu só sento no banco. Aparento estar tranquila e certa do que estou fazendo, mas acho que não é bem isso.

Continuo a mascar meu chiclete e bancar a garota da cidade, porque sim.

Então eu o vejo. Cabelos perfeitamente penteados para o lado como se tivessem acabados de ser moldados daquela maneira. A camisa social branca com alguns detalhes para dentro da calça escura igualmente bem passada.

É simplesmente impossível não notá-lo ao lado do amigo de trabalho. Pergunto-me o que diabos eles estão fazendo em pleno final de semana enquanto eu simplesmente estou voltando de uma noitada com uma amiga que precisava ser animada.

Eu não sei se é o álcool ou se eu simplesmente queria que ele me notasse. Só pra constar que eu costumo ser o tipo mais discreto normalmente.

O problema é que simplesmente não consigo. Olho-o insistentemente até que ele sinta que está sendo observado dentro do vagão lotado – se considerado o horário.

Então ele finalmente me olha. Juro que se não estivesse sentada minhas pernas vacilariam quando os meus olhos encontraram os dele. Tão incrivelmente claros e hipnotizantes…

Não eram verdes. Não eram azuis. Talvez um meio termo entre o paraíso e o inferno?

Eu o encarei tanto que foi impossível não me notar. Acho que até mesmo um cego me notaria. Se eu não estivesse levemente alterada, estaria me xingando por isso. Aliás, eu nem o teria feito.

Talvez eu me sentisse constrangida. Talvez ELE se sentisse constrangido.

Mas tudo o que ele fez foi me encarar de volta. Talvez surpreso com a minha “ousadia”, talvez tentado para ver o que poderia acontecer.

Então ele sorriu e acenou discretamente. E eu fiquei tão ou mais surpresa. Tudo o que consegui fazer foi sorrir de volta como se debochasse da atitude impensada dele de acenar para uma desconhecida – embora eu tivesse adorado.

Virei o rosto e fingi me concentrar na janela escura que não mostrava nada além da escuridão dos túneis que engoliam o metrô.

É claro que continuei a observá-lo pelo reflexo. Ele fez o mesmo, e aquilo fez com que um sorriso fraco me escapasse dos lábios.

A estação na qual eu desceria já estava bem próxima, e eu sabia que talvez aquela fosse a primeira e última vez que eu o veria. Então eu fiz algo que eu com certeza não faria em estado normal.

Mais do que rapidamente, peguei um papel jogado na minha bolsa e o meu lápis de olho. Escrevi uma série de números em um garrancho de possível entendimento. Quando ouvi a voz abafada da caixa de som do metrô anunciar a minha estação, cruzei o outro lado do vagão.

Ele me olhou de cima abaixo surpreso com a minha presença. Meus olhos se prenderam nos dele enquanto a minha mão rapidamente se esticava em direção ao bolso direito da camisa dele, na altura do tórax. Enfiei o papel ali sem perder o contato visual.

Antes que ele pudesse dizer qualquer coisa ou eu me arrepender do que tinha acabado de fazer, avancei em direção da saída. Quando olhei para trás, o vi me encarando com um pequeno sorriso nos lábios enquanto as portas se fechavam. Eu sorri de volta e tomei o meu caminho.

Quartos da ficção

Em 16.11.2015   Arquivado em Inspiração, Na tela

DivQuartos

Se tem uma coisa que eu realmente amo e nunca dei espaço aqui no blog é decoração. Na verdade, não tem muito tempo que eu descobri essa paixão. Tudo acabou acontecendo porque eu comecei a querer dar maiores descrições para as histórias, crônicas e fanfics que escrevo. Adoro colocar imagens para ambientar melhor os meus leitores.

Paralelamente também comecei a “heartear” quartos na minha conta do WeHeartIt para me inspirar na decoração do meu quarto no Brasil. Aí já viu, né? A coisa ficou realmente séria e eu passo HORAS do meu dia fazendo isso. Acho que preciso de tratamento…

cat

Enfim! E como tenho uma séria paixão por filmes, séries, novelas e tudo mais que se tem direito, é ÓBVIO que eu tenho crushes por muitos quartos dos personagens da ficção, genxti. Acho que é muito porque eu realmente consigo ver muito deles refletidos na decoração e isso torna a atração mais “convincente”, entende. Espero que tenha entendido, porque não vou tentar explicar de novo não. :B

caham

Bom, chega de papo! Selecionei os quartos mais apaixonantes pra mostrar pra vocês! Quem sabe não é uma ajudinha para aquela inspiração que você tava precisando?

 

Anna

Quem aí não lembra desse filme sensacional com a rainha LiLo? Pra quem não lembra, ou não assistiu (duvido muito, mais VAI QUE), a Anna era uma rockeira maluquinha que adorava viver na privacidade do seu quarto.

Sempre fui fã desses quartos americanos que tem o teto mais rebaixado! É sempre uma oportunidade pra criar algo novo! A Anna, por exemplo, preencheu quase que toda a parede com fotos!

Além disso, mesmo ela tendo o estilo bem rocker, o quarto dela ainda trazia uma cor clara e um toque de feminilidade.

 

Aria1

Eu não sei vocês… Mas desde a primeira vez em que eu vi o quarto da Aria, eu simplesmente me APAIXONEI. Primeiro porque das Liars, a Aria é a com quem eu mais me identifico. Ela ama ler, escrever, fotografias… Além de ter um estilo bem eclético.

No quarto dela há livros espalhados por todo canto! A segunda coisa que mais tem são almofadas! De todos os tamanhos e cores, mas muito bem escolhidas. Acho que isso dá um mega ar de conforto. Fora as sobreposições das colchas da cama. Queria muitoooo.

 

Arnold1

PAUSA DRAMÁTICA! Sei que seus olhinhos brilharam agora, porque esse é o quarto dos sonhos de toda criança nascida na década de 90, gente! Eu era viciada no desenho do Cabeça de Bigorna e no quarto mais que sensacional dele! E esse teto de vidro que tem uma escada que leva ao telhado?

O quarto sempre foi objeto de desejo da galera. Não é à toa que um designer gráfico até desenvolveu uma versão mais realística dele! Dá uma checadinha na última imagem!

 

Aubrey1

Lembra daquele filme maroto que eu indiquei há umas semanas atrás, The First Time? Então! A Aubrey, personagem fofica, tem um dos quartos mais apaixonantes que eu já vi! Primeiro porque é azul, e todo mundo sabe que sou maluca por essa cor, né. Fora que a personagem é uma artista! Tá vendo aquelas ondas atrás da cabeceira? Ela mesma quem fez utilizando o recurso da foto-colagem (não sei se esse é o temo. Se não for, vai ser agora). Não é divino? Outra coisa que me chamou a atenção é a iluminação do quarto, que é bem fraquinha. Gosto muito <3

 

Carter1

Sei que já havia comentado sobre o quarto dela em um outro post…Mas e daí? O que é bonito a gente repete, né? Aliás, o que é essa parede feita de lousa de giz, por favor? Se eu não tivesse alergia, com certeza teria uma dessas! ~cry~ Outra coisa que eu também adorei foi a ideia de utilizar os piscas-piscas como varal de fotos! Dois em um!

 

Dinho1

Não sei quem acompanhei Malhação e se apaixonou pelo quarto do Dinho loucamente. O tema intergaláctico + aventureiro é muito a minha cara, aquela coisa de wanderlust, sabe? Teria muito esse quarto pra mim, sem mais.

 

DrakeAndJosh

E falando em quarto de menino, acho que ninguém consegue se esquecer do quarto monumental da série Drake & Josh, né? Sempre achei ele muito fora do normal pra quarto de adolescente, mesmo sendo o sótão da casa… Mas ok, isso não muda o fato de que eu queria a camona com a escada e esse super espaço livre (que mais tarde foi ocupado pela cama do Josh).

 

Ju1

Na mesma geração do Dinho, ainda tinha a Ju, uma It-Girl super estilosa. Acho que esse é um quarto que com certeza eu teria, gente. Sempre quis colocar a minha mesa nos pés da cama, acho que fica tão fofico, dá um ar diferente pro quarto. O detalhe que eu mais gosto no quarto dela é a árvore de madeira na cabeceira da cama, acho tão único, tão original. As cores do quarto também me agradam bastante. São chamativas, mas ao mesmo tempo tudo combina.

 

Sam1

Por último (mas não menos maravilhoso) o quarto mais amado dos últimos tempos. Eu não sei dizer ao certo o que me encantou no quarto da Sam: a junção do tecido lindo com os piscas-piscas, a mesa aproveitada com cavaletes (e que está super na moda), a máquina de escrever no lugar do que seria um computador (uma vez que a história se passa nos anos 80), os espelhinhos e molduras ao lado da cama ou essa bagunça organizada sobre a escrivaninha. Acho que tudo se encaixou lindamente, o que muito me agradou, porque eu não lembro se havia uma descrição exata do quarto da Sam no livro… Mas acho que não poderiam ter produzido algo mais original.

 

UFA! Nem eu sabia que eu gostava de tantos quartos da ficção, socorro. E aí, gente, qual o preferido de vocês? Conta pa nóis!

Triste felicidade

Em 10.11.2015   Arquivado em Crônicas

triste-felicidade

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

Como fingir a dor que se sente de verdade, Fernando Pessoa?
No auge de tudo o que já vivi (e vivo), nunca consegui essa proeza. A grosso modo, não consigo sequer escrever uma “autopsicografia¹” quando estou feliz. Deprimente, não?
Soará estranho dizer, mas ouso ficar feliz de estar triste, pois só assim sou capaz de deixar que um lápis ganhe vida em minha mão e passe a dizer o que se passa em meu coração.
Talvez me deixe feliz saber que mesmo triste, ao concluir essas linhas, alguma coisa boa tirarei daquela tristeza. Pois ao passo de que vou escrevendo, vou me entendendo. Ao passo de que vou escrevendo, talvez não saia só rabiscos e palavras desconexas. Se olhar atentamente, verás a tristeza se esvaindo de mim, dando um até logo, como se voltasse em breve, com a tal dor de Fernando Pessoa.
Enquanto isso, eu sorrio para as minhas queridas amigas: as palavras que nunca me faltam.

1. Pode ser entendida como “escrita automática da própria alma”;

Um rolê por New York #4

Em 09.11.2015   Arquivado em Por aí

DivNewYork4

AIAI! Depois de muitos puxões de orelhas e cobranças, trouxe mais fotinhos do que tem sido morar aqui em NYC, gente. Vou confessar que ainda tenho MUITAS fotos pra postar, mas quero falar sobre tanta coisa que acabo me desorganizando com relação a isso, mals aí :B

A verdade é que esses dias eu tenho me focado mais na minha inspiração também. Tenho me sentido fora dos eixos criativos nas últimas semanas, o que pra mim é desesperador – exceto com relação às crônicas. Graças aos céus, ideias não me faltam pra essas histórinhas <3. Sei o que vocês estão pensando… “Ela está em New York e está desinspirada?! Pode isso, produção?!”

Crack

Poder não pode, mas não escolhemos quando esse tipo de coisa vem nos assombrar, né? Por isso estou lutando contra esse mal! E antes que venham falar qualquer coisa, entendam que não é FALTA DE IDEIAS. É falta de organização das ideias, mesmo.

Anyway! Explicado o drama da minha vida que acho que devo a vocês explicar, vamos ao que realmente importa! Vocês vão ver pouquíssima coisa do Central Park, que ainda não tive tempo pra explorar, acredita? Também vão ver a coisa mais linda que é a Brooklyn Bridge de noite. É simplesmente INCRÍVEL. Não tenho outra expressão melhor pra descrever. A palavra que gosto de usar em inglês seria breathtaking, e jájá vocês vão entender o porquê. Vem comigo <3

IMG_0889 IMG_0895 IMG_0901 IMG_0902 IMG_0910

IMG_0913 IMG_0916 IMG_0912 IMG_0897

IMG_0918

IMG_1219

CPOM7711

IMG_0928 IMG_0954

IMG_0962 IMG_0966 IMG_0968

IMG_0971 IMG_0972 IMG_0974 IMG_0976

PS1: Reconheceu essa pic de algum lugar? Não, não é coisa da sua cabeça! Ela ilustrou a crônica “Ponte”, que aliás tem tudo a ver com essa paisagem! Vem ler <3

IMG_0978 IMG_0980 IMG_0992 IMG_0998 IMG_1007 IMG_1010 IMG_1042 IMG_1131

IMG_1100

Página 1 de 1212345... 12Próximo
Translate »