Onde fica o meu espaço no mundo?

Em 02.08.2017   Arquivado em Crônicas, Por aí

Se você clicou neste post é bem provável que esta deva ser a pergunta que você se faz todos dias. Ou algum dia já foi uma pergunta que você fez a si mesmo.
A gente sempre acha que saber quais são as nossas habilidades e do que mais gostamos já é o suficiente para ter esse tão sonhado lugar no mundo. Só que é aquela velha história: na teoria tudo é fácil.
Saber o que te faz feliz nem sempre te coloca na estrada de tijolos dourados rumo ao seu destino. E não estou exigindo que fosse. Assim nem teria graça.
O problema real da questão é quando parece que o que te prospecta felicidade não possui espaço algum no mundo. E nem é questão de “ora, basta conquistar o seu espaço! Você precisa se esforçar!”
Será que quero mesmo um espaço nesse mundo? Um mundo em que não sou gente, e sim número? Um mundo que te obriga a ser o que não é e te enfia regras goela abaixo, doa a quem doer? Um mundo no qual eu tenho que falar aquilo que querem ouvir para que eu seja aquilo de que realmente precisavam? Bom… Se tenho de fazer isso é porque no fim das contas eu não sirvo pra nada daquilo que o mundo tem a oferecer, não é mesmo? E o que eu tenho também não lhe cabe. É como tentar vestir uma roupa de bebê recém-nascido em uma melancia.
Eu não sou um produto. Eu não sou uma oferta. Eu não estou a venda.
Eu tenho muito a oferecer. E é triste que o mundo seja tão cruel a ponto de me fazer pensar o contrário. De me fazer questionar o meu papel. De não me dar o que eu tanto queria: um espaço.

Sobre 13 Reasons Why e tudo o que tá rolando

Em 11.04.2017   Arquivado em Off topic

 

[ALERTA DE TEXTÃO SEM GIFS MANEIROS E POSSIVELMENTE COM SPOILERS]

 

Imagino que se você chegou a esse post é porque já assistiu ao mais novo lançamento original da Netflix: 13 Reasons Why. Ou se não assistiu está sendo atingindo por uma enorme repercussão positiva (e negativa) nas mais diversas redes sociais com gente problematizando e trazendo mais uns motivos aí pra você assistir (ou não) à série.

E é quase por esse mesmo motivo que eu decidi escrever sobre. Quando terminei de assistir à série a ideia era trazer esse post pro Além do Meu Mundo pra ser mais apenas um da série “A Nats indica”, mas devido à chuva de posts no facebook que eu tive a oportunidade de ler, decidi falar o que penso.

Bom, pra quem não assistiu ou não sabe do que eu estou falando (WUT?), aqui vai um breve resuminho: Hannah Baker, de apenas 17 anos, acredita que não há mais nada no mundo pelo qual valha à pena viver. Então ela decide tirar a própria vida. Mas antes de cometer o ato ela resolve gravar fitas para contar as 13 razões que a fizeram acreditar que já não havia mais outra saída. E nessas fitas o espectador encontrará tudo o que a sociedade tanto se esforça para omitir: bullying, assédio, estupro, agressões, drogas, preconceito, intolerância, machismo… A lista é tão grande que sinceramente ultrapassam as 13 razões. Mas mesmo assim, são 13 episódios… E em cada um deles você descobre junto de Clay (amigo de Hannah) o que realmente a fez chegar na cruel decisão do suicídio.

Pesado, eu sei. Mas mais pesado que isso é saber que essa série, inspirada no livro de mesmo título, retrata a realidade das escolas do mundo inteiro… Não acha?

E se por um segundo achar que estou exagerando, clique em “abrir nova aba” e pesquise sobre casos de suicídio e ataques a escolas envolvendo adolescentes. E note que a grande maioria deles tem como pivô da causa o assédio moral e físico sofrido nos corredores e salas de aulas das milhares de instituições de ensino ao redor do globo, assédio mais conhecido como uma palavra que resume tudo: bullying. E enquanto muitos de vocês estão aqui rolando os olhinhos para esse tema que já se tornou sinônimo de clichê, alguém que você gosta muito pode estar sofrendo ou já sofreu e lida com as consequências disso todos os dias.

Eu, que já até escrevi um post sobre o tema aqui no passado e sempre demonstrei grande inquietação a respeito da falta de materiais que popularizassem o assunto para atingir e alertar a sociedade, vibrei com a adaptação da obra literária de Jay Asher para as telas (apenas de eu ter algumas ressalvas pessoais).

Mas é claro que nem todo mundo ficou contente assim com a maneira com que os assuntos citados lá em cima foram abordados. E tudo bem. Tudo bem, mesmo. Todo mundo tem o direito de gostar ou “desgostar” de algo. Aliás, nossa vida hoje é baseada em likes e dislikes, não é mesmo? Mas o que me incomodou foram algumas opiniões sobre a romantização da série ou o certo e errado sobre quem sofre com bullying, depressão e/ou outras doenças mentais. Eu sei que não sou especialista no assunto, mas acho que como jornalista que escreveu um livro em parceria com relatos de histórias de pessoas que sofreram e sofrem até hoje com o bullying… E como pessoa que também já sofreu depressão no passado, talvez o que eu tenha a dizer possa ser considerado.

Enfim… Não vou me ater às questões do enredo e dos personagens em si. A série não é perfeita e possui alguns buracos (na minha humilde opinião), mas esse não é o ponto de discussão que quero propor. O que vou trazer são algumas aspas que provocaram certo desconforto no meu coraçãozinho diante de algumas alegações que pra mim não possuem sentido nem força argumentativa. A minha análise será considerando a série como uma representação da vida real e baseado nos relatos de fontes que documentei ao escrever o meu livro.

 

“O ‘glamour’ do suicídio”

Fico me perguntando se essas pessoinhas que bateram na tecla da romantização realmente assistiram à série quando leio algo assim. INCLUSIVE, essas mesmas pessoinhas demonstraram muita insatisfação e se sentiram horrorizadas por uma série, até então voltada para adolescentes, representar cenas de estupro e suicídio. Não sei se faz muito sentido uma cena ser considerada pesada e romantizada simultaneamente… Mas vá lá.

Quem assistiu tem plena noção de que não, não tem NADA de beleza nas cenas. Muito pelo contrário. Eu acho que não consegui encontrar uma única pessoa a qual tenha assistido esses momentos da série e não se sentiu mal. A cena em que a Hannah Baker tira a própria vida? Não há nem palavras para descrever, sinceramente. É crua, fria, dura. Não tem nem trilha sonora. Porque no momento em que você decide tirar a sua vida… No momento em que a vida está se esvaindo de você não existe trilha nenhuma… Não é?

É claro que o bullying não causa suicídio e nem torna uma vítima automaticamente em um suicida… Mas não finjamos ignorância, por favor… Afinal de contas, o suicídio não é apenas um ato cometido pela Hannah. Se acha que é, sugiro que assista o documentário “Bullying”. Esse é só 01 exemplo documentado dentre tantas reportagens sobre barbaridades relacionadas a esse mal social.

 

“A falsa ideia de que o amor tudo cura”

Acho que muita gente tá tendo uma certa dificuldade pra interpretar algumas questões da trama. De que a série passa a impressão de que o amor de Clay teria impedido Hannah de se matar. Seriously? Não, gente. Vamos lá… Acho que para a Hannah ter chego no ponto em que chegou é porque ela já estava totalmente… Quebrada. E acho que todo mundo percebeu que a personagem tinha um quê de sensibilidade maior (assim como na vida real, que sempre tem uma pessoa A mais sensível do que uma outra pessoa B. porque cada pessoa É UMA PESSOA, right?). E ela desejava que indiretamente alguém no ciclo de pessoas com quem ela convivia mostrasse que sim, ela importava, e que sim, ainda valia à pena viver. Porque no fundo ela não queria ter de fazer o que fez! Mas as pessoas a decepcionaram, uma a uma. Umas intencionalmente, outras inocentemente. E é CLARO que elas não podem ser responsabilizadas de fato pelo ato que ela cometeu. Mas ela precisava de desculpas para fazê-lo. E tentar não fazê-lo. Resumindo: a ideia não era de que o amor de Clay poderia tê-la salvado, e sim sobre o que Hannah esperava das pessoas.

 

“Ela não demonstrou sinais em casa”

De novo… cada pessoa é uma pessoa. Tem gente que demonstra, tem gente que não. E quando se trata de agressões como as que Hannah sofreu, DIFICILMENTE um adolescente vai demonstrar. Nem todo mundo reage a assédios morais e físicos da mesma forma. Nem todo mundo sabe se defender. Ok? Nem sempre é simples assim falar o que acontece. Ok? A atitude da Hannah é repetida tristemente na vida real. Não é uma falsa ideia. É ASSIM QUE ACONTECE.

 

“Todo mundo tem problemas. Nem tudo precisa ser um drama”

Concordo. Em partes. Mas quem concorda que ninguém tem o direito de julgar a dor do outro? Só quem sofre sabe como doi… Acho que nem preciso escrever muito sobre isso, né? Então por favor… Just don’t.

 

“É muito fácil arranjar 13 desculpas em vez de agir e mudar”

Tá… Então bullying é uma desculpa? Estupro é uma desculpa? Agressão moral diária é uma desculpa? Uau. Inversão de valores detected.

VEJA BEM: não estou afirmando a ideia de que todas as 13 razões ou culpados listados por Hannah é válida. Ninguém é culpado e/ou merece sofrer chantagem emocional para assumir qualquer parcela de culpa em um suicídio. Isso, por exemplo, é algo com o qual eu não concordo quando se trata do enredo de 13 Reasons Why. A Hannah foi a única responsável pela decisão de tirar a própria vida. Mas eu ousaria dizer que a sociedade como um todo falha quando esse tipo de fatalidade acontece. Porque somos falíveis, somos imperfeitos, e muitas vezes incompreendidos.

Sabe… Acho que muita gente realmente não entendeu que a proposta da série era retratar o que acontece na vida real e provocar a sociedade e as instituições PARA UMA MUDANÇA, e não encorajar o suicídio ou as pessoas a se calarem porque “nada muda”. NÃO. É justamente o oposto. É despertar o desespero dos espectadores em ver uma porção de absurdos acontecer e os personagens fecharem os olhos para a realidade. Eu sei que muitas vezes isso pode acabar atingindo justamente as pessoas que precisam de ajuda. Muita gente tem falado que a série poderia ser mais um “gatilho” para encorajar o suicídio. Será? Será que essa mesma série também não poderia estar salvando vidas? (PS edit: essa matéria foi publicada hoje: Busca por centro de prevenção ao suicídio cresce 445% após série)

A ideia é justamente abrir espaço para uma discussão sobre o tema. Assim como o livro da “Christiane F., 13 Anos, Drogada, Prostituída…” foi leitura obrigatória em muitas escolas nos anos 70. Não havia um final feliz, mas abriu um buraco na sociedade para algo que era um problema e era real. Sei que 13 Reasons Why não é verídico como o livro da Christiane. Mas pode ter certeza que já existiram e existem muitas Hannah’s por aí.

Como eu disse antes, não sou uma educadora ou uma especialista. Eu sei que é necessário pensar no que é difundido e termos cuidado com o que difundimos, mas eu ainda acho que prefiro a difusão do que a omissão.

 

“Acho que esse é o ponto de tudo. Ninguém sabe ao certo o tamanho do impacto que tem na vida de outras pessoas.”

Au Pair: O que NÃO fazer nas entrevistas

Em 29.03.2017   Arquivado em Por aí

Pronto. Você já está online no site da agência e com host families no seu perfil! Tudo o que precisa agora é pegar aquela listinha com as perguntinhas que a Nats disponibilizou no Além do meu Mundo e… E agora?

É aquela famosa história: não adianta ter a cola da fórmula na prova se você não souber aplicá-la, certo? Certo. E é por isso que a Nats tá aqui: pra ajudar vocês a não fazer cagada na hora da entrevista. Ao contrário do que muitos pensam… Sim, é possível fazer cagada, porque euzinha presenciei esse tipo de situação (que não vem ao caso). Peguem canetas e bloquinhos!

 

Não deixe de mostrar interesse nas kids

Sei que parece óbvio, mas acredite… Existe um BOM motivo para esta ser a primeira dica da lista. O que tem de candidata que quando vai ser entrevistada e só fica perguntando sobre o modelo do carro que vai dirigir, o tamanho da casa, se vai ter uma suíte ou outros benefícios que ela terá em vez de mostrar interesse nas atividades e hobbies das kids é IMPRESSIONANTE. É claro que você pode e deve perguntar questões sobre suas acomodações e coisa e tal, mas isso decididamente não é a prioridade logo de cara. O seu principal objetivo como au pair é cuidar das kids, e se você não demonstrar interesse nelas… Por que diabos os host parents vão te escolher?

 

Não minta

That’s right. Não minta suas experiências e habilidades. Não diga que você é o Master Chef se você não sabe sequer fritar ovos; ou que você tem longos anos de experiência dirigindo se você realmente não tem. Seja sincera. Até porque mentira tem perna curta, eles vão descobrir isso na hora em que você estiver lá, e acredite: vai ser pior. Se você não sabe cozinhar, por exemplo, é um bom momento para começar a se interessar nisso antes mesmo de viajar. Você pode dizer “estou começando a me aventurar mais na cozinha e aprendendo algumas receitas.” Isso vai mostrar que você possui interesse em melhorar para atender às expectativas deles.

 

Não seja inflexível

Isso significa não ser uma pessoa muito fechada com relação às tarefas determinadas a você. O propósito do intercâmbio é justamente evoluir, aprender coisas novas, quebrar barreiras e pré-conceitos. É claro que você não irá gostar de todas as responsabilidades impostas pelos host parents, mas nada é perfeito. Mesmo que você não esteja lá muito satisfeita, tente não demonstrar isso na hora da entrevista. Deixe para pesar os prós e contras da proposta depois que desligar a chamada. Afinal de contas, você terá um tempo para pensar melhor à respeito até um segundo contato. E pense bem antes de recusar ou aceitar o match! Você pode acabar perdendo uma boa oportunidade se for inflexível assim.

 

Não aceite tudo de cara

Pode parecer meio contraditório já que na dica acima eu falei para não dizer “não” de cara, mas calma lá. Não é por isso que você também tem de dizer amém pra tudo, dizer que está de acordo com tudo sem questionar qualquer coisa. Sei que é difícil, principalmente quando se trata da primeira entrevista com uma host family e estamos ansiosas (os) para dar match e viajar logo. Mas lembre-se que essa é uma experiência de pelo menos um ano. Você não vai querer escolher a família errada pra depois ter a dor de cabeça de um rematch, believe me.

 

Não seja desinformada(o)

Após o primeiro contato da host family (que costuma ser por e-mail) para marcar a entrevista por Skype, você vai ter acesso a algumas informações da família para poder se preparar. Vai receber dados da região em que eles moram, quantos filhos, uma pequena descrição sobre cada membro e blablabla. Leia atentamente todas essas informações para poder tirar as suas dúvidas na hora da entrevista. Procure pesquisar sobre a cidade/região em que eles moram para saber o que a área tem a te oferecer e como são os arredores. Eu acho isso realmente importante, de verdade. Imagina só se você fecha com uma host family que mora no meio de lugar nenhum e eles não te concedem um carro para você poder se locomover? Vai ser BEM zoado, nénon?

 

Não faça perguntas desnecessárias

Faça perguntas relevantes e que acrescentem ao seu conhecimento enquanto possível candidata para au pair da host family. Isso vai ser ainda mais fácil se você deixar os host parents conduzirem a entrevista. Fique atenta às informações, pois muito provavelmente novas dúvidas surgirão (além das que você já anotou quando recebeu o perfil da hf) e este será o momento ideal.

 

Não deixe de perguntar o que não entendeu

Isso é sério. Pensa que você já vai estar nervosa(o) por estar fazendo uma entrevista de emprego. Agora pensa que ela vai ser feita em um idioma diferente do seu! Mesmo que o seu inglês seja muito bom, na hora do nervosismo você pode acabar travando, sei lá, ou a conexão da internet pode estar ruim… Enfim! Muita coisa pode acontecer. Então se você não entender o que eles falaram não tenha medo ou vergonha de pedir para repetir. É melhor perguntar do que ficar na incerteza de alguma informação.

 

Não finja ser algo que você não é

Esse tópico está intrinsecamente ligado à dica nº2 , mas agora o foco é você, não as suas habilidades. Isso quer dizer que você deve ser você mesma(o). A host family precisa saber quem você realmente é e ela só vai saber isso se você permitir. Isso é extremamente importante até mesmo para a sua pessoa, pois só assim você também vai ter o feeling de que aquela é a host family perfeita pra ti. Muitos não acreditam muito nesse feeling do match perfeito, mas ele realmente existe. Eu sou prova disso!

 

E aí, anotou tudinho? É claro que não existe uma fórmula perfeita para arrasar em uma entrevista. As coisas acontecem como devem acontecer… Mas se preparar não faz mal a ninguém, não é mesmo?

Espero que curtam as dicas, e se tiverem dúvidas, sabem onde me encontrar! <3

A Volta dos Mortos Vivos

Em 25.03.2017   Arquivado em Off topic

Um bom filho à casa torna. Pelo menos é isso o que o ditado fala, não é? Pois é, minhas queridas e meus queridos. Após um ano e meio vivendo o meu chamado New Yorker Dream, eu estou de volta ao meu Brasil brasileiro. E aqui estou mais um dia sob o olhar sanguinário do vigia tentando fazer a sonsa e fingir que não fiquei sete funkin’ meses sem postar. 🙁 Bad, Nats.

Sei que até uma carta aos leitores cheia de emoção eu escrevi tentando explicar o que tava acontecendo e ainda fiz a promessa porca de que as postagens voltariam a todo vapor. Mas não foi bem assim que funcionou, não é mesmo? Quer dizer… Deu uma engrenada, mas depois tanta coisa aconteceu no meu intercâmbio que eu acabei perdendo a mão das coisas. Eu pensava no tanto de conteúdo que eu poderia estar produzindo diante da experiência rica que eu estava vivendo e que não estava aproveitando… E realmente ficava frustrada. Mas mesmo assim o sentimento não foi capaz de me fazer ter vergonha na cara.

Eu me arrependo em partes. Mas só em partes, sabe por quê? Porque assim como citei na cartinha a vocês, eu precisava viver aquela experiência 100%. Eu queria muito compartilhar a minha vivência, mas eu estava muito sedenta pra VIVER. Acabei sendo egoísta, eu sei. Mas se serve de consolo (?), ficar esse tempo longe me fez muito bem. Fez eu me tornar uma Nats melhor pro Além do Meu Mundo. Uma Nats mais madura cheia de coisas pra contar. Porque é isso o que eu sou, no final das contas: uma contadora de histórias. Eu só precisava de uma atualizada nas histórias. Estou pronta pra contar! E vocês, prontos pra escutar? <3 (Ok, na real é “ler”, mas “escutar” rimou e ficou pique “frase de efeito”, então me deixa).

Um ano de Natália na terra do tio Sam

Em 31.08.2016   Arquivado em Por aí

É verdade que todas as nossas escolhas mudam o curso das nossas vidas. Mas são apenas algumas escolhas que nos mudam para sempre. E embarcar no avião da American Airlines com destino a New York há exatamente um ano, sem sombra de dúvidas, me mudou para sempre.

Cheguei aqui crua. Quem me conhece sabe que eu mal cozinhava arroz…! Aposto que muita gente pensou “ela não vai conseguir. Já já volta para debaixo das asas da mamãe.” Eu sei que alguém aí pensou, porque eu mesma pensei! Muitas vezes ainda acho que vou fazê-lo, sinceramente falando.

Mas toda vez que esse pensamento surgia, eu lembrava o quão grande era o meu sonho de estudar e morar fora, de tudo o que eu fiz e o que eu sacrifiquei para estar aqui. E de repente a gratidão voltava e tudo parecia fazer sentido novamente.

Quando cheguei à terra do tio Sam…! Meu Deus, não vou negar. Fiquei deslumbrada e até meio frustrada porque parece que aqui tudo funciona! As pessoas não julgam, as leis são respeitadas, os preços das coisas são justos, a água da torneira é potável e digerível…!

Só que assim como aprendi a amar o país que me recebeu de braços abertos, comecei a dar valor ao meu país de origem. Aprendi que mesmo com os problemas pelos quais o Brasil está passando atualmente, não há lugar como o nosso lar. Não há comida tão saborosa quanto a nossa. Não há pessoas tão amáveis e calorosas como o brasileiro. Não há palavra no mundo capaz de substituir ou explicar o sentimento mais bonito e mais brasileiro do universo: saudade.

Saudade de ficar até tarde com a minha mãe na sala e acabar adormecendo ali porque havia passado o dia trabalhando e queria passar mais tempo com ela; saudade dos conselhos do meu pai que vinham do nada, mas sempre na hora certa; saudade de ouvir o Max latir porque o meu pai estava chegando do trabalho; saudade dos encontros com as amigas de escola; saudade dos churrascos com os amigos; saudades do Natal bagunçado com a família. Saudade. Simplesmente saudade.

Mas além da saudade que cresceu dentro de mim, um outro sentimento também assolou o meu corpo. E eu só tive consciência disso na noite passada, quando dirigia rumo ao Brooklyn, com as luzes de Manhattan me abraçando. Quando eu avistei um avião no céu.

Meus olhos marejaram instantaneamente ao me lembrar de que sim, há um ano era eu quem voava em um daqueles. E naquele momento eu estava a observar um avião que com alguma possível certeza no mundo trazia muitas vidas para uma nova e grande aventura como a minha.

O sentimento do qual eu falei logo acima eu vos digo agora: orgulho. Orgulho de saber que eu tive a coragem que nem todos possuem, de largar o conforto rumo ao desconhecido. Orgulho por eu não ter desistido quando cheguei e pensei naquele primeiro momento “não vou conseguir” (porque eu consegui!). Orgulho de ter mudado e amadurecido, mas não ter perdido os meus valores e a minha essência. Orgulho da minha história e de como ela me trouxe até aqui. Hoje, independente de quanto dinheiro eu tenho no bolso, independente do glamour que isso tudo pareça ter, eu finalmente posso dizer com a boca cheia que eu sinto orgulho de quem eu me tornei. E de quem eu ainda vou me tornar.

Obrigada, Brasil. Obrigada, Estados Unidos.

O que é ter sucesso?

Em 27.08.2016   Arquivado em Crônicas, Off topic, Por aí

Ter uma boa posição no mercado de trabalho? Ter o carro do ano? Uma casa de dar inveja? Ser poliglota? Viajar o mundo? Conhecer muita gente? Ser um bom pai/uma boa mãe? Casar com o amor da sua vida?

Existem 7 bilhões de pessoas no mundo. Isso significa que são 7 bilhões de respostas diferentes. 7 bilhões (ou mais) de sonhos por aí.

São tantas vidas, tantos lugares que influenciam e refletem na nossa história… É tanta coisa acontecendo na roda da vida que muitas vezes acabamos nos perdendo no caminho. Saímos fora da rota (isso quando e se temos uma rota, né).

Na maioria das vezes achamos que temos tudo sobre controle. Um plano perfeito e infalível que simplesmente não tem como dar errado. Afinal de contas perdemos um tempo arquitetando-o em nossa mente. Muitas pessoas até externam e colocam tudo no papel – dizem que fazê-lo torna o plano/sonho (ou do que quer que chamemos isso) mais consistente, mais “possível”. – Na teoria tudo é lindo, né?

O problema é quando algo sai fora daquilo que era esperado. Mas vale ressaltar que não estamos falando de um acidente de percurso – estes existem apenas para tornar a aventura um pouco mais emocionante e gratificante. – Estamos falando de quando o nosso sonho, a nossa ideia, o nosso plano…! Simplesmente perde o sentido.

Sentiu o peso da frase em negrito? Se fosse um filme ou um livro diríamos que é o ápice da história. O momento de tensão que geralmente explica todos os acontecimentos e que ao final (na grande maioria das vezes), tudo se resolve. Mas acontece que não é um filme. Não é um livro. É a nossa vida. E as coisas não se resolvem simplesmente. E enquanto continuamos na batalha interna entre nós e nós mesmos, o mundo continua a girar e as pessoas correndo atrás do chamado “seu”.

Sentamos na plateia e assistimos essas pessoas conseguirem chegar onde querem enquanto ficamos para trás tentando entender a moral da história e tentando descobrir o que fazer pra chegar lá (seja lá onde esse nosso “Lá” esteja). Pensando no quanto essas pessoas são tão melhores. Porque a grama do vizinho é sempre mais verde.

Perdemos tanto tempo tentando responder a si mesmos “o que é ter sucesso” que esquecemos a pergunta que verdadeiramente importa: o que faz você feliz?

Ser adulto não é difícil. Difícil é nos encontrarmos. Difícil é sermos nós mesmos. Difícil é acharmos o nosso lugar ao sol. Difícil é sabermos qual dos mais de 7 bilhões sonhos é o nosso correndo perdido pelo mundão afora. Difícil é descobrirmos a que viemos. Difícil é ser feliz. E ter sucesso (?). Difícil é…………

Ninguém é obrigado

Em 24.08.2016   Arquivado em Crônicas, Off topic, Por aí

Dia desses um amigo fez aquela pergunta que todo mundo responde em algum momento da vida: “Você já se decepcionou com as pessoas? Com o amor?”

Sabe aquele silêncio ensurdecedor que paira no ar nos momentos mais inesperados? Pois é.

Fico me perguntando até agora por que diabos minha voz ficou entalada na garganta e eu não consegui dar a resposta que já estava na ponta da língua. Vai ver é aquele medo de se expor que no fundo todo ser humano tem. Aquele medo de se mostrar frágil. De se mostrar quebrável.

E mesmo depois da conversa fiquei com aquela pergunta ecoando nos meus ouvidos quando deitei a minha cabeça no travesseiro. Porque eu tinha mesmo a resposta na ponta da língua.

Afinal de contas, acho que todos nós um dia já sofremos e nos decepcionamos. Dentro e fora do amor. E comigo, claro, não seria diferente.

Sabe por que nos decepcionamos? Porque esperamos demais das pessoas. Achamos que só porque somos capazes das loucuras mais absurdas quando gostamos de alguém (não só no amor, mas também na amizade), só porque nos entregamos demais, achamos que as pessoas têm a mesma obrigação conosco. Que o sentimento precisa ser mútuo.

Só porque eu já cansei de largar minhas obrigações pra socorrer uma amiga que tá com dor de amor e passar a madrugada com ela vendo filmes, comendo gordices e aconselhando, não significa que essa amiga irá fazer o mesmo por mim. Só porque eu abri mão de sonhos para estar ao lado de um grande amor, não significa que esse grande amor fará o mesmo por mim. Conseguem entender?

As pessoas nem sempre fariam o mesmo por nós. E é aí que mora a polêmica! Sabe aquela famosa frase da sociedade contemporânea dos memes malucos? “Eu não sou obrigada!”? Pois é, ninguém é obrigado a ser recíproco. E isso deveria ser completamente aceitável.

Só que não é. Em se tratando do ser humano, não é. Somos egoístas mesmo sem querer. Queremos aquilo que as pessoas são incapazes de nos oferecer. E nem é culpa delas, sabe? Como elas vão oferecer algo que não têm?

Meu pai sempre me dizia isso e eu demorei muito pra entender. Confesso que até hoje ainda me custa aceitar, mas é a mais pura verdade. Precisamos parar de esperar demais das pessoas e a ser tão dependentes delas. Se aquilo é o que elas têm para oferecer e não lhes é o suficiente, então talvez seja hora de deixar pra lá, não acham? Afinal de contas… Nós também não somos obrigados a viver com pouco, viver de miséria. Isso mesmo. Não somos obrigados. Ninguém é.

4 ON 4: Luz

Em 18.08.2016   Arquivado em Por aí

Yayyy, sabe o que que aconteceu? Os caras do Charlie Brown invadiram a cidade!

Ok, a real é que o projeto fotográfico deu ~aquela~ atrasada! Mas o que importa ainda é a intensão, né, minha gente. Até porque eu acabei me animando com a coisa! Pra quem não sabe, minha ilustre pessoinha foi convidada para participar do 4 on 4 com mais três outras blogueiras. Já estamos no segundo post do projetinho! Pra quem não viu o primeiro, tomaqui.

Eis que o tema deste mês éééé…

LUZ. <3 Luz artificial, luz natural… Tudo vai de acordo com a interpretação e criatividade da blogueira. Resolvi me dedicar a esse tema durante uma semana. E tudo o que os meus olhinhos julgavam ser dignos de uma foto para o projeto, lá estava eu dando os meus cliques. Vamos ver o que saiu?

Sempre quis tirar uma sequência de fotos do mesmo ângulo assim! Claro que não ficou EXATAMENTE no mesmo ângulo, mas deu pro gasto, né não? A vista ajudou e MUITO. <3

Se tem uma coisa que adoro com relação à luz natural… É como elas acabam interferindo na foto muito “sem querer”, e mesmo assim dá uma beleza única pra uma imagem que às vezes não tem nada de especial!

Esse dia no parque aqui perto de casa foi bem produtivo, fotograficamente falando, riri. Esse arco-íris artificial roubou a cena! O dia estava suuuuper quente e o pessoal do parque ligou aquelas paradinhas que espirram água na grama, e enquanto os meninos e eu nos refrescávamos e brincávamos, eis que…! A foto já diz por si só.

Finalmente consegui capturar o sol dentre as árvores! Parece simples, mas os raios nunca haviam saído bonitinhos como nesse clique. Palmas pra mim, por favorzinho!

Precisei colocar essas fotinhos do bar que fui em Mount Kisco com uma amiga. Achei a vela super atrativa, dando um ar mais aconchegante ao lugar. E eu sou meio vidrada nessas luzes “suspensas” que também provocam um ar meio old!

Já que o tema é luzes e eu celebrei o 4th July… *————-* não consegui evitar e tive que fechar esse post com chave de ouro com o registro de uma das experiências mais inesquecíveis do meu intercâmbio e da minha vida!

 

Hm, I guess this is it, folks! Gostaram da minha tentativa de fotógrafa hipster?

Ah, é! Querem ver o que as outras meninas do projeto andam aprontando?

Crônicas de Júpiter (antes conhecido como Lovecats)

48 Janeiros

Pequeno Ser Pensante

A praga que é te esquecer

Em 31.07.2016   Arquivado em Crônicas

Ouça: Like a Fool – Keira Knightley

É engraçado como acreditamos no poder de certas atitudes para esquecer alguém. Quer dizer… Eu acreditei de verdade que apagando suas fotos das minhas redes sociais… Ou rasgando aquelas outras do mural fariam eu simplesmente esquecer que você já esteve na minha vida.

Eu também acreditei que deletando as músicas do meu iPod – aquelas que costumávamos escutar dividindo o fone de ouvido enquanto ficávamos deitados na sua cama olhando as estrelas pela janela – também deletariam você da minha memória.

Tive certeza absoluta que ia esquecer completamente as noites que você dormiu na minha cama trocando os móveis de lugar e dando embora os objetos de decoração que você me deu – e que eu adorava tanto.

Doei até mesmo as roupas que você me deu. Ou aquelas que você gostava que eu vestisse. Lembra aquele vestidinho azul, o meu preferido? Dei embora com muita dor no coração, só porque você dizia que eu ficava incrível nele.

E seu nome? Fiz minhas amigas banirem do nosso vocabulário. Fizemos um pacto e toda vez que alguém citar o seu nome, perde dez reais. E mesmo assim, adivinha quem é a que perdeu mais dinheiro? Se apostou em mim, acertou. Acertou em cheio.

Aliás, você me acertou tão em cheio que eu já nem sei mais quem sou. Fico me perguntando o que mais eu tenho de fazer pra tirar você da minha vida, dos meus pensamentos, dos meus lábios, dos meus sonhos. Já me peguei rezando à noite, pedindo a Deus que me livrasse das memórias que me levam até você. Já me peguei torcendo pra que aquele tratamento de esquecimento do filme “Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças” – aquele filme que assistimos juntos, lembra? – existisse, porque eu certamente aceitaria passar pelo processo. Eu aceitaria qualquer remédio, qualquer macumba, qualquer droga que substituísse o vício que você se tornou na minha vida.

Daria tudo por uma noite bem dormida, um sonho que só fosse meu, um pensamento que só fosse sobre mim, uma música que me lembrasse a mim. Daria um dos meus rins se dissessem que isso funcionaria.

Já tentei tudo o que é possível pra te esquecer. E mesmo assim, continuas muito vivo em minha memória. Eu lembro de tudo. Lembro até mesmo do timbre da sua voz enquanto andava de costas me encarando no meio daquele parque e me ordenava que eu fizesse o que eu tenho tentado fazer durante todo esse tempo: “Me esquece.

Road Trip: Las Vegas

Em 24.07.2016   Arquivado em Por aí

Estou tão feliz que com a resposta de vocês ao último post sobre a minha road trip que resolvi postar a segunda parte desta aventura o mais rápido que pude! E acreditem ou não, a parte mais sofrência foi, de novo, escolher poucas fotos. É CLARO que a parte do “poucas fotos” não foi realizada com sucesso. Mas eu me refiro mesmo às fotos que realmente ficara, boas, porque muitas delas foram tiradas no escuro.

A informação sobre “fotos no escuro” foi só pra dar a dica de que o nosso segundo destino tem muito mais vida noturna no que diurna. Já sabem de onde estou falando, né? VEEEEEGAAAAAAS!

Foram oito horas de viagem de San Francisco a Las Vegas. Oito horas que nos renderam infinitos rodízios de motorista, infinitas músicas, infinitas risadas e infinitas fotos do deserto. Eu fiquei muito animada por estar cruzando aquelas estradas que a gente cansa de ver em filme, com cactos e postos de gasolina no meio do nada!

A viagem de carro é só um spoiler do que é a tão esperada Las Vegas. Pegamos uma temperatura de 40º na escala Celsius nas três noites que passamos lá! Achei que fosse derreter, de verdade! A má notícia é que a água encanada de Vegas tem um gosto horrível! (Pra quem não sabe, a água encanada dos States é realmente potável e “bebível”) Foi um choque muito grande aceitar isso. A boa notícia é que tudo é bem barato (pasmem), e encontramos uma lojinha perto do nosso hotel que vendia duas garrafinhas de água por $1.00 sem impostos! Tudo é realmente bem barato em Las Vegas! Desde hoteis, comida, roupas e souvenires. Isso porque a única preocupação daquela cidade estratégica e maravilhosamente projetada é que seus visitantes gastem em cassinos.

Isso é bem “contraditório”, né? Quero dizer… Quando você pensa em Las Vegas, logo pensa no luxo e no quanto tudo deve ser caro. E foi bem o contrário! De todas as nossas estadias, Vegas foi o lugar mais barato! E fora isso, preciso dizer com todas as letras o quanto essa cidade é maravilhosa dos pés a cabeça. Tudo é impressionantemente muito bem pensado para os turistas. Nem dá pra acreditar que toda aqueça grandiosidade foi construída no meio do nada!

Pois bem! Logo na primeira noite fomos em uma balada INCRÍVEL. Foi a melhor da minha vida, sem brincadeira! Aliás, vocês mesmos poderão julgar as minhas palavras pelas fotos do post. Assim como NYC, as baladas de Las Vegas também se promovem convidando pessoas de graça, o que claro, fez as au poors pairs irem ao delírio, riri. Quem acompanha meu instagram deve ter achado que eu sou a ryca, phyna do rolê, mas não se iludam!

Nessas três noites que passamos em Vegas também fizemos uma pequena viagem de quatro horas até o Arizona para conhecer o Grand Canyon e cruzar a famosa Rota 66. Preparem os corações para essas fotinhos ma-ra-vi-lho-sas.

Ok, já falei demais! Quero ibagens, comandante Hamilton!

Pra quem achou que a primeira foto em Vegas seria na famosa plaquinha de “Welcome to fabulous Las Vegas”, sinto decepcionar… Pois as primeiras ibagens serão da minha fabulosa noite. Afinal de contas, “What happens in Vegas…”

 

“Stays in Vegas”! E aí? Menti sobre a balada mais incrível dos últimos tempos? Fechemos essa sessão com uma foto de baixíssima qualidade minha com as migas na piscina marota e sem comentários, né?

Quem disse que nunca fui à Paris?

Uma curiosidade (que talvez não seja curiosidade pra vocês, mas foi pra mim), é que é possível entrar em todos os hoteis, porque é neles que a maioria dos cassinos se encontram. E por esse motivos, os hoteis são atrações, e eles aproveitam isso para criar mais e mais atividades para o turistas, como aquários, shoppings e mais um tantão de outras coisas que super valeu à pena ver!

  

Senhoras e senhores… O Grand Canyon \o/

Ê, meu Brasil. O lugar do qual aprendi a ter tanto orgulho! <3

Pronto, só pra não deixar vocês desapontados, uma fotinho na placa de Las Vegas com as girls mais maravilhosas do mundo <3

Eu saio de New York, mas New York não sai de mim <3

Ufa! Acho que dá pra encerrar esse post, nénão? Espero que não tenho se cansado! Gostaram da segunda parte da minha road trip? <3

Página 1 de 1412345... 14Próximo
Translate »